Perceba sua natureza transitória...

Desperte teu Sol Interno...

...e Siga a natureza silenciosa de teu coração.


MMSorge

Tradutor Universal

quinta-feira, 24 de maio de 2012

O Segredo dos Antigos Nórdicos



"A mitologia germânica é nórdica. A Sabedoria vem do Norte..., o berço da humanidade está no Norte... A Sabedoria oculta veio do Norte à Lemúria, e da Lemúria passou à Atlântida." - Samael Aun Weor

Ainda que o Livro Sagrado dos Povos Germânicos, os Eddas Alemão, tenha seu primeiro registro em língua escrita no século X d.C, a Sabedoria Nórdica deve ser considerada a raiz do conhecimento esotérico da humanidade.

Um breve olhar acerca dos mitos nórdicos assombra os religiosos e estudiosos de qualquer latitude, frente ao conteúdo valorativo de suas narrativas que convergem com os princípios religiosos que vão desde o Egito até os Cristãos Primitivos. Foram estes últimos que, assombrados com a transcendência do Mito de Odin registraram os Eddas Poéticos em 1056.

A imagem mais relacionada aos nórdicos é a dos guerreiros Vikings – do escandinavo, relativo a'vig' - batalha . Estes, moldados pelas tormentas de ar, pelos mares furiosos e tempestades de gelo, se tornaram os mais hábeis navegadores de sua época que, somada a característica combativa própria dos filhos de Odin, resultou em terror para os povos europeus entre os anos de 793 a 1066.

Com seus Navios Dragões, povoaram o nordeste da Rússia, Groelândia, Islândia e chegaram até mesmo às Américas, dirigidos por Érick o Vermelho, 500 anos antes das navegações portuguesas e espanholas. Estabeleceram reinados entre os povos germânicos, sendo estes os principais responsáveis pela transmissão e difusão da Sabedoria Nórdica.

Mas não apenas de guerreiros se compunham os Nórdicos. Certamente, haviam entre eles os que amavam a terra, a agricultura, a forja dos metais e que cultuavam outros Deuses como Thor e Freya.

De fato, historiadores contemporâneos atribuem aos Nórdicos grande responsabilidade na formação da Europa, que vão desde a tecnologia de navegação à formação estrutural das cidades européias. Os clichês que apresentam os nórdicos como selvagens e ignorantes não são mais que fruto da imaginação sensacionalista surgida em meados do século XX e que em muito pouco ou nada retratam uma realidade.

As raízes da Cultura Nórdica, nas palavras de Samael Aun Weor, se perdem na noite dos séculos e originam-se da Ilha Sagrada do Norte, a misteriosa Thule, situada no que hoje é o círculo Polar Ártico. A tradição oral fez com que a Mitologia Nórdica atravessasse os séculos, sendo uma herança divina de imenso valor.

A Mitologia Nórdica

Qualquer datação da origem da mitologia nórdica não passará de mera especulação. Os Eddas são frutos do trabalho arqueológico de monges cristãos que, buscando recolhimento espiritual nas Terras do Gelo (Ice Land, Islandia), registraram os poemas épicos dos povoados que estabeleceram assentamento por aquela região. Portanto é um erro relacionar a data destes documentos à origem da Sabedoria Nórdica.

Ragnarök, o Apocalipse Nórdico

Nesta Mitologia, também se destaca as narrativas do Ragnarök que significa literalmente “O destino final dos Deuses”.
O Ragnarök é explicado ou mencionado em vários poemas relacionados ao Edda poético, em particular no Völuspá, e na parte do Edda em prosa chamada Gylfaginning. No Ragnarök encontramos a causa da Degeneração Humana e o caminho que se deve trilhar para recuperar valores humanos e espirituais.

Metafísica Nórdica

Os Nórdicos conheciam as Dimensões Superiores da Natureza. Em sua Mitologia, nos falam de Nove Mundos ou Dimensões.

Uma das grandes máximas da Sabedoria é que tudo que existe dentro também existe fora e que tudo que há em cima há embaixo.

Baseado nisto, podemos comprovar que as Dimensões Superiores da Natureza existem em nosso interior e que para cada dimensão da natureza o homem possui um corpo ou veículo para nelas se desenvolver.

Os noves Mundos Nórdicos



Asgard


Midgard


Jotunheim


Vanaheim


Alfheim


Musphelhein


Svartalfheim


Nidavellir


Niflheim




Yggdrasil

Yggdrasil é a Árvore da Vida da Kabala, é a expressão das dimensões superiores e inferiores da Natureza.

Nas suas raízes, que se espalhavam pelos Nove Mundos, as profundas estão situadas em Nifheim, os mundos subterrâneos, vivo simbolismo das Regiões Inferiores da Natureza.

O tronco era Midgard, o mundo físico, o Malkut da Kabala Hebraica.

A parte mais alta, que se dizia tocar o Sol e a Lua, chamava-se Asgard "A Cidade Dourada", a terra dos Deuses, o Olimpo Grego, e Valhala ("O Salão dos Mortos"), local onde os guerreiros eram recebidos após terem morrido, com honra, durante as batalhas (a maior batalha que o ser humano deve travar é contra sua natureza infra-humana: o Ego).

O Mito de Odin, o Sacrifício pela Sabedoria e as Runas

Desde seu nascimento, Odin sentiu-se ávido por alcançar a sabedoria. Descobriu que nas raízes de Yggdrasil encontrava-se um poço, custeado pela cabeça da Deusa Mimir, o qual conferia sabedoria para aqueles que bebessem de sua água.

Mimir era uma Deusa que havia sido decapitada e impôs a Odin a condição de sacrificar um de seus olhos, entregando-a, para beber da água do poço.

Odin não hesita, entrega um de seus olhos para adquirir a sabedoria e conhece coisas inefáveis, explendores restritos aos ávidos buscadores da verdade.

O que lhe é dado a conhecer o impele a querer mais: mais conhecimento, mais sabedoria.

Pendura-se de cabeça para baixo na Árvore Yggdrasil, ato rodeado de um profundo simbolismo e alcança as sagradas Runas. Segue o texto do Hávamál (As palavras do Altíssimo), do segundo manuscrito dos Eddas:


“Sei que estive pendurado naquela árvore que o vento açoita,
balançando-me durante nove longas noites,
ferido pelo fio de minha própria espada,
derramando meu sangue por Odín,
eu mesmo, uma oferenda a mim mesmo;
atado à árvore
cujas raízes nenhum homem sabe
para onde se dirigem.
Ninguém me deu de comer,
ninguém me deu de beber.
Contemplei o mais profundo dos abismos,
até que vi as runas.
Com um grito de raiva agarrei-as,
e depois caí desfalecido.
Nove terríveis canções
do glorioso filho de Bolthor aprendi
e um trago tomei do glorioso vinho
servido por Odrerir.
Obtive bem-estar
e também sabedoria.
Saltei de uma palavra a outra palavra,
e de um ato a outro ato...”


A escrita rúnica é antiquíssima. Os historiadores afirmam que esta existe há mais de doze mil anos.

“As Runas são a escritura divina. Lembremos que a Swástica é uma Runa. As letras hebraicas não são mais do que modificações das letras rúnicas.” Samael AunWeor

A Sabedoria das Runas foi deixada aos homens por Odin, para que investigassem, para se divinizar e para obter um sábio aconselhamento quando necessário.

Assim como os Heróis Solares, Odin se submete ao supremo Sacrifício, a Morte, para entregar à humanidade uma Sabedoria Divina e ressuscita glorioso e imortal.

À semelhança do Osíris Egípcio, Rei da Região dos Mortos, Odin é o Pai dos Mortos Gloriosos. Morte, Ressurreição e Sacrifício são três fatores que estão em substância em toda saga solar. Indicam três fatores inerentes da transformação do homem vulgar em divino, Rei Glorioso triunfador das terríveis batalhas, que em um sentido esotérico, fazem alusão à batalha na própria natureza interna do Homem:


“...ferido pelo fio de minha própria espada, derramando meu sangue por Odín, eu mesmo, uma oferenda a mim mesmo...”.

De seu trono, estabelecido no Vahala, contempla os nove mundos. É já o senhor da Sabedoria e da Guerra...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo ao Sol Interno, agradecemos seu comentário.
Gostou deste Blog? Ajude-nos a divulga-lo.

Obrigado

Namastê
FIAT LUX
PAX

MMSorge

Se o amante se lança na chama da vela e não se queima,
ou a vela não é vela ou o homem não é Homem,
Assim o homem que não é enamorado de Deus
e que não faz esforços para o alcançar não é Homem.
Deus é aquele que queima o homem e o aniquila
e nenhuma razão o pode compreender.

Mawlana Rumi - ' Fihi ma fihi'

Por Amor

Por Amor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

... És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti...

"Nem Cristão, Judeu, ou Muçulmano,

nem Hindu, nem Budista, Sufi ou Zen.

Nem uma Religião ou Sistema cultural.

Eu não sou do Oriente nem do Ocidente,

nem dos oceanos nem da terra,

nem material ou etéreo,

nem composto de elementos.

Eu não existo..."


Mawlana Jalaluddin Rumi