Perceba sua natureza transitória...

Desperte teu Sol Interno...

...e Siga a natureza silenciosa de teu coração.


MMSorge

Tradutor Universal

sábado, 27 de abril de 2013

Helena - Samael Aun Weor

Helena


Salve, salve, Deuses Imortais!
Brindo por vós neste cálice delicioso
e brindo pela virgem dos sete portais.

Eu brindo pela Helena de rosto majestoso
e a ela canto meus cantares
sob os pórtico imortais
de seu templo silencioso.

Helena, enche minha taça
com o vinho da intuição.
Helena, deita em meu copo
tua ânfora de Amor...

Helena, consola meu dolorido coração.
Quero provar o licor da sabedoria
mesmo ampliada a minha dor...
quero embriagar-me de luz e poesia
e despertar nos braços de teu amor.

Bela Helena, eu te amo,
tu és o buril da filosofia,
tu és o fogo do Arcano,
tu és a ânfora da sabedoria
e a ansiada prometida dos sábios.

A púrpura e o ouro
da antiga Ítaca os ponho a teus pés.

Ó Helena!
ponho a teus pés o luxo de Atenas,
Ó núbil donzela,
ponho a teus pés as naves gregas,
Ó Deusa serena,
ponho a teus pés toda as antigas cidades,
Ó bela Helena!

Helena, enche minha taça
com o vinho da intuição
deita entre meu vaso
tua Ânfora de Amor.


Autor: Samael Aun Weor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo ao Sol Interno, agradecemos seu comentário.
Gostou deste Blog? Ajude-nos a divulga-lo.

Obrigado

Namastê
FIAT LUX
PAX

MMSorge

Se o amante se lança na chama da vela e não se queima,
ou a vela não é vela ou o homem não é Homem,
Assim o homem que não é enamorado de Deus
e que não faz esforços para o alcançar não é Homem.
Deus é aquele que queima o homem e o aniquila
e nenhuma razão o pode compreender.

Mawlana Rumi - ' Fihi ma fihi'

Por Amor

Por Amor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

... És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti...

"Nem Cristão, Judeu, ou Muçulmano,

nem Hindu, nem Budista, Sufi ou Zen.

Nem uma Religião ou Sistema cultural.

Eu não sou do Oriente nem do Ocidente,

nem dos oceanos nem da terra,

nem material ou etéreo,

nem composto de elementos.

Eu não existo..."


Mawlana Jalaluddin Rumi