Perceba sua natureza transitória...

Desperte teu Sol Interno...

...e Siga a natureza silenciosa de teu coração.


MMSorge

Tradutor Universal

Para ouvir a Rádio clique no Player

sábado, 28 de maio de 2011

Lao Tsé - Hua Hu Ching






41
Bueno y malo, yo y los otros, vida y muerte: ¿Por qué afirmas estos conceptos? ¿Por qué los niegas?

Hacer cualquiera de estas dos cosas es ejercitar la mente, y el ser integral sabe que las manipulaciones de la mente son sueños, espejismos y sombras.

Si mantienes una idea, otro luchará contra ella. Muy pronto los dos estaréis en conflicto con un tercero y con el tiempo, tu vida se convertirá toda ella en parloteo y contradicción.

Intenta, por el contrario, mantener tu mente sin división.

Disuelve todas las ideas dentro del Tao.

42
Nada es absoluto en la región de los pensamientos ni de las ideologías.

Si te apoyas mucho tiempo en uno de ellos, este se desmorona.

Por esta razón, no hay nada más fútil y frustrante que confiar en la mente.

Para llegar al inconmovible, debes hacerte amigo del Tao.

Para lograrlo, silencia tu pensamiento.

Deja de analizar, de dividir, de hacer distinciones entre una cosa y otra.

Ve simplemente lo que eres dentro del universo, y acepta todas las cosas y a todos los seres como parte de tu cuerpo infinito.

Cuando te das cuenta de que algo que haces a otro es algo que te haces a ti mismo, has entendido la gran verdad.

43
En la Antigüedad, las personas vivían vidas holísticas. No exageraban la importancia del intelecto, si no que integraban la mente, el cuerpo y el espíritu en todas las cosas.

Esto les permitía llegar a ser maestros del conocimiento, en vez de ser víctimas de los conceptos.

Si aparecía un nuevo invento, indagaban los problemas que podría causar, así como las ventajas que ofrecía.

Apreciaban los antiguos métodos que habían demostrado ser eficaces, y apreciaban los nuevos métodos si podían demostrar su eficacia. Si quieres dejar de estar confuso, imita a los antiguos: unifica tu cuerpo, tu mente y tu espíritu en todo lo que hagas.

Escoge alimentos, vestidos y techo de acuerdo con la naturaleza.

Confía en tu propio cuerpo para trasladarte. Deja que tu trabajo y tu ocio sean la misma cosa.

Ejercita lo que desarrolle todo tu ser y no sólo tu cuerpo. Escucha música que conecte las tres esferas de tu ser. Elige dirigentes por su virtud y no por su riqueza o poder.

Sirve a los demás y desarróllate al mismo tiempo.

Entiende que el verdadero crecimiento procede de afrontar y resolver los problemas de la vida en armonía contigo mismo y con los demás. Si sigues estos simples y viejos procederes, estarás continuamente renovado.

44
Ésta es la naturaleza de la mente no iluminada: Los órganos sensoriales, que están limitados en su alcance y capacidad, recogen información al azar.

Esta información parcial se convierte en juicios, que están basados en previos juicios, que, a su vez, están habitualmente basados en ideas insensatas de cualquier otra persona.

Estos falsos conceptos e ideas se acumulan así en un sistema de memoria altamente selectivo.

Distorsión sobre distorsión: la energía mental fluye constantemente a través de canales deformados e inadecuados, y cuanto más se utiliza la mente, más confuso se vuelve uno.

Para eliminar la contrariedad de la mente, no sirve para nada hacer algo; esto sólo refuerza los mecanismos de la mente.

Por el contrario, disolver la mente es un asunto de no-hacer:

Evita simplemente apegarte a lo que ves y piensas.

Abandona el concepto de que estás separado de la mente omnisciente del universo.

Entonces puedes recuperar tu percepción interior pura y ver a través de todos los espejismos. 

No sabiendo nada, serás consciente de todo. Recuerda: como la claridad y la iluminación están dentro de tu propia naturaleza, se recuperan sin moverte ni un centímetro.

45
Si corriges tu mente, el resto de tu vida se armonizará. Esto es así porque la mente es el aspecto que rige la vida humana. 

Si el río fluye con claridad y limpieza a través del cauce apropiado, todo estará bien a lo largo de sus riberas. 

El Camino Integral depende de la disminución, no del aumento: Para corregir tu mente, confía en el no hacer. 

Deja de pensar en complicaciones y de aferrarte a ellas. 

Conserva tu mente desapegada y plena. Elimina la opacidad y la oscuridad mental. Mantén tu mente clara como el cristal. 

Evita fantasear y deja que emerja tu pura percepción interior. 

Calma tus emociones y mora en la serenidad. 

No te afanes en la adoración de ídolos, imágenes e ideas, sería como poner una nueva cabeza sobre la que ya tienes. 

Recuerda: si puedes cesar toda tu incansable actividad, aparecerá tu naturaleza integral.

46
El Tao origina lo Uno.

Lo Uno origina el Yin y el Yang.

El Yin y el Yang originan todas las cosas. Ahora olvídalo.

La totalidad completa es la totalidad completa. Así pues, cada parte también es la totalidad completa.

Olvida también esto.

El dolor y la felicidad son simples estados del ego.

Olvida el ego.

El tiempo y el espacio son mutables y se disuelven, no son permanentes ni reales.

Pueden considerarse como accesorios, pero no pienses en ellos.

Los seres sobrenaturales sin forma extienden su fuerza vital por todo el universo para apoyar tanto a los seres formados como a los seres no formados.

Pero no te preocupes de esto; lo sobrenatural es simplemente parte de la naturaleza, lo mismo que lo natural.

La verdad sutil no pone el acento en ninguna de las dos e incluye a ambas.

Toda verdad se halla en el tai chi: cultivar la mente, el cuerpo o el espíritu, equilibrar simplemente las polaridades.

Si la gente lo entendiera, la paz del mundo y la armonía universal surgirían de manera natural. Pero olvídalo todo sobre comprender, armonizar y hacer de todas las cosas una.

El universo ya es una unidad armoniosa; toma simplemente conciencia de ello.

Si hurgas en busca de paz interior, perderás tu paz interior.

47
El pensamiento dualista es una enfermedad. La religión es una distorsión. 

El materialismo es cruel. La espiritualidad ciega es irreal. 

Cantar no es más sagrado que escuchar el murmullo de un arroyo, pasar las cuentas de un rosario no es más sagrado que simplemente respirar, los hábitos religiosos no son más espirituales que la ropa de trabajo. 

Si deseas alcanzar la unidad con el Tao, no te dejes atrapar en superficialidades espirituales. 

Por el contrario, vive una vida tranquila y simple, libre de ideas y conceptos.

Encuentra la satisfacción en la práctica de la virtud sin hacer distinciones, que es el único verdadero poder.

Dando a los demás de manera generosa y anónima, irradiando luz por el mundo e iluminando tu propia oscuridad, tu virtud se convierte en un santuario para ti mismo y para todos los seres.

Esto es lo que quiero decir cuando hablo de encarnar el Tao.

48
¿Deseas liberarte de los nudos mentales y emocionales y hacerte uno con el Tao? 

Si es así, existen dos posibles caminos para ti. 

El primero es el camino de la aceptación. 

Afirma a cada uno y cada cosa. 

Extiende libremente tu buena voluntad y tu virtud en cualquier dirección, cualesquiera que sean las circunstancias. 

Acepta de corazón todas las cosas como parte de la Unidad Armoniosa, y entonces empezarás a percibirla. 

El segundo camino es el del rechazo. 

Reconoce que todo lo que ves y piensas es una falsedad, una ilusión, un velo sobre la verdad. 

Quita todos los velos y llegarás a la Unidad. 

Aunque estos caminos son totalmente diferentes, te conducirán al mismo lugar: la conciencia espontánea de la Gran Unidad. 

Una vez que llegues a ella, recuerda: ya no es necesario luchar para mantener la unidad. Todo lo que tienes que hacer es participar ella.

49
Pensar y hablar sobre el Camino Integral no es lo mismo que practicarlo. 

¿Quién seconvirtió alguna vez en un buen jinete por hablar de caballos? 

Si deseas encarnar el Tao, deja de parlotear y empieza a practicar. 

Relaja tu cuerpo y sosiega tus sentidos.

Haz regresar tu mente a su claridad original. 

Olvida todo sobre el estar separado de los demás y de la Fuente Divina. 

Cuando regreses a la Unidad, no pienses en ella, ni por ella estés sobrecogido. 

Esta es simplemente otra forma de separarte de ella.

Simplemente fúndete en la verdad y deja que te rodee.

50
¿Para qué sirve pasar tu vida acumulando cosas materiales? Esto no es seguir el Tao.

¿Qué beneficio hay en adaptar tu conducta a las convenciones de alguien? 

Esto viola tu naturaleza y disipa tu energía. 

¿Por qué separar tu vida espiritual y tu vida ordinaria?

Para un ser integral no existe esa distinción. 

Vive simple y virtuosamente, siendo auténtico con tu naturaleza, sin trazar una línea entre lo que es espiritual y lo que no.

Ignora el tiempo. Abandona ideas y conceptos. Acepta de corazón la Unidad. 

Éste es el Camino Integral.




Baixe este livro na integra 

Segure a tecla shift apertada e Clic aqui

Bons estudos


Gnose e A Mitologia Nórdica


1 - INTRODUÇÃO E IMPORTÂNCIA ESOTÉRICA
  
O V.M. Samael Aun Weor diz no capítulo XXIX de “O Matrimônio Perfeito” que “podemos considerar o Edda alemão como a Bíblia germânica. Neste arcaico livro está contida a sabedoria oculta dos Nórdicos”.

É indubitável que foram muitos os povos e raças que em algum momento receberam um ensinamento de tipo superior, no entanto, hoje, nos nossos dias, a tendência é achar que o berço da espiritualidade foi a Ásia, a Índia, o Tibete ou o Egito. Mas há que dizer que muito antes da Sabedoria da Serpentechegar a estes lugares, ela já estava entre os Nórdicos.

Segue dizendo o V.M.: “A mitologia germânica é nórdica. A Sabedoria vem do Norte..., o berço da humanidade está no Norte... A Sabedoria oculta veio do Norte à Lemúria, e da Lemúria passou à Atlântida. Depois da submersão atlante, a Sabedoria ficou naquelas terras que fizeram parte do continente atlante.”

Segundo isto, é possível que a Mitologia Nórdica que hoje conhecemos seja a que contém a linha mais pura de ensinamentos esotéricos, tal como foram ensinados na raça hiperbórea? Seguramente é assim, ainda que com o passar dos séculos tenha sofrido também muitas modificações.

Em todo caso, S.A.W. enfatiza: “É urgente estudar o Edda Germânico, saber lê-lo nas entrelinhas, e depois pesquisar na Ilha de Páscoa, México, Yucatán, etc.”

Vamos, portanto, seguir este sábio conselho e estudar um pouco da Sabedoria Nórdica...


2 - OS VIKINGS

O que hoje os historiadores escrevem a respeito dosVikings trata de assaltos, lutas e invasões.

Certamente, entre os anos 793 e 1066 d.C., entra em cena na Europa um povo até então desconhecido, os chamados Vikings, formado por pessoas de diferentes zonas da Escandinávia, principalmente suecos, dinamarqueses e noruegueses.

As razões pelas quais o povo Viking atinge nesse momento seu esplendor não são claras, mas dois argumentos podem ajudar a explicar isso:

Por um lado, é um povo de navegantes em mares açoitados continuamente por terríveis tormentas. Isto fez com que desenvolvessem melhor que outros povos a arte da navegação e chegassem a construir barcos superiores aos dos demais povos europeus, o que lhes permitiu abrir rotas comerciais pelos principais rios navegáveis da Europa e da Rússia ocidental e colonizar terras até então inexploradas, como partes do Noroeste da Rússia, Islândia, Groenlândia – onde fundaram cidades – e, inclusive, como “Erik o Vermelho” que chega a pisar a América (na península do Lavrador) 500 anos antes que Cristóvão Colombo.

Como exemplo de seu amor pelo mar e pela aventura, recolhemos o seguinte poema Viking:


Posso cantar                                                      minha própria história,
falar de minhas viagens,                                  e como muitas vezes sofri
tempos de dura navegação                             e dias de muito afã;
Amargas carências                                           amiúde em muitos portos,
E muitas vezes aprendi                                    que difícil morada
é um barco em uma tormenta,                        quando chegava meu turno
na árdua noite de vigia                                     à proa do navio
vendo passar os alcantilados.                         Muitas vezes estiveram meus pés
aprisionados pelo gelo                                     em gelados calçados,
Torturado pelo frio,                                            dominado pela angústia
Meu coração atormentado,                              anelando uma ajuda
Minha cansada mente de marinheiro...      ...E ainda uma vez mais
O sangue em meu coração                             outra vez mais
empurra-me para tentar                                   brincam as salgadas ondas;
O mar parece montanhas,                              urge novamente
O impulso de meu coração                            visitar longínquas terras
Empreender uma nova viagem,                    em mares muito distantes...
Conhecer outros povos

(O marinheiro: Exeter book)

(Lê-se o poema como faz sentido, isto é, primeiro a linha da coluna da esquerda e depois a da direita. Se está escrito nesta forma é para respeitar o original, já que assim escrevia-se na linguagem Nórdica antiga.)

Por outro lado, os mitos e lendas nos quais se baseia sua cultura são de um caráter heróico, guerreiro e aventureiro tão extraordinários que, ao interpretar estes mitos de uma forma “exotérica”, naturalmente isso impulsiona à aventura e à conquista: chegam a saquear as principais cidades da Inglaterra, do norte da Alemanha, Paris, inclusive há relatos de um assalto a Sevilha onde são rechaçados pelos mouros, então presentes na Espanha (embora também seja necessário dizer que muitos historiadores pensam que nestes relatos sobre assaltos há mais lenda que realidade).

Não há duvida de que seus mitos, de tão extraordinário caráter heróico e guerreiro, tinham que ser entendidos de forma esotérica, como o caminho do guerreiro em luta contra si mesmo. Mas, como sempre acontece nestes tempos já tão degenerados, só uns poucos eram capazes de ler a mensagem oculta.

Apesar de tudo, cada vez são mais os historiadores que concordam que o povo Viking era um povo culto que conhecia e gostava de escutar estes mitos, havia neles valor, poesia e algo de mistério...

3 - OS MITOS E LENDAS NÓRDICOS

3.1.- FONTES HISTÓRICAS

Determinar a origem destes mitos e lendas não é fácil. Ao transmitir-se oralmente, de geração em geração, qualquer das datas que hoje a ciência lhes atribui (fala-se dos séculos VIII ou IX) são meras especulações.

Hoje, à luz da Gnose, podemos dizer que a sua origem se perde na noite aterradora dos séculos, as suas raízes provêm da Ilha Sagrada do Norte, a misteriosa Thule, situada no que hoje é o círculo Polar Ártico e onde, em um passado remotíssimo, habitou a raça hiperbórea.
Desde então, a sabedoria oculta daqueles Deuses foi passando, na forma de mitos e lendas, de raça em raça e de geração em geração, até chegar à época atual.

Por volta do século X, os monges irlandeses que tinham se mudado para Islândia, buscando a solidão e o recolhimento, entram em contato com os Vikings – que começam a estabelecer assentamentos na Islândia– e recolhem por escrito alguns dos poemas pagãos que circulam entre os Vikings.

Deste modo, quase todo o material que existe atualmente sobre a Mitologia Nórdica provém da Islândia.

Este material se divide em dois grupos: os Eddas (sobre cujo significado os estudiosos não se põem de acordo, mas nós nos permitimos sugerir que poderia derivar da raiz “Ed” que significa “ato solene, juramento”) e os poemas Skaldicos (do noruego antigo"Skáld", “poeta”).

Os Eddas são compostos de dois manuscritos: o primeiro chamado“Codex Regius” consta de 29 poemas completos ou fragmentos e foi guardado em Copenhage(Dinamarca) até 1971 quando foi devolvido para Islândia. O segundo consta de 7 poemas, um dos quais não está incluído no Codex Regius. Estes poemas contêm mitos religiosos, histórias sobre os heróis antigos e conselhos sobre a vida diária. Entre eles temos o Völuspá (que significa “as profecias da Sibyla”), o Hávamál (“As palavras do Altíssimo”), etc.

Os poemas Skaldicos como o de “El marino” citado anteriormente, pelo contrário, contém eventos históricos, relatos da vida diária, sucessão de reis, batalhas, etc.

Finalmente, temos as “sagas” (relatos) em prosa, atribuídas, em sua maioria, a um governante e poeta da Islândia, no século XIII, chamado Snorri Sturluson, que recolheu em tais “sagas”, entre outras coisas, aclarações e explicações sobre os poemas Eddas, o que serviu de grande ajuda para compreender melhor estes mitos.

Quando alguém estuda os Eddas, dá-se conta de que a tradição esotérica do povoNórdico foi profunda e riquíssima, mas infelizmente muito se perdeu. Alguns dos poemas de conteúdo esotérico são incompletos e estão misturados com muitas partes intranscendentes. Assim, por exemplo, no Hávamál (“As palavras do Altíssimo”) há apenas um pequeno fragmento de profundo conteúdo esotérico (citado mais à frente) que sem dúvida era parte de um texto muito mais amplo. O resto do Hávamál são conselhos sobre o viver diário, mas sem maior transcendência.

Apesar de tudo, o que chegou até nós é suficiente para que nossa alma sedenta de sabedoria possa deleitar-se com “As palavras do Altíssimo”.

3.2.- A CRIAÇÃO

Assim começa o mito da criação no Völuspá (As profecias da Sybila):


Ouço e vejo pessoas sagradas Grandes e pequenas, no reino de Heimdal (guardião da morada dos Deuses).

Pede a mim Valford (pai dos guerreiros, outro nome de Odin) que eu te conte os antigos mitos dos homens, que me adentre nas profundidades da memória.

O mundo começou em uma idade de ouro.

Recordo gigantes nascidos no começo do tempo, Que a mim criaram em tempos muito longínquos, Nove mundos eu recordo, nove raízes da árvore do poder (refere-se a Yggdrasil, a árvore cósmica) Que sustentava os mundos e também os mundos sob a Terra.

Nos princípios do tempo não existia nada.

Não existia areia, nem mar, nem as frias ondas, Não existia a terra, nem os elevados céus.

Só um grande vazio, surgido do nada, Até que os filhos de Bur (os Deuses) levantaram as terras, criaram a Terra do Meio (o mundo físico), um lugar incomparável.

Desde o Sul brilhou o sol sobre um mundo de rochas.

A erva começou a crescer e os campos reverdeceram.

Os Aesir (uma das duas linhagens dos Deuses) se reuniram em Idavoll altos templos e altares levantaram estabeleceram forjas para fazer ricos tesouros inventaram torquêses e ferramentas (para trabalhar nas forjas)

*      *      *      *      *

Os versos continuam falando da criação. Mas vamos resumi-lo com a ajuda dos relatos contidos em outros poemas.

No princípio só existia um grande abismo vazio chamado “GINNUNGAGAP” e“YGGDRASIL”, a árvore cósmica que sustenta os mundos. Nas raízes desta árvore havia dois grandes reinos, um de fogo chamado MUSPELL, e outro de escuridão e névoa chamado NIFELHEIM. Entre os dois reinos estava HVERGELMIR, um grande caldeirão com água borbulhante que alimentava as águas dos doze grandes rios que flutuavam sobre o grande abismo vazio “GINNUNGAGAP” e que, ao precipitar-se nele, formavam blocos gigantes de gelo (este é o “caos” original de todas as religiões primitivas).

No amanhecer da existência, chamas de fogo do reino de MUSPELL caem sobre os blocos de gelo, formando gigantescas nuvens de vapor que surgem do grande abismo, formando os elementos, o espaço, um grande oceano e a terra, no princípio gelada (vemos aqui o fogo fecundando as águas, origem de mundos, bestas, homens e Deuses).

Então, vem à criação a vaca “AUDHUMLA” (a Mãe Espaço). Ela começa a lamber e a derreter o gelo e liberta dele o gigante BUR, e das gotas de gelo derretido forma-se o gigante de gelo YMIR(os divinos hermafroditas, que surgem do absoluto na aurora da criação), aos quais ela alimenta com quatro rios de leite que surgem dos seus peitos.

Surgem os mundos sustentados pela árvore sagrada YGGDRASIL, a árvore da vida que sustenta os nove mundos (dimensões superiores), a MIDGARD (terra dos homens ou mundo físico), e o NILFLHEIM (as infradimensões). Estes mundos se sustentavam sobre seus ramos e três de suas raízes os comunicavam. Eis aqui a árvore da Kabala com seus Sephirotes e os Kliphos.

Da união de BOR (irmão de BUR) com um gigante surgem os Deuses à existência. Os primeiros Deuses são ODÍN, VILI e VE.

A partir daqui há duas versões:

Uma diz que o gigante YMIR dorme, e das gotas de suor do seu braço esquerdo nasce o primeiro casal humano ASK e EMBLA (Adão e Eva). Mas o gigante YMIR leva em si mesmo as sementes do mal (o Ego) e seus outros descendentes serão “os gigantes de gelo”, encarnação do mal, do Ego, da caída angélica, estabelecendo-se, a partir deste momento, uma luta mortal entre os Deuses e os gigantes de gelo, que será o centro de toda a épica nórdica até o terrível desenlace final em RAGNAROK.

A outra versão diz que Odín, Vili e Ve matam o gigante de gelo Ymir e criam a terra como relata o “Vafprúonismál” (os relatos de Vafthrudnir):

Da carne de Ymir a terra foi criada,
e de seus ossos, as rochas,
a abóbada do céu foi feita com o crânio do gigante de gelo,
e o mar formou-se com seu sangue.

*      *      *      *      *

E a seguir criam o primeiro casal humano de um pedaço de madeira. Odín, com seu alento, deu-lhes a vida, Ve deu-lhes os sentidos, e Vili deu-lhes a inteligência.

Até aqui, e de forma resumida, o relato da criação. A partir daqui os poemas seguem, como dissemos, com uma luta entre os Deuses e os gigantes de gelo, encarnação do mal.

Podemos ver os paralelismos que estes relatos da criação guardam com o gênese bíblico, com a árvore da Kabala hebraica, ou com os relatos mesopotâmicos da criação pelo fogo e pela água, indicando-nos tudo isso que o relato Nórdico da criação é pura alquimia sexual...


3.3.- OS DEUSES

Os Deuses tinham sua residência no ASGARD (os mundos superiores, os céus) que estava unido com o MIDGARD (mundo físico) através de um arco-íris de fogo guardado pelo Deus HEIMDALL.

Viviam felizes e alimentavam-se das “maçãs da juventude”, cultivadas e guardadas pela Deusa IDUN, e graças a elas mantinham-se sempre jovens e cheios de vitalidade.

Mas dentro do Asgard havia distintas moradas, e havia também duas linhagens de Deuses, entre os quais chega a haver certos conflitos, embora todos vivessem em harmonia: os AESIR de natureza guerreira que moravam no VALHALLA, e cujo chefe eraODÍN, e os VANIR (de natureza inferior, Deuses da fertilidade, da natureza, etc.) que moravam em VANAHEIM.

Esta distinção entre os Deuses é única, não é encontrada na maioria das demais Teogonias, e é a distinção entre os Deuses da via direta e os Deuses nirvânicos. Toda a épica Nórdica tratará dos Aesir e muito pouco dos Vanir, o que indica claramente que aMitologia Nórdica é um ensinamento esotérico da via direta...


3.3.1 ODÍN

ODÍN, o KETHER da Kabala, também chamado Woden ou Wotan é o “Pai dosDeuses”. Era conhecido também como o “Senhor da guerra” (interior) e como pai dos “mortos gloriosos” (mortos psicológicos). Sua residência era oValhalla e do seu trono contemplavam-se os nove mundos. Dois pássaros (Ravens) o acompanham e informam sobre tudo o que ocorre nos nove mundos.

Era também o mais sábio dos Deuses, mas conseguir a sabedoria não lhe foi fácil. Em muitas gravuras é representado com um único olho. Vejamos o porquê, conhecendo a sua história:

Desde o nascimento, sentiu-se ávido por alcançar a Sabedoria. Depois de buscar onde poderia achá-la, soube que nas raízes da árvore sagrada (Yggdrasil) encontrava-se um poço cuja água dava a Sabedoria. Este poço estava guardado pela cabeça de Mimir, uma Deusa que havia sido decapitada. Depois de conseguir descer até o poço, nas raízes da grande árvore (o descenso à nona esfera), encontrou-se com a cabeça de Mimir (a decapitação psicológica), que impôs como condição que fosse dado a ela um de seus olhos (o sacrifício) para deixá-lo beber do poço da Sabedoria.

Odín não duvida, sacrifica um de seus olhos para poder beber da fonte da Sabedoria. Conhece coisas inefáveis e adquire a Sabedoria (a Maestria), mas necessita mais, poder sobre a vida e a morte (a Cristificação)...

Sei que estive pendurado naquela árvore que o vento açoita,
balançando-me durante nove longas noites,
ferido pelo fio de minha própria espada,
derramando meu sangue por Odín,
eu mesmo uma oferenda a mim mesmo:
atado à árvore
cujas raízes nenhum homem sabe
para onde se dirigem.
Ninguém me deu de comer,
ninguém me deu de beber.
Contemplei o mais profundo dos abismos
até que vi as runas.
Com um grito de raiva agarrei-as,
e depois caí desfalecido.
Nove terríveis canções
do glorioso filho de Bolthor aprendi
e um trago tomei do glorioso vinho (*)
servido por Odrerir.
Obtive bem-estar
e também sabedoria.
Saltei de uma palavra a outra palavra
e de um ato a outro ato...

(As palavras do Altíssimo: Hávamál)
(*) Traduzimos por vinho o “mead”, uma bebida alcoólica muito apreciada pelos Vikings.

Neste relato Odín dependura-se na Yggdrasil, ferido mortamente num sacrifício voluntário, para depois ressuscitar cheio de poder e sabedoria. Após esta experiência, conta a lenda, adquire poder sobre a vida e a morte.

Este relato surpreendeu os estudiosos pelas suas semelhanças com a crucificação de Jesus Cristo. Mas, como nos diz o V.M. Samael Aun Weor, a vida de Jesus representa simbolicamente os processos de cristificação pelos quais todo Iniciado tem que passar até conseguir a ressurreição de Cristo em seu coração.

É, portanto, natural encontrarmos um relato assim num ensinamento da via direta proveniente da raça hiperbórea, onde, em tempos remotos, estavam encarnados os grandes Mestres deste Maha-manvantara.

Este relato é parte de um mais amplo, e seguramente de grande valor iniciático, mas que infelizmente se perdeu no curso dos séculos.

Muitas serão depois as batalhas que Odín mantém com sua espada mágica e seus guerreiros contra os gigantes de gelo. Além disso, conhecedor do destino reservado aos Deuses, vai reunindo no Valhalla as almas dos heróis mortos em combate para formar um exército à espera da batalha final em Ragnarok.

Daqui deriva que os Vikings fossem muito audazes, já que tinham a crença de que se morriam heroicamente, em combate, iriam ao Valhalla (a residência dos Deuses), fazer parte do exército de Odín.

Não vamos fazer neste trabalho referência às RUNAS citadas no poema anterior, já que se tornaria demasiado extenso. Recomendamos ao leitor interessado o livro “Magia Rúnica” do V.M. Samael Aun Weor.


3.3.2 BALDER

Balder é o Cristo na Mitologia Nórdica, filho de Odín e pai de FORSETI (Deus da justiça).

Conta a lenda que desde pequeno sofria terríveis pesadelos que pressagiavam a sua morte. Então sua mãe decide fazer algo. Percorre os nove mundos fazendo todo ser vivente, animal, vegetal e mineral prometer que não prejudicariam jamais Balder. Todos os seres viventes fazem tal juramento, exceto a planta do visco. Sua mãe não dá importância a este fato e crê que resolveu o problema.

Desta maneira, Balder torna-se imortal. Os Deuses do Valhalla se divertem disparando flechas que não lhe causam a mínima ferida.

Mas LOKI, o Deus do Fogo, trai os Deuses. Engana o Deus cego HODR: dá-lhe uma flecha em cuja ponta colocou uma planta de visco. O Deus cego dispara contra Balder e este cai mortalmente ferido.

Vemos aqui, nesta passagem, como o Deus do Fogo, traindo os Deuses (a fornicação), assassina o Cristo Íntimo dentro de nós, fato este similar ao de outros ensinamentos esotéricos: Osíris assassinado por Seth, Hiram Abiff pelos três traidores, etc.

Quando Balder está em seu leito de morte, Odín lhe diz umas palavras ao ouvido. Ninguém sabe o que lhe diz, mas conta a lenda que é a promessa da ressurreição, após a purificação do mundo, depois da grande catástrofe em Ragnarok...


3.3.3 FREYR Y FREYJA

O nome de “Freyr” e de sua irmã gêmea “Freyja”significam “Senhor” e “Senhora”. São o senhor e a senhora dos mundos, o fogo que arde em tudo que existe. Representam o Terceiro Logos, correspondendo-se com Shiva-Shakti da mitologia indostânica.

Freyr foi um dos Deuses mais venerados, junto comOdín e Thor. Era o Deus da fertilidade, junto comFreyja, e tinha controle sobre o sol, a chuva, a fecundidade e a paz.

Há uma estátua deste Deus no templo de Uppsala (Suécia) datada no ano 1200 na qual é representado com uma cabeça triangular, uma grande língua (o verbo) e um grande falo em ereção...

Freyja, por sua vez, era a Deusa do amor e da voluptuosidade, Devi Kundalini, e percorria os céus em busca do seu amado, num carro puxado por gatos, e acompanhada pelos espíritos do amor sob a forma dos cupidos.


3.3.4 THOR

Mas nem todos os Vikings eram aventureiros, navegantes e guerreiros. Logicamente havia granjeiros, agricultores, amantes da terra e da família.

Assim como os primeiros sentiam uma preferência por ODIN, a quem chamavam de “Pai da guerra”, os outros preferiam THOR, por seu caráter nobre e bondoso.

Thor era filho de Odín tal como Balder, e era muito venerado. Era o Deus do raio e do trovão e sua semelhança com Zeus-Júpiter é tão grande que quando os anglo-saxões adotaram o calendário romano, atribuíram-lhe o quinto dia da semana, quinta-feira (dia de Júpiter), “Torsdag” (dia de Thor) em sueco.

 Fonte: 
http://www.vopus.org/pt/gnose/antropologia-gnostica/a-mitologia-nordica.html


video

***

Nota do Blog:
Apresentamos uma excelente ferramenta para ajudar-nos a reequilibrar e alinhar nossos chakras nos reconectando às dimensões superiores. Uma ferramenta poderosa neste momento de interiorização e reconexão para o nascimento de uma nova raça que herdará a futura terra de quinta dimensão, a raça Koradhy.

MMSorge - Frequências de Cura - Sete Chakras


Apresentamos uma excelente ferramenta para ajudar-nos a reequilibrar e alinhar nossos chakras nos reconectando às dimensões superiores. Uma ferramenta completa e poderosa neste momento de interiorização e reconexão para o nascimento de uma nova raça que herdará a futura terra de quinta dimensão, a raça Koradhy.

Encomende a sua coletânea!!!


Musica, Ciência e Espiritualidade unidas na Cura e no Bem Estar da Humanidade.

Sintonize-se com os novos ramos do Saber, da Música e da Espiritualidade que agora estão se unindo para Cura e Bem Estar da Humanidade.

RE-CONEXÃO

CURA RE-CONECTIVA

REPROGRAMAÇÃO CELULAR

RE-CODIFICAÇÃO DNA-RNA

FREQUÊNCIAS DE BRILHO

PNL
(Programação Neuro-Linguística)

CHAVES DE ENOCH 3-1-7
(Astronomia Médica)

EPIGENÉTICA

MUSICOTERAPIA

SINCRONARIO MAYA
A Ponte do arco Iris Circumpolar
(Convergência Harmonica)

ESPIRITUALIDADE.

ASCENSÃO!

“Nosso Corpo é nosso verdadeiro TEMPLO SAGRADO descrito em todas as escrituras de todas as culturas e religiões, do passado, do presente e do futuro. Conecte-se com ele através do amor e conhecerá a verdadeira Jerusalém Celestial. Ela esta dentro de nós, sempre esteve... Não fora... Esta dentro de cada um, Desperte!!!”.

MMSorge

***

Aprofunde-se mais neste trabalho com a musica, as frequências sonoras e a espiritualidade.

Acesse:
http://frequenciasdecura.blogspot.com.br/


***

Compre aqui:

Link para as Frequências de Cura:

Link para as Frequências Fibonacci:
http://hotmart.net.br/show.html?a=M2892182M

***



Se o amante se lança na chama da vela e não se queima,
ou a vela não é vela ou o homem não é Homem,
Assim o homem que não é enamorado de Deus
e que não faz esforços para o alcançar não é Homem.
Deus é aquele que queima o homem e o aniquila
e nenhuma razão o pode compreender.

Mawlana Rumi - ' Fihi ma fihi'

Por Amor

Por Amor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

... És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti...

"Nem Cristão, Judeu, ou Muçulmano,

nem Hindu, nem Budista, Sufi ou Zen.

Nem uma Religião ou Sistema cultural.

Eu não sou do Oriente nem do Ocidente,

nem dos oceanos nem da terra,

nem material ou etéreo,

nem composto de elementos.

Eu não existo..."


Mawlana Jalaluddin Rumi