Perceba sua natureza transitória...

Desperte teu Sol Interno...

...e Siga a natureza silenciosa de teu coração.


MMSorge

Tradutor Universal

Para ouvir a Rádio clique no Player

terça-feira, 30 de outubro de 2012

MMSorge - Amor, somente AMOR!



Por mais louca ou difícil, equilibrada ou fácil que nossas vidas possam ser isso é somente aparente... Tudo um dia passará e o que restará depois de tantas experiências de alegrias ou de tristezas é o amor que em tudo vive e pulsa.

Neste amor que transcende as aparências e todas as condições humanas eu, você e todo Universo somos uma única alma cheia de Luz, Paz e Alegria.

Este amor sempre nos envolverá... Hoje e por toda eternidade...Sempre!!!

Nada nunca esteve separado de nada.

Nem eu...
Nem você...
Nem o Universo.

Somos a versificação da unidade na multiplicidade perfeita de seres. Sempre fomos partes do mesmo SER!!!

Somos unidade, somos verso... UNI-VERSO em torque e expansão!

ACORDE!!! CHEGOU A HORA!!!

FIAT LUX
PAX

MMSorge


"Quando enfim sua consciência despertar para dentro de ti, verás que não existe principio nem fim e sim somente o fluir de tua alma nas infinitas formas que teu espirito produz. Nada esta separado de nada, nunca esteve. Tu o sabes..."
  
Eu e ti somos UM!
Desperte!!!

MMSorge


 "Quando tudo passar, quanto tudo terminar e descobrirmos que acordamos restará somente AMOR".

PAX
MMSorge

  
Iniciaremos uma nova fase, eu, você e todo o universo. Onde somente o amor será mais que a lei.

Onde existir a Lei o amor não pode reinar, porque ele esta onde nenhuma lei pode alcançar.

O Amor é sereno, carinhoso, luminoso, pacífico, tudo suporta, tudo aprende, tudo ensina, tudo renuncia para renascer a cada novo momento.

A força do amor transcende a luz de todos os sois, se firma além das galáxias e fecunda todos os universos, sem amor nada seriamos.

Morro eu, morre você e que deste ato consciente de morte mística e profunda possa renascer luz pura, perfeita e imaculada.

Somos somente amor. Nada mais!
VEM!!!

FIAT LUX
PAX

MMSorge

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Buda - Superação do Ego e a Iluminação

Buda - Superação do Ego e a Iluminação 

Dê um pause na rádio para assistir ao vídeo.

Fonte: You Tube

FIAT LUX
PAX

Iluminando a mente - O Grande Discurso na Noite de Lua Cheia


Mahapunnama Sutta (MN 109)
O Grande Discurso na Noite de Lua Cheia 

O Buda dá um ensinamento completo sobre os agregados: o que são, porque são importantes, como eles surgem, qual a sua gratificação, qual o seu perigo e como libertar-se deles.


Clic no Link com a tecla Shift apertada
Dê um pause na rádio para ouvir.
  
(44 minutos)

Acompanhe com o texto abaixo:

Majjhima Nikaya 109
Mahapunnama Sutta
O Grande Discurso na Noite de Lua Cheia

1. Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Savatthi, no palácio da mãe de Migara, no Parque do Oriente.
2. Naquela ocasião – no décimo quinto dia do Uposatha, na noite de lua cheia o Abençoado estava sentado ao ar livre, rodeado pela Sangha dos bhikkhus.
3. Então um certo bhikkhu levantou do seu assento, arrumou o seu manto superior sobre um ombro e juntando as mãos em uma saudação respeitosa disse para o Abençoado:
“Venerável senhor, eu faria uma pergunta ao Abençoado acerca de um certo tema, se o Abençoado concedesse uma resposta à minha pergunta”. – “Sente bhikkhu e pergunte o que quiser.” Assim o bhikkhu sentou e disse ao Abençoado:
4. “Não são estes, venerável senhor, os cinco agregados influenciados pelo apego; isto é, o agregado da forma material influenciado pelo apego, o agregado da sensação influenciado pelo apego, o agregado da percepção influenciado pelo apego, o agregado das formações influenciado pelo apego, o agregado da consciência influenciado pelo apego?”
“Esses, bhikkhus, são os cinco agregados influenciados pelo apego; isto é, o agregado da forma material influenciado pelo apego, o agregado da sensação influenciado pelo apego, o agregado da percepção influenciado pelo apego, o agregado das formações influenciado pelo apego, o agregado da consciência influenciado pelo apego.”
Dizendo, “Muito bem, venerável senhor”, o bhikkhu ficou contente e satisfeito com as palavras do Abençoado. Então ele lhe fez outra pergunta:
5. “Mas, venerável senhor, esses cinco agregados influenciados pelo apego estão enraizados no que?”
“Esses cinco agregados influenciados pelo apego estão enraizados no desejo, bhikkhu.”
6. “Venerável senhor, esse apego é a mesma coisa que os cinco agregados influenciados pelo apego, ou esse apego é algo separado dos cinco agregados influenciados pelo apego?”
“Bhikkhu, esse apego não é nem a mesma coisa que os cinco agregados influenciados pelo apego, nem esse apego é algo separado dos cinco agregados influenciados pelo apego. Qualquer desejo e cobiça que exista, esse é o apego.
7. “Mas, venerável senhor, pode haver variedade no desejo e cobiça em relação aos cinco agregados influenciados pelo apego?”
“Pode haver, bhikkhu,” o Abençoado disse. “Nesse caso, bhikkhu, alguém pensa o seguinte: ‘Que a minha forma material seja assim no futuro; que a minha sensação seja assim no futuro; que a minha percepção seja assim no futuro; que as minhas formações sejam assim no futuro; que a minha consciência seja assim no futuro.’ Dessa forma, existe variedade no desejo e cobiça em relação aos cinco agregados influenciados pelo apego.”
8. “Mas, venerável senhor, de que forma o termo ‘agregados’ se aplica aos agregados?”
“Bhikkhu, qualquer tipo de forma material, quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – esse é o agregado da forma material. Qualquer tipo de sensação, quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – esse é o agregado da sensação. Qualquer tipo de percepção, quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – esse é o agregado da percepção. Qualquer tipo de formações, quer sejam do passado, do futuro ou do presente, internas ou externas, grosseiras ou sutis, inferiores ou superiores, próximas ou distantes – esse é o agregado das formações. Qualquer tipo de consciência, quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – esse é o agregado da consciência. É dessa forma bhikkhu que o termo ‘agregado’ se aplica aos agregados.”
9. “Qual é a causa e condição, venerável senhor, para a manifestação do agregado da forma material? Qual é a causa e condição para a manifestação do agregado da sensação? Qual é a causa e condição para a manifestação do agregado da percepção? Qual é a causa e condição para a manifestação do agregado das formações? Qual é a causa e condição para a manifestação do agregado da consciência?”
“Os quatro grandes elementos, bhikkhu, são a causa e condição para a manifestação do agregado da forma material. Contato é a causa e condição para a manifestação do agregado da sensação. Contato é a causa e condição para a manifestação do agregado da percepção. Contato é a causa e condição para a manifestação do agregado das formações. Mentalidade-materialidade é a causa e condição para a manifestação do agregado da consciência.”
10. “Venerável senhor, como que surge a idéia da identidade?”
“ Nesse caso, bhikkhu, uma pessoa comum sem instrução que não respeita os nobres, que não é proficiente nem treinada no Dhamma deles, que não respeita os homens verdadeiros, que não é proficiente nem treinada no Dhamma deles, considera a forma material como sendo o eu, ou o eu como possuído de forma material, ou a forma material como estando no eu, ou o eu como estando na forma material . Ela considera a sensação como sendo o eu, ou o eu como possuído de sensação, ou a sensação como estando no eu, ou o eu como estando na sensação. Ela considera a percepção como sendo o eu, ou o eu como possuído de percepção, ou a percepção como estando no eu, ou o eu como estando na percepção. Ela considera as formações como sendo o eu, ou o eu como possuído de formações, ou as formações como estando no eu, ou o eu como estando nas formações. Ela considera a consciência como sendo o eu, ou o eu como possuído de consciência, ou a consciência como estando no eu, ou o eu como estando na consciência. Assim é como surge a idéia da identidade.”
11. “Mas, venerável senhor, como que não surge a idéia da identidade?”
“Neste caso, bhikkhu, um nobre discípulo bem instruído, que respeita os nobres, que é proficiente e treinado no Dhamma deles, que respeita os homens verdadeiros, que é proficiente e treinado no Dhamma deles, não considera a forma material como sendo o eu, ou o eu como possuído de forma material, ou a forma material como estando no eu, ou o eu como estando na forma material. Ele não considera a sensação como sendo o eu ou o eu como possuído de sensação, ou a sensação como estando no eu, ou o eu como estando na sensação. Ele não considera a percepção como sendo o eu, ou o eu como possuído de percepção, ou a percepção como estando no eu, ou o eu como estando na percepção. Ele não considera as formações como sendo o eu, ou o eu como possuído de formações, ou as formações como estando no eu, ou o eu como estando nas formações. Ele não considera a consciência como sendo o eu, ou o eu como possuído de consciência, ou a consciência como estando no eu, ou o eu como estando na consciência. Assim é como não surge a idéia da identidade”.
12. “Qual, venerável senhor, é a gratificação, qual o perigo e qual é a escapatória da forma material? Qual é a gratificação, qual é o perigo, qual é a escapatória da sensação? Qual é a gratificação, qual é o perigo, qual é a escapatória da percepção? Qual é a gratificação, qual é o perigo, qual é a escapatória das formações? Qual é a gratificação, qual é o perigo, qual é a escapatória da consciência?”
“O prazer e a alegria, bhikkhu, que surgem na dependência da forma material – essa é a gratificação da forma material. A forma material é impermanente, insatisfatória e sujeita à mudança – esse é o perigo da forma material. A remoção do desejo e a cobiça, o abandono do desejo e a cobiça pela forma material – essa é a escapatória da forma material.
“O prazer e a alegria que surgem na dependência da sensação, o prazer e a alegria que surgem na dependência da percepção, o prazer e a alegria que surgem na dependência das formações, o prazer e a alegria que surgem na dependência da consciência – essa é a gratificação da sensação, da percepção, das formações, da consciência. A sensação, a percepção, as formações, a consciência são impermanentes, insatisfatórias e sujeitas à mudança – esse é o perigo da sensação, da percepção, das formações e da consciência. A remoção do desejo e da cobiça, o abandono do desejo e da cobiça pela sensação, percepção, formações e consciência – essa é a escapatória da sensação, da percepção, das formações, da consciência.”
13. “Venerável senhor, como alguém pode saber, como alguém pode ver, de modo que em relação a este corpo com a sua consciência e todos os sinais externos, não exista a fabricação de um eu, a fabricação de um meu e a tendência subjacente à presunção?”
“Bhikkhu, qualquer tipo de forma material, quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – a pessoa vê toda forma material como na verdade ela é, com correta sabedoria, deste modo: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’

Qualquer tipo de sensação quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – a pessoa vê toda sensação como na verdade ela é, com correta sabedoria, deste modo: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’ 
Qualquer tipo de percepção quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – a pessoa vê toda percepção como na verdade ela é, com correta sabedoria, deste modo: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’ 
Qualquer tipo de formações quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – a pessoa vê todas formações como na verdade elas são, com correta sabedoria, deste modo: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’ 
Qualquer tipo de consciência quer seja do passado, do futuro ou do presente, interna ou externa, grosseira ou sutil, inferior ou superior, próxima ou distante – a pessoa vê toda consciência como na verdade ela é, com correta sabedoria, deste modo: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’ 
Quando alguém sabe e vê desse modo que, em relação a este corpo com a sua consciência e todos os sinais externos, não existe a fabricação de um eu, a fabricação de um meu e a tendência subjacente à presunção.”

14. Então, na mente de um certo bhikkhu surgiu este pensamento: “Portanto, parece que, a forma material não é o eu, a sensação não é o eu, a percepção não é o eu, as formações não são o eu, a consciência não é o eu. Qual o eu então, que é afetado por ações praticadas pelo não-eu?”
Então o Abençoado, conhecendo o pensamento na mente daquele bhikkhu, dirigiu-se aos bhikkhus da seguinte forma: “É possível, bhikkhus, que alguma pessoa que aqui está, desencaminhada, obtusa e ignorante, com a sua mente dominada pelo desejo, possa pensar que ela pode superar a Doutrina do Mestre desta forma: ‘Portanto, parece que, a forma material não é o eu, a sensação não é o eu, a percepção não é o eu, as formações não são o eu e a consciência não é o eu. Qual o eu então, que é afetado por ações praticadas pelo não-eu?’ Agora, bhikkhus, vocês foram treinados por mim através de perguntas em várias ocasiões com relação a várias coisas.
15. “Bhikkhus, o que vocês pensam? A forma material é permanente ou impermanente?” – “Impermanente, venerável senhor.” – “Aquilo que é impermanente é sofrimento oufelicidade?” – “Sofrimento, venerável senhor.” – “É adequado que aquilo que é impermanente, sofrimento e está sujeito à mudança, seja considerado desta forma: ‘Isso é meu, isso sou eu, isso é o meu eu’?” – “Não venerável senhor.”
“Bhikkhus, o que vocês pensam: A sensação é permanente ou impermanente?” – “Impermanente, venerável senhor.” – “Aquilo que é impermanente é sofrimento oufelicidade?” – “Sofrimento, venerável senhor.” – “É adequado que aquilo que é impermanente, sofrimento e está sujeito à mudança, seja considerado desta forma: ‘Isso é meu, isso sou eu, isso é o meu eu’?” – “Não venerável senhor.”

A percepção é permanente ou impermanente?” – “Impermanente, venerável senhor.” – “Aquilo que é impermanente é sofrimento ou felicidade?” – “Sofrimento, venerável senhor.” – “É adequado que aquilo que é impermanente, sofrimento e está sujeito à mudança, seja considerado desta forma: ‘Isso é meu, isso sou eu, isso é o meu eu’?” – “Não venerável senhor.”
As formações são permanentes ou impermanentes?” – “Impermanentes, venerável senhor.” – “Aquilo que é impermanente é sofrimento ou felicidade?” – “Sofrimento, venerável senhor.” – “É adequado que aquilo que é impermanente, sofrimento e está sujeito à mudança, seja considerado desta forma: ‘Isso é meu, isso sou eu, isso é o meu eu’?” – “Não venerável senhor.”
A consciência é permanente ou impermanente?” – “Impermanente venerável senhor.” - “Aquilo que é impermanente é sofrimento ou felicidade?” – “Sofrimento, venerável senhor.” – “É adequado que aquilo que é impermanente, sofrimento e está sujeito à mudança, seja considerado desta forma: ‘Isso é meu, isso sou eu, isso é o meu eu’?” – “Não venerável senhor.”

16. Portanto, bhikkhus, qualquer tipo de forma material, quer seja do passado, do futuro ou do presente ... toda forma material deve ser vista como na verdade ela é, com correta sabedoria, deste modo: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu’. Qualquer tipo de sensação ...Qualquer tipo de percepção ...Qualquer tipo de formações ...Qualquer tipo de consciência ... toda consciência deve ser vista como na verdade ela é, com correta sabedoria, deste modo: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’
17. “Vendo desse modo um nobre discípulo bem instruído se desencanta com a forma material, se desencanta com a sensação, se desencanta com a percepção, se desencanta com as formações, se desencanta com a consciência.
18. “Desencantado, ele se torna desapegado. Através do desapego a sua mente é libertada. Quando ela está libertada surge o conhecimento: ‘Libertada.’ Ele compreende que: ‘O nascimento foi destruído, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado’.”
Isso foi o que disse o Abençoado. Os bhikkhus ficaram satisfeitos e contentes com as palavras do Abençoado. Agora, enquanto este discurso estava sendo dito, através do desapego, as mentes de sessenta bhikkhus foram libertadas das impurezas.


***
Suttas mencionados no podcast:

Dvaya Sutta (SN XXXV.93) - A Díade
Phena Sutta (SN XXII.95) - Espuma

Leia mais sobre os agregados no Khandha Samyutta.


Bons estudos


Você Sentiu Isso a Sua Vida Inteira

Você Sentiu Isso a Sua Vida Inteira 


Fonte: You Tube

Recrie sua realidade!



Arte: Totemical



Dentro de ti existe um Universo infinito de possibilidades.

Quando nos abrimos para essas possibilidades recriamos...

Recriamos o que quisermos!
É simples...


Basta acreditar e vibrar...


Você é o construtor de sua realidade e de seu destino a cada segundo.

Para que isso aconteça basta esta atento, receptivo, com o coração aberto e sereno para as mudanças.

O amor se expressa de forma infinita e pura nas mentes positivas.

Vibre amor e positividade!


FIAT LUX
PAX

MMSorge

domingo, 28 de outubro de 2012

Tu Puedes Sanar Tu Vida - Você pode curar a sua vida.

Tu Puedes Sanar Tu Vida  
Você pode curar a sua vida.


Para assistir dê um pause na rádio.
Fonte: You Tube

PAX

ILUSION Y REALIDADE - Planeta Terra passa por nova Mudanças de Frequência e dimensão.

ILUSION Y REALIDADE 

O Planeta Terra passa por Mudanças de Frequência e dimensão.
Isso altera de forma profunda toda estrutura genética, mental e emocional de tudo e todos.


Dê um pause na rádio para assistir.



Através de inúmeras pesquisas desenvolvemos um trabalho muito especial.
Unimos então todo estudo científico nos campos das frequências sonoras e lumínicas juntamente com a música e a espiritualidade.

Nasceu assim:

MMSorge - Frequências de Cura - Sete Chakras, é um trabalho terapêutico sonoro psico-espiritual (som, alma e espírito) composto por uma coletânea de sete CDs de áudio. Nasceu com o objetivo de tratamento, cura e bem estar da humanidade. Foi desenvolvido através de estudos e pesquisas nos campos da ciência, da musica e da espiritualidade, conectando a antiga sabedoria do Oriente com o conhecimento cientifico do ocidente.

Oriente e Ocidente finalmente se unem para a cura da humanidade.

O objetivo deste trabalho é harmonizar os sete chackas básicos do corpo humano através das frequências sonoras, tem a função de equilibrar e redistribuir toda energia física, mental e espiritual de nosso Ser. Todos nós seres humanos somos compostos de múltiplos corpos mais sutis que se interconectam até o corpo físico. Ao alinharmos e equilibrarmos estes corpos em perfeita sincronia damos inicio ao despertar de uma nova consciência.

MMSorge - Frequências de Cura - Sete Chakras, surge como uma ferramenta poderosa na harmonização dos chakras e revitalização do corpo físico. As 49 Frequências trabalhadas nesta coletânea também estão ligadas aos 49 níveis de nossa mente, passando do nível consciente para o subconsciente em sete saltos de oitavas musicais.

*******

“Quando harmonizamos o corpo físico os ensinamentos sutis dos planos mais elevados da consciência humana e divina interagem com maior fluidez, trazendo para nossa realidade física mais saúde, bem estar e espiritualidade.”

“Se nosso corpo físico não estiver em sintonia e harmonia com nossos sete chakras vitais que regulam e administram o fluxo de nossas energias para o plano físico, não há como nos abastecermos de energia, inspiração e vitalidade dos nossos corpos superiores acima do físico, pois este esta completamente desarmônico e fora de sincronismo com os corpos mais sutis”.

“Nossa função com este trabalho musical é usar frequências chaves que possam reconstruir esta ponte de comunicação entre a matéria e o espírito”.

“Quando harmonizamos nossos chakras tratando-os com as frequências desta coletânea de sete CDs nosso fluxo de energia vital é redistribuído para outros chakras secundários e menores que irrigam todo nosso corpo físico, essa distribuição equilibrada de Energia, Prana ou Ki forma uma malha energética de proteção e blindagem contra as energias desarmônicas do universo. Quando esta malha é danificada começa a surgir disfunções psicológicas, mentais, emocionais e comportamentais resultando por fim em doença que somatizada e se estabelece no corpo físico”.

“Com a harmonização dos sete principais chakras de nosso corpo alcançamos mais disposição, vitalidade e longevidade, isso sem sombra de dúvidas ampliará nossa capacidade psíquica e espiritual nos conduzindo para uma total reestruturação física, emocional, mental e espiritual”.

“Cada um destes sete Chakras também está ligado a um grupo de vértebras de nossa coluna, ao ressoar cada uma das 49 frequências sonoras desta coletânea tocamos uma nota chave e fundamental de nosso organismo. Isso nos abre novas possibilidades de aprendizado e cura”.

“Cada uma destas sete oitavas de frequências sonoras estão em sincronismo com as oitavas da frequência de cores. Ao nos sincronizarmos com o SOM (as frequências) e a LUZ (as cores) entramos em uma nova oitava de frequência mais elevada que nos conecta com a consciência cósmica”.

“Nosso corpo físico é como um instrumento musical se soubermos tocar as notas chaves que ele carrega em seu interior podemos transformar completamente nossa realidade”.

“Ao transformarmos completamente nossa realidade damos inicio ao nascimento de um novo ser”.

“Som e Luz em sincronia harmônica dentro do corpo humano constrói um novo ser ancorado no amor e no respeito pela diversidade de realidades existentes dentro da unidade eterna”.

“Quando isso acontece nasce então para o universo um novo homem Cósmico”.

FIAT LUX 
PAX

MMSorge

Para conhecer mais sobre este trabalho e adquirir esta coletânea acesse:

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

DADI JANKI - A MENTE MAIS ESTÁVEL DO MUNDO


DADI JANKI - A MENTE MAIS ESTÁVEL DO MUNDO


Uma ioguina indiana, DADI JANKI, de 86 anos, foi considerada pelo Instituto de Pesquisa Médica e Cientifica da Universidade do Texas, como a "mente mais estável do mundo" porque, mesmo testada em situações tensas e perigosas, seu eletroencefalograma marcou a presença constante de ondas delta, as ondas mais positivas e lentas produzidas pela atividade cerebral.

Ela recebeu da ONU o título, muito raro de ser concedido, de Guardiã do Planeta, por seu trabalho em prol de mentes mais livres e pacíficas.

Quando lhe perguntaram, em sua visita a São Paulo, a receita de uma mente tão tranquila e sem pesos, ela respondeu:

"Muito amor no coração por todos e nenhum apego por ninguém, tentar não prejudicar pessoa alguma minimamente e eliminar da mente qualquer pensamento negativo, fazendo um exercício diário e ter a certeza de que não estamos aqui à toa, mas para cumprir o destino da evolução. Que somos caminhantes, sem dependências ou estabilidades. Quem não percebe isso se torna escravo do desnecessário e polui a mente".

Em 1978, Dadi Janki foi submetida a um teste na Universidade do Texas, nos Estados Unidos, quando então se tornou conhecida como "a mente mais estável do mundo" (suas ondas cerebrais não se alteram mesmo em situações extremas).

"A maravilha é que, mesmo não entendendo inglês, consegui dar as respostas certas", diz.

Hoje, aos 86 anos, 60 deles dedicados ao estudo espiritual e à prática da meditação, Dadi é só tranqüilidade e paz. Co-diretora mundial da Brahma Kumaris - universidade espiritual com sede na Índia e mais de 5 mil centros pelo mundo -, integrante do grupo Guardiões da Sabedoria e criadora da Fundação Janki de Pesquisas para Saúde Global, em Londres, ela nos recebeu vestindo branco por dentro e por fora, sem solenidades, sem as vaidades comuns à maioria das mulheres. Seu discurso encanta pela pureza e ensina que as mudanças possíveis ao mundo começam no coração de cada pessoa.

- Por que tanta gente está buscando uma vida simples?

- Vivemos com muitas demandas de consumo. Eu quero isto, eu quero aquilo, aquilo outro e assim por diante. E todo mundo tem muitas demandas e expectativas. Se vivemos ao sabor das demandas externas, tudo o que conseguimos ver em termos de reconhecimento da personalidade humana é o que aparece na superfície, o que é artificial. E vida simples significa vida real.

Algumas pessoas pensam que a necessidade da vida é possuir coisas, quando, na verdade, o que realmente importa é possuir valores espirituais. Portanto, quando reafirmamos nossa vida em propósitos de paz, felicidade e amor, caminhamos para a felicidade verdadeira.

A conquista de uma vida simples permite que a espiritualidade se desenvolva facilmente.
E espiritualidade significa eu usar o meu tempo, o meu dinheiro e a minha energia no caminho do bem.

- E de que maneira podemos seguir esse caminho na prática, levando em conta as dificuldades do dia-a-dia?

- Existem três aspectos importantes para o entendimento do que proponho aqui, do que estamos levando adiante com o conhecimento.

a) O primeiro passo é empreender a busca, porque quando faço isso reconheço os territórios internos, em termos de qualidade dos pensamentos, e entendo o que pode ser feito para mudar.
b) Segundo, tenho de conhecer a Deus, ser capaz de ter um relacionamento com o divino, de maneira a estar pronto para receber de Deus o tesouro da paz.
c) Terceiro, eu também preciso entender os movimentos de calma e de ação, assim como o curso e os efeitos de minhas ações. Se eu puder entender essas três coisas, então certamente terei paz verdadeira.

- A senhora vive com pouco?

- Posso viver muito bem com três conjuntos de roupas: uma para tudo, outra para alternar na lavagem, uma terceira guardada. Às vezes, quando visito alguém, as pessoas me chamam para mostrar o número de roupas que elas têm, a quantidade de sapatos, as jóias. Eu sinto compaixão por elas, porque seu intelecto certamente está disperso. Todos esses apelos externos nos distraem do real propósito da vida.

- Essa desconexão com o real complica também nossos relacionamentos?

- Sim, as demandas externas distanciam as pessoas do que entendemos como qualidade em um relacionamento. É o que deteriora a família, as amizades e consagra o egoísmo no lugar da verdade. Quando, enfim, complicamos muito a vida, fica difícil tomarmos conta de nós mesmos e, mais ainda, não há como cuidar devidamente de nossos relacionamentos.

Bem, eu posso mostrar, com a minha vida, de que maneira é possível alcançar a felicidade e, assim, os outros têm uma referência de como conseguir isso também. Com uma vida simples, posso dar atenção aos outros, cooperar com os outros, porque quando meu coração é honesto, ele se torna grande, generoso.

- É possível manter-se centrado mesmo com o turbilhão de informações produzido por jornais, revistas e televisão?

- Eu prefiro viver longe desse fluxo. Porque, se sabe, isso acaba virando um vício. As pessoas acreditam que, lendo jornais ou assistindo TV, estejam apenas buscando informações sobre o que acontece no mundo. Mas, na verdade, tudo isso produz uma grande quantidade de distrações.

O cinema, da mesma forma, difunde muitos e muitos maus hábitos. Assim, fica muito difícil, por exemplo, manter uma vida mais contemplativa, pautada na prática da meditação. A natureza humana é muito suscetível.

Somos freqüentemente afetados pelo mal. E quase sempre a influência do mal ocorre de maneira muito rápida. Se eu, de fato, quiser me tornar um ser humano em sua plenitude, se esse é meu propósito, devo procurar caminhos diferentes, que não me façam perder tempo e energia. Ideias assim são sempre muito inspiradoras. Mas parece um tanto difícil conseguir isso.

A verdade é que há muitos males no mundo de hoje e creio que é mesmo hora de pararmos com isso. Eu tenho o alegre objetivo de, primeiro, fazer da minha vida uma boa vida e manter a mim mesma livre de todas as influências de negatividade do mundo. E há muitas pessoas criando uma vida boa como esta. Gente do mundo todo está reconhecendo que é por meio da espiritualidade que se pode alcançar uma vida plena.

- Vivemos tempos um tanto incertos. Podemos acreditar num bom destino para a humanidade?

- Sim, eu acredito que o futuro será bom. Há pessoas buscando uma vida sensata, uma vida simples, e elas servirão de inspiração para os outros, em favor do mundo. E tudo o que é exigido é uma transformação interna, de maneira que possamos ter bons sentimentos, sem nos colocarmos negativamente contra quem quer que seja. Basta que não tenhamos maus sentimentos, que exercitemos a aceitação dos outros, disseminando paz e felicidade.

- É preciso tornar-se um iogue para incorporar essa atitude?

- Não necessariamente. Todos aqueles que, através da observação contínua de si mesmos, e através da meditação, experienciam um relacionamento autêntico com Deus, podem se tornar as estrelas brilhantes que iluminam o mundo.

Eu acredito que se todos seguirmos juntos assim, poderemos criar o céu aqui na Terra.
Mas, primeiro, teremos de criar o céu em nossas mentes.
Porque tudo o que acontece neste mundo começa antes no coração dos homens.

 Mensagem enviada por Pedro Gomes Moreira

LUZ!!
STELA

terça-feira, 23 de outubro de 2012

CINTURÃO DE FOTONS

CINTURÃO DE FÓTONS


O sistema solar gira em torno de Alcione, estrela central da constelação de Plêiades que está a 500 anos-luz da Terra. Esta foi a conclusão dos astrônomos Freidrich Wilhelm Bessel,  Paul Otto Hesse, José Comas Solá e Edmund Halley, depois de estudos e cálculos minuciosos. Nosso Sol é, portanto, a oitava estrela da constelação - localizada a aproximadamente 28 graus de Touro -  e leva 26 mil anos para completar uma órbita ao redor de Alcione, movimento terrestre também conhecido como Precessão dos Equinócios.


A divisão desta órbita por doze resulta em 2.160, tempo de duração de cada era "astrológica" (Era de Peixes, de Aquário, etc). Descobriu-se também que Alcione tem à sua volta um gigantesco anel, ou disco de radiação, em posição transversal ao plano das órbitas de seus sistemas (incluindo o nosso), que foi chamado de Cinturão de Fótons. Um fóton consiste na decomposição ou divisão do elétron, sendo a mais ínfima partícula de energia eletromagnética, algo que ainda se desconhece na TerraDetectado pela primeira vez em 1961, através de satélites, a descoberta do cinturão de fótons marca o início de uma expansão de consciência além da terceira dimensão. A ida do homem à Lua nos anos 60 simbolizou esta expansão, já que antes das viagens interplanetárias era impossível perceber o cinturão.

A cada dez mil anos o Sistema Solar penetra por dois mil anos no anel de fótons, ficando mais próximo de Alcione. A última vez que a Terra passou por ele foi durante a "Era de Leão", há cerca de doze mil anos. Na Era de Aquário, que está se iniciando, ficaremos outros dois mil anos dentro deste disco de radiação. Todas as moléculas e átomos de nosso planeta passam por uma transformação sob a influência dos fótons, precisando se readaptar a novos parâmetros. A excitação molecular cria um tipo de luz constante, permanente, que não é quente, uma luz sem temperatura, que não produz sombra ou escuridão.  Talvez por isso os hinduístas chamem de "Era da Luz" os tempos que estão por vir...

 Desde 1972, o Sistema Solar vem entrando no cinturão de fótons e em 1998 a sua metade já estava dentro dele.


A Terra começou a penetrá-lo em 1987 e está gradativamente avançando, até 2.012, quando vai estar totalmente imersa em sua luz. De acordo com as cosmologias maia e asteca, 2.012 é o final de um ciclo de 104 mil anos, composto de quatro grandes ciclos maias e de quatro grandes eras astecas. Humbatz Men, autor de origem maia, fala em "Los Calendários" sobre a vindoura "Idade Luz". Bárbara Marciniak, autora de "Mensageiros do Amanhecer", da Ground e "Earth", da The Bear and Company e a astróloga Bárbara Hand Clow, que escreveu "A Agenda Pleiadiana", da editora Madras, receberam várias canalizações de seres pleiadianos. Essas revelações falam sobre as transformações que estão ocorrendo em nosso planeta e nas preparações tanto física quanto psíquicas que precisamos nos submeter para realizarmos uma mudança dimensional. Segundo as canalizações, as respostas sobre a vida e a morte não estão mais sendo encontradas na terceira dimensão. Um novo campo de percepção está disponível para aqueles que aprenderem a ver as coisas de uma outra forma.

Desde a década de oitenta, quando a Terra começou a entrar no Cinturão de Fótons, estamos nos sintonizando com a quarta dimensão e nos preparando para receber a radiação de Alcione, estrela de quinta dimensão, zona arquetípica de sentimentos e sonhos, onde é possível o contato com planos mais elevados, a quarta dimensão é emocional e não física.

As idéias nela geradas influenciam e detonam os acontecimentos na terceira dimensão, plano da materialização. Segundo as canalizações, a esfera quadri-dimensional é regida pelas energias planetárias de nosso sistema solar, daí um trânsito de Marte, por exemplo, causar sentimentos de poder e ira. Para realizar esta expansão de consciência é preciso fazer uma limpeza, tanto no corpo físico como no emocional, e transmutar os elementais da segunda dimensão a nós agregados, chamados de miasmas. Responsáveis pelas doenças em nosso organismo, os miasmas são compostos de massas etéricas que carregam memórias genéticas ou de vidas passadas, memórias de doenças que ficaram encruadas e impregnadas devido a antibióticos, poluição, química ou radioatividade. Segundo as canalizações, esses miasmas estão sendo intensamente ativados pelo Cinturão de Fótons. Os pensamentos negativos e os estados de turbulência, como o da raiva, também geram miasmas, que provocam bloqueios energéticos em nosso organismo. Trabalhar o corpo emocional através de diversos métodos terapêuticos - psicológicos, astrológicos ou corporais - ajuda a liberar as energias bloqueadas.

A massagem, acupuntura, homeopatia, florais, meditação, yoga, o tai-chi, algumas danças, etc, são também técnicas de grande efectividade, pois mexem com o corpo sutil e abrem os canais de comunicação com outros planos universais. As conexões interdimensionais são feitas através de ressonância e para sobrevivermos na radiação fotônica temos que nos afinar a um novo campo vibratório.  Por isso é importante ter uma alimentação natural, isenta de cadáveres de animais ou de elementos químicos, livres de vícios perniciosos como drogas, tabaco e álcool e viver mais com a  natureza, longe da poluição e negatividade mundana, dominando nossas próprias emoções e baixos sentimentos. Ter boas intenções é essencial, assim como estar em estado de alerta para perceber as sincronicidades e captar os sinais vindos de outras Esferas. Segundo a "Agenda Pleiadiana", de Bárbara Hand Clow, o Cinturão de Fótons emana do Centro Galáctico. Alcione, o Sol Central das Plêiades, localiza-se eternamente dentro do Cinturão de Fótons, ativando sua luz espiralada por todo o Universo. 


Os fótons funcionam como purificadores da raça humana e através de suas partículas de luz, às quais estamos expostos nos raios solares, dentro em breve estaremos imersos nesta "Era de Luz", depois de 11 mil anos dentro da Noite Galáctica ou Idade das Trevas, como os hindus se referiam a Kali Yuga. Como um sistema de reciclagem do Universo, o Cinturão de Fótons inicia a Era da Luz. Existem diversas formas da humanidade intensificar sua evolução, desenvolvendo um trabalho de limpeza dos corpos emocionais, com o uso de terapias alternativas, como florais, Yoga, Sahaja Maithuna, musicoterapia, cromoterapia entre muitos outros. São terapias e práticas que trabalham com a cura dos corpos sutis, evitando que muitas doenças sejam desenvolvidas antes mesmo de alcançar o corpo físico, além de curar outras já instaladas. Cada partícula vai se alojando em todos os cantinhos de nosso planeta trazendo a consciência (Luz), a Verdade, a Integridade e o Amor Mútuo.

Cada um de nós tem um trabalho individual para desenvolver aliado ao trabalho de conscientização da humanidade. Os corpos que não refinarem suas energias não conseguirão ficar encarnados dentro da terceira dimensão, pois a quarta dimensão estará instalada. E todos nós redescobriremos a nossa multidimensionalidade e ativaremos nossas capacidades adormecidas dentro da Noite Galáctica.

A inteligência da Terra será catalizada para toda a Via Láctea. Todos estes acontecimentos foram registrados no Grande Calendário Maia, que tem 26 mil anos de duração e termina no solstício de inverno, no dia 21 de dezembro de 2012 dC, que marca a entrada definitiva da Terra dentro do Cinturão de Fótons por 2000 anos ininterruptos.

Por fim, isto nada tem a ver com o famigerado "fim do Mundo" que muitos preconizam, mas sim com transformações e mudanças cíclicas dentro do Cosmos do qual fazemos parte e a Terra passará também por uma grande 'metamorfose' da qual surgirá uma Nova Era.

Se o amante se lança na chama da vela e não se queima,
ou a vela não é vela ou o homem não é Homem,
Assim o homem que não é enamorado de Deus
e que não faz esforços para o alcançar não é Homem.
Deus é aquele que queima o homem e o aniquila
e nenhuma razão o pode compreender.

Mawlana Rumi - ' Fihi ma fihi'

Por Amor

Por Amor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

... És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti...

"Nem Cristão, Judeu, ou Muçulmano,

nem Hindu, nem Budista, Sufi ou Zen.

Nem uma Religião ou Sistema cultural.

Eu não sou do Oriente nem do Ocidente,

nem dos oceanos nem da terra,

nem material ou etéreo,

nem composto de elementos.

Eu não existo..."


Mawlana Jalaluddin Rumi