Perceba sua natureza transitória...

Desperte teu Sol Interno...

...e Siga a natureza silenciosa de teu coração.


MMSorge

Tradutor Universal

quinta-feira, 22 de março de 2012

A ENCARNAÇÃO DE JESUS CRISTO - COMO O VERBO ETERNO TORNOU-SE HOMEM - Jacob Boehme


A Encarnação de Jesus Cristo
Jacob Boehme





Nota Do Blog:
Iniciaremos no blog O Sol Interno um estudo sobre algumas obras de Jacob Boehme, O filosofo alemão inspirado por Deus. Abriremos um tópico exclusivo chamado Jacob Boehme para aqueles que se interessarem em aprofundar seus estudos sobre sua doutrina e vida. No final de cada capítulo abordado colocaremos sempre um link para download do livro citado na matéria postada.

Jacob Boehme foi mais do que um simples homem, foi um ser que enxergou com a pureza de seu coração os mistérios que envolem Deus, a santíssima trindade e toda a manifestação de sua criação.

Que aos poucos e de forma constante a força e luz cristica possa tocar nossas almas como tocou a alma deste ser especial.


Paz Profunda 
FIAT LUX
PAX
Namastê

A ENCARNAÇÃO DE JESUS CRISTO DESCRITO NOS SEGUINTES TRATADOS:

Livro 1: Como o Verbo eterno tornou-se homem; 
Livro 2: Como devemos penetrar o sofrimento; 
Livro 3: A Árvore da fé Cristã; 

Exposta em três partes: 

I. Como o Verbo eterno tornou-se homem; Maria, a Virgem, quem Ela era no princípio, e que tipo de mãe se tornou através da concepção de seu filho, Jesus Cristo. 
II. Como devemos penetrar o sofrimento, agonia e morte de Cristo; como devemos, com ele e através dele, ressurgir de sua morte, nos tornamos a sua imagem e viver eternamente nele. 
III. A Árvore da fé Cristã. Uma verdadeira instrução, mostrando como muitos podem ser um espírito com Deus, e o que é preciso para se operar as obras de Deus. 

Escrito conforme iluminação Divina por 


Jacob Boehme No ano de 1620


“Temo que em muitas passagens de meus escritos, dificilmente serei compreendido. Mas por Deus, sou facilmente compreendido pelo Leitor, se sua alma encontra-se fundamentada em Deus, é Dele o único conhecimento do qual escrevo. Pouco sei sobre a ciência histórica deste mundo, e não escrevo por vaidade. Não fui gerado pela ciência deste mundo, mas da vida de Deus, a fim de frutificar no paradisíaco jardim de rosas de Deus. Não só para mim mesmo, mas também para meus irmãos e irmãs, para que nos tornemos um santo corpo em Cristo, para Deus nosso Pai, que nos amou e nos ordenou em Cristo, antes que a fundação do mundo fosse estabelecida”. 


Carta de Jacob Boehme à Christian Bernhard, 14 de Novembro de 1619.

***

Livro I 
COMO O VERBO ETERNO TORNOU-SE HOMEM, Maria, a Virgem, quem Ela era no princípio, e que tipo de mãe se tornou através da concepção de seu filho, Jesus Cristo.

CAPÍTULO I 
A pessoa de Cristo, assim como a sua encarnação, não pode ser conhecida pela compreensão comum ou pela letra das Santas Escrituras, sem a Iluminação Divina. E ainda, sobre a origem do Ser Divino e Eterno.

1. Quando Jesus perguntou a seus discípulos: “Quem, dizem os homens ser o Filho do Homem?” Disseram: “Uns afirmam que é João Batista, outros que é Elias, outros ainda, que é Jeremias ou um dos profetas” Então lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Simão Pedro, respondendo disse: “Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo”. Jesus respondeu-lhe: “Bem-aventurado és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne ou sangue que te revelaram isso, e sim o meu Pai que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do Inferno nunca prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus e o que ligares na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus”. Em seguida, proibiu severamente os discípulos de falarem a alguém que ele era o Cristo. A partir dessa época, Jesus começou a mostrar aos seus discípulos que era necessário que fosse a Jerusalém e sofresse muito por parte dos anciãos, dos chefes dos sacerdotes e dos escribas, e que fosse morto e ressurgisse ao terceiro dia”. (Mt.16, 13-21). Sua intenção era mostrar que a razão pessoal, no conhecimento e sabedoria deste mundo, não poderia conhecer ou compreender a pessoa que era Deus e homem; mas que essa pessoa seria corretamente conhecida daqueles capazes de entregar-se inteiramente a ele, e por seu Nome suportar a cruz, a tribulação e a perseguição, de forma fiel. De fato, embora essa pessoa vivesse visivelmente entre nós neste mundo, era pouco conhecido pelo sábio da razão. E embora caminhasse nas maravilhas Divinas, a razão exterior era tão cega e tola que aquelas grandes maravilhas ou milagres foram atribuídos, pelos mais sábios da ciência da razão, ao demônio. Exatamente como no tempo em que vivia visivelmente neste mundo, ele permanece desconhecido da razão e do conhecimento pessoal, de modo que é e continua sendo, até agora, irreconhecível e desconhecido da razão exterior.

2. Tantas contentas e disputas surgiram sobre a sua pessoa, na medida em que a razão exterior sempre acredita ter compreendido o que é Deus e o homem, e como podem ser uma só pessoa. Essa disputa preencheu a terra, pois a razão pessoal sempre pretendeu ter apoderado-se da pérola, sem refletir que o reino de Deus não pertence a este mundo e que a carne e o sangue não podem conhecer ou compreendê-lo, muito menos penetrá-lo.

3. Do mesmo modo, convém a todos que pretendem falar sobre os mistérios Divinos ou mesmo ensiná-los, que possuam o Espírito de Deus, e que saibam à luz Divina o que expressar como verdade; nunca se deve extrair o ensinamento de sua própria razão, nem se apoiar meramente na letra, sem o conhecimento Divino, arrastando-se nas Escrituras, como faz a razão. Muitos erros surgem daqui, pois os homens tem buscado o conhecimento Divino em sua própria compreensão e ciência, passando da verdade de Deus para a razão pessoal, considerando a encarnação de Cristo como algo remoto e distante, enquanto todos devemos nascer novamente de Deus, nesta encarnação, se pretendemos escapar da cólera da natureza Eterna.

4. Cabe aos filhos de Deus uma obra íntima e inerente, com a qual deveriam ocupar-se de hora em hora, diariamente, a fim de penetrar continuamente a encarnação de Cristo, deixar a razão terrestre, e assim, durante esta vida de sofrimento, nascer no nascimento e encarnação de Cristo, caso queiram ser os filhos de Deus em Cristo: Eu me propus a escrever sobre este alto mistério, de acordo com meu conhecimento e dons, para um memorial, para que eu possa assim, ter a oportunidade de recriar e renovar a mim mesmo cordialmente com meu Emanuel, - pois, encontro-me como outros filhos de Deus neste nascimento, - para que eu tenha um memorial e um apoio, caso os trevosos e terrestres, carne e sangue, colocarem em mim o veneno do demônio, obscurecendo minha imagem. Proponho este trabalho como um exercício de fé, através do qual minha alma possa, como um ramo em sua árvore, Jesus Cristo, renovar-se com sua seiva e poder. Assim, não com instrução e grandes discursos da ciência ou luzes da razão deste mundo, mas segundo o conhecimento que tenho de minha árvore que é o Cristo, para que meu ramo também possa florescer e crescer, ao lado de outros, na árvore e vida de Deus. Embora meu fundamento seja elevado e profundo, explicarei de forma clara; contudo devo dizer ao leitor, que sem o espírito de Deus, tudo será para ele um mistério incompreendido. Portanto, que cada um reflita sobre o julgamento que emprega, a fim de não cair no julgamento de Deus, ser agarrado por sua própria turba, e derrotado pela razão. Digo isto com boa intenção e afeição, para reflexão do leitor.

5. Se iremos escrever sobre a encarnação e nascimento de Jesus Cristo, o Filho de Deus, corretamente, devemos refletir sobre a causa, considerando o que movimentou Deus a tornar-se homem, tendo em vista que isso não era necessário para a realização de seu ser. Não se pode dizer que o ser de Deus, propriamente dito, tenha sido modificado na encarnação. Deus é imutável, e ainda assim tornou-se o que Ele não era; mas sua propriedade permaneceu, ao mesmo tempo, imutável. Foi unicamente por causa da queda e salvação do homem, para que Ele pudesse trazê-lo novamente ao Paraíso. É preciso considerar o primeiro homem, da forma que era antes da queda, o que motivou a movimentação da Divindade.

6. Sabemos que Moisés diz: “Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou, homem e mulher ele os criou” (Gn 1,27). Compreenda, então, que Deus, que é um Espírito, olhou a si mesmo numa imagem, como numa semelhança. Ele também criou este mundo, para que pudesse manifestar a Natureza Eterna em essência e substância, assim como nas criaturas e figuras viventes, para que tudo isso pudesse ser uma semelhança e uma produção da Natureza Eterna do primeiro Princípio. Semelhança, que antes dos tempos do mundo, permanecia na sabedoria de Deus, como uma magia oculta, e que foi vista na sabedoria pelo Espírito de Deus, que no princípio deste mundo movimentou a Natureza Eterna, manifestando e revelando a semelhança do mundo divino oculto. Pois, o mundo ígneo encontrava-se como que absorvido e oculto na luz de Deus, a luz da Majestade reinava sozinha em si mesma. Não se deve pensar, no entanto, que o mundo ígneo não existia. Existia; mas separado em seu próprio princípio, e não estava manifestado na luz da Majestade de Deus. Podemos conceber este fato, observando o fogo e a luz; o fogo é, de fato, a causa da luz, e a luz habita no fogo, sem ser capturada por ele, e tendo uma outra vida além do fogo. Pois, o fogo é ferocidade e consome, e a luz é brandura, e de seu poder surge a substancialidade, como a água ou súlfur de algo, que o fogo atrai para si e usa para sua força e vida, formando com isso um laço eterno.

7. Este fogo e a luz divina permaneceram, desde a eternidade, em si mesmos, cada um em sua ordem, em seu princípio, sem possuir fundamento ou começo. Pois o fogo tem em si sua própria forma como fonte, a saber, o Desejo, no qual e do qual todas as formas da natureza são geradas, uma como causa da outra, como já foi detalhado em outros escritos. Encontramos, na luz da natureza, que o fogo em sua essência própria, na fonte amarga do desejo, era trevas, e estava como que absorvido na brandura de Deus, sem inflamação; embora queimasse, só era perceptível como um princípio especial, na brandura de Deus. Pois, desde a eternidade só haviam dois princípios: o mundo ígneo, em si mesmo, e o outro também contido em si mesmo, o mundo da luz-flamejante; embora não estivessem separados, como o fogo e a luz não estão separados, a luz habitava o fogo, sem ser capturada por ele.

8. Devemos compreender dois tipos de espíritos unidos um no outro, ou seja, primeiro um espírito ígneo, em conformidade com a essência da natureza severa e amarga, procedendo do fogo essencial feroz que é frio e quente, conhecido como sendo o espírito da cólera de Deus, pertencente à propriedade do Pai, de acordo com a qual ele se denomina um Deus ciumento e colérico; um fogo consumidor pelo qual o Primeiro Princípio é compreendido. Segundo, um espírito gentil de luz-flamejante, que desde a eternidade recebe sua transformação no centro da luz; pois no Primeiro Princípio, na propriedade do Pai, esse é um espírito ígneo, e no segundo Princípio, na luz, um espírito brando de luz-flamejante, gerado desta forma desde a eternidade, sendo um, não dois. Mas que é compreendido numa fonte dupla, ou seja, no fogo e na luz, segundo a propriedade de cada fonte, como pode ser suficientemente compreendido em qualquer fogo exterior, onde a fonte do fogo origina um espírito feroz e consumidor, e a fonte da luz fornece um espírito amoroso e brando, ainda que originalmente haja senão um espírito.

9. Da mesma forma, devemos considerar o Ser da eternidade ou a Santa Trindade, que na luz da Majestade reconhecemos como sendo a Divindade, e no fogo como sendo a Natureza Eterna. Pois o espírito todo poderoso de Deus, com os dois Princípios, tem sido desde a eternidade o Todo; não há nada anterior a ele, ele é o próprio fundamento e o não fundamento. O Ser divino é considerado especialmente como uma única existência em si, habitando fora da natureza e propriedade ígnea, na propriedade da luz, e é chamado Deus; não da propriedade do fogo, mas da propriedade da luz, embora as duas propriedades sejam inseparáveis. Como vemos neste mundo, que um fogo oculto permanece oculto nas profundezas da natureza e em todos os seres, sem o qual nenhum fogo exterior poderia ser produzido. Observamos como a brandura da água mantém esse fogo oculto aprisionado em si mesma, a fim de que ele não possa ser revelado; pois está como que absorvido na água, sendo, portanto essencial e não substancial, sendo conhecido e qualificado ao despertar-se; tudo era um nada e um não fundamento sem o fogo.

10. Assim, compreendemos também que o terceiro Princípio, ou a fonte e o espírito deste mundo encontrava-se oculto, desde a eternidade, na Natureza Eterna da propriedade do Pai, e que fora visto pelo Espírito de luz-flamejante na santa Magia, na sabedoria de Deus e na tintura divina. Conseqüentemente, a Divindade movimentou-se de acordo com a natureza da genetrix, manifestando o grande mistério, onde encontra-se tudo o que a Natureza Eterna pode fazer. Isso era, contudo, apenas um mysterium, e não assemelhava-se a nenhuma criatura, mas que continha tudo em si, como num caos. A natureza colérica e feroz gerou um caos escuro, e a natureza de luz-flamejante, em sua propriedade, gerou chamas na Majestade e na brandura, que tem sido, desde a eternidade, a fonte de água e causa da santa e divina essencialidade. Era somente poder e espírito, sem paralelo, nada era discernido ali, senão o Espírito de Deus numa fonte e forma dupla, ou seja, a severa fonte do fogo, fria e quente, e a branda fonte do amor, na forma de fogo e luz.

11. É como um mistério que penetra um no outro, sem que um compreenda o outro, mas que ao mesmo tempo permanecia em dois princípios. Aqui então o azedume ou o pai da natureza busca a essência no mistério, onde quer que tivesse sido formada como que numa imagem, ainda que não houvesse nenhuma imagem, mas como que a sombra de uma imagem. Tudo sempre teve, no mistério, um eterno começo, e não se pode dizer que algo tenha surgido sem ter sua figura como sombra na grande Magia eterna; mas não havia ser, somente uma vibração espiritual, uma na outra, constituindo a Magia das grandes maravilhas de Deus, onde sempre houve origem, onde não havia nada, senão uma existência infundada. Este nada, na natureza do fogo e da luz, avançou para um fundamento, ainda que tenha saído do nada senão do espírito da fonte, que não é um ser, mas uma fonte que origina-se de si mesma em si mesma em duas propriedades, e da mesma forma, separa-se em dois princípios. Não há separador ou realizador, nem qualquer causa de sua própria criatividade, ela própria é a causa.

12. Assim, somos capazes agora de reconhecer a criação deste mundo, incluindo tanto a criação dos anjos como a do homem e de todas as criaturas. Tudo foi criado a partir do grande mistério. Pois, o terceiro Princípio posicionou-se diante de Deus como uma magia, não sendo manifestado por inteiro. Deus não tinha nenhuma semelhança, na qual pudesse manter seu próprio ser, mas somente a sabedoria. Este era seu anseio, e estava lá em sua vontade, com seu espírito, como uma grande maravilha na magia divina de luz-flamejante do Espírito de Deus. Pois, a sabedoria era a morada do Espírito de Deus, e não uma genetrix, mas a revelação de Deus, uma virgem e causa da divina essencialidade, pois nela encontra-se a tintura divina de luz-flamejante para o coração de Deus, assim como para o Verbo da vida da Divindade, a revelação da Santa Trindade. Não que a sabedoria tenha manifestado a Deus através de seu próprio poder e produtividade, mas o centro divino, ou seja, o coração de Deus ou ser, manifestou-se nela. A sabedoria é como se fosse o espelho da Divindade; pois nenhum espelho produz ou mantém qualquer imagem, apenas recebe a imagem. Da mesma forma esta virgem da sabedoria é um espelho da Divindade, no qual o Espírito de Deus se mantém, assim como todas as maravilhas da magia, que chegaram à existência com a criação do terceiro Princípio. Tudo foi criado a partir do grande mistério, e a virgem da sabedoria de Deus permaneceu no mistério e nela o Espírito de Deus viu as formas das criaturas. Pois isto é aquilo que é pronunciado, aquilo que o Pai pronuncia através do Espírito Santo, a partir de seu centro da propriedade divina de luz-flamejante, do centro de seu coração, do Verbo da Divindade. A sabedoria permanece diante da Divindade como Seu reflexo ou espelho, onde a Divindade se mantém, e nela repousa o reino divino da alegria e da vontade divina, ou seja, as grandes maravilhas da eternidade, que não tem começo nem fim, nem número, mas tudo é um eterno começo e um eterno fim, e juntos assemelham-se a um olho que vê, onde, contudo não há nada a vista, ainda que a vista surja da essência do fogo e da luz.

13. Assim, compreenda na essência do fogo, a propriedade do Pai e o primeiro Princípio; na fonte e propriedade da Luz a natureza do Filho ou o segundo Princípio; e o Espírito governante que procede destas duas propriedades compreenda como o Espírito de Deus, que no primeiro Princípio é colérico, severo, amargo, azedo, frio e feroz, o espírito propulsor na cólera. Portanto ele não reside na cólera e na ferocidade, mas sai e sopra o fogo essencial, unindo-se novamente à essência do fogo, pois as essências ígneas atraem o espírito novamente para si, já que o espírito é a sua fonte e a sua vida; novamente, no fogo inflamado na luz, o espírito procede do Pai e do Filho, revelando as essências ígneas na fonte da luz, através da qual as essências ígneas queimam num grande desejo de amor, e a fonte austera rigorosa não é conhecida na fonte da luz, a fim de que a severidade do fogo seja apenas uma causa da majestade da luz-flamejante e o amor desejoso.

14. Assim, devemos compreender o Ser da Divindade e também da Natureza Eterna. Compreendamos sempre o ser divino na luz da majestade, pois a luz branda torna a natureza severa do Pai gentil, amorosa e misericordiosa, quando Deus é denominado um Pai de misericórdia, de acordo com seu coração ou Filho. Pois a propriedade do Pai encontra-se no fogo e na luz. Ele é o Ser de todos os seres. Ele é o não fundamento e o fundamento, e no nascimento eterno divide-se em três princípios, embora na eternidade haja senão dois princípios no ser, e o terceiro é como um espelho dos dois primeiros, do qual este mundo foi criado como uma existência palpável num começo e fim.

Para aprofundar seus estudo abaixo o Link do Livro:
Bons Estudos

"A Morte mística é o caminho para a vida Eterna."
Jacob Boehme

FIATLUX

PAX



MMSorge





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo ao Sol Interno, agradecemos seu comentário.
Gostou deste Blog? Ajude-nos a divulga-lo.

Obrigado

Namastê
FIAT LUX
PAX

MMSorge

Se o amante se lança na chama da vela e não se queima,
ou a vela não é vela ou o homem não é Homem,
Assim o homem que não é enamorado de Deus
e que não faz esforços para o alcançar não é Homem.
Deus é aquele que queima o homem e o aniquila
e nenhuma razão o pode compreender.

Mawlana Rumi - ' Fihi ma fihi'

Por Amor

Por Amor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

... És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti...

"Nem Cristão, Judeu, ou Muçulmano,

nem Hindu, nem Budista, Sufi ou Zen.

Nem uma Religião ou Sistema cultural.

Eu não sou do Oriente nem do Ocidente,

nem dos oceanos nem da terra,

nem material ou etéreo,

nem composto de elementos.

Eu não existo..."


Mawlana Jalaluddin Rumi