Perceba sua natureza transitória...

Desperte teu Sol Interno...

...e Siga a natureza silenciosa de teu coração.


MMSorge

Tradutor Universal

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

O GRANDE DESPERTAR ESPIRITUAL DA TERRA


Chega um momento na vida de uma pessoa, em que o que passou antes, deve dar espaço ao novo, e o que foi considerado como um meio de vida e um padrão para definir a normalidade dos dias, deve se adaptar a uma nova corrente de luz e de vida que agora entra em cena. Este é o momento para a América hoje, e, de fato, para o mundo, pois as velhas formas de fazer as coisas estão prestes a ceder ante uma nova consciência que envolverá tanto a nação, quanto o mundo. Esta nova consciência resplandecerá mais intensamente do que nunca uma luz nos mecanismos internos, através do que as pessoas pensam, sentem e fazem escolhas em suas vidas diárias. Tudo o que está oculto dos olhos dos outros se tornará conhecido ao ser, e os motivos que são menos desejáveis se tornarão também visíveis à consciência iluminada.

Esta maior consciência é pretendida como uma grande dádiva, embora ela traga com ela o problema de ter que finalmente lidar com aquelas coisas que preferiria ter escondido ou afastado de si próprio, até o momento em que parecesse mais confortável tirá-las. No entanto, o despertar da consciência para a verdadeira natureza do ser é de grande benefício e de valor inestimável, pois permite que cada alma finalmente se liberte de tudo o que a retém de realizar o seu verdadeiro potencial. Pois esta constrição de si mesmo não se baseia em circunstâncias que fluem através da vida e que vêm e vão, mas sim na natureza interna de pensamentos e crenças profundamente arraigados que definem as experiências e os frutos de uma vida. Estes são os alicerces a partir dos quais o fluxo da vida é criado.

No momento atual, o movimento em direção à maior visibilidade do ser está ainda se movendo silenciosamente ao longo de canais sutis, criando pouca perturbação da paisagem interior. Isto ainda não está sendo percebido como a onda de mudança que é, e somente alguns que são mais sensíveis aos fluxos e refluxos do pensamento e do sentimento, ou aqueles que estão subitamente tendo que lidar com fortes ondas de escuridão e de negatividade, estão se conscientizando do que esta onda está trazendo. Entretanto, dentro de um curto espaço de tempo, muitos mais se tornarão conscientes das coisas que estiveram ocultas e precisarão saber o que fazer com todos os níveis de pensamento e de sentimento que subitamente se tornam parte da consciência cotidiana.

Para que esta compreensão se enraíze no espaço, onde a cura e a transformação possam ocorrer, é necessário que Deus entre em cena. Pois o fenômeno da consciência iluminada não é causado pelo ser, nem por quaisquer motivos que residam interiormente, nem por qualquer circunstância externa. Pelo contrário, o fenômeno do despertar é causado pela ordenação e tempo Divino, que finalmente se movimentou para soar o chamado para o avanço da humanidade, e para resplandecer a luz da verdade no domínio da consciência ordinária.

Este é o momento da grande purificação para a humanidade, e para deixar ir aquilo que precisa ser deixado ir, a fim de que cada alma se liberte. Há alguns que continuarão a se sentir insensibilizados ao seu próprio processo interno de aprendizagem e que o negará em outros, e há alguns que se sentirão abusados, humilhados ou atacados, através do seu próprio ser e pela vida interior que está se expondo. O que é importante lembrar neste momento é que o que começa em confusão, terminará em esperança. O que começa com angústia  diante de coisas que nunca experienciaram antes, terminará em uma simplicidade de ser e em um espaço expandido dentro do ser que trará maior paz e uma maior capacidade de participar com outros de uma maneira verdadeira. Trará também, no final, uma maior consciência do amor e das dádivas de Deus à humanidade.

Todas as formas de vida estão se movendo para esta nova etapa de consciência desperta, e todas as formas da natureza serão afetadas também pelo aumento da luz da consciência. Entretanto, é o ser humano que será mais intensamente afetado, desde que é a consciência humana que é diferenciada dos modos mais sutis e complexos e que mais responde ao domínio emocional da existência. No entanto, toda a natureza deve responder a este chamado para despertar, e tanto o reino vegetal, quanto o animal, se sentirão e parecerão mais vivos, mais vibrantes e mais conscientes.

Este é o milagre do tempo em que estamos e pelo qual todas as almas têm esperado, ou seja, que a vida de Deus que tem existido em todos os seres sem exceção, se tornará finalmente mais visível, e a realidade comum, como ela existe nas árvores, nos riachos, na grama, nas folhas, nas nuvens, na névoa, no ar, na terra – deve finalmente assumir a visibilidade da luz que foi sempre parte da estrutura das formas de vida, mas que nunca fizeram parte do seu brilho. Agora a vida irradiará luz. Para aqueles que temem este tempo, é importante saber que todos os que estão aqui na Terra, vieram para fazer parte desta grande transição, e que não há ninguém que não seja ajudado no processo pelo Divino, assim como pela luz de sua própria alma. A música desta alma começará a soar mais alto aos ouvidos e corações de cada um, e cada ser começará a encontrar a orientação interior que os levará através da novidade e da incerteza do momento.

Abençoados sejam aqueles que vieram compartilhar do grande despertar da Terra e da consciência humana que é parte do momento presente. Que todos sejam abençoados e possam perceber a verdadeira natureza da realidade sagrada de Deus que chega para abençoar a Terra.

http://www.worldblessings.com/
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

Fonte: Anjo de Luz

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Reflexão - MMSorge



El Morya

Eu Sou El Morya e hoje falo a todos os fraternistas da Terra!

Não somente aos grupos que se sentem fraternos, divulgam-se como fraternos, enfaixam-se de emblemas de lideres religiosos fraternos ou os que falam da Ascensão e de Nova Era e agem, infelizmente, como os seletistas e antifraternos membros radicais e austeros dos papados de outrora!

A incredulidade, a discriminação, o pensamento segmentado, o apego às vossas diminutas frações de conhecimento espiritual, a rigidez e oposição arbitrária, ou desinteresse esnobe pelas causas novas de despertamento maior das vossas consciências tem nos preocupado sobremaneira.

Alem disso, a auto-classificação de muitos de vós como seres especiais de primeira linha, primeira classe e de quinta grandeza deixam-nos, os seres representantes dos raios divinos, como a todos os outros seres irmãos na luz divina, que não estão emoldurados nas vossas telas virtuais e pinturas das paredes de vossos grupos sectaristas, mais cuidadosos com a tendência mundial que os homens tem de fazer seus movimentos espirituais verdadeiros grupos fechados de louvor aos seus novos tótens de adoração: Nós, os mestres ascensos!

Ascensos para vós, diga-se de passagem, pois ascensos antes de nós são milhares!

Muitas vezes, atentos ao movimento que algumas lideranças espiritualistas fazem, dando o nosso nome como suporte às suas falsas interpretações, fazendo juízo de nós como se fôssemos seus únicos mestres ou como se pretendêssemos ocupar o trono de todos os reis de luz que existem por este universo de almas livres, onde o amor e o respeito pelas conquistas eternas de cada um são as nossas verdadeiras bandeiras, estipulamos vos falar de forma incisiva sobre esses graves erros.

Não desejamos ser os novos papas baluartes de vossos fanatismos !

Estamos todos caminhando por novas sendas conciliadoras!

Estamos numa outra era de comunhão de propósitos planetários, galácticos, intergalácticos e universais!

A evolução convida a todos, nós é vós, a uma reconceituação de valores e idéias, que acompanhem a transição da Terra.

Não somos adeptos de fanatismos e exclusões, e muito menos vos consideramos privilegiados apenas por vos situardes num degrau de compreensão sobre os ditames espirituais ligados à mestria de Saint Germain, pois, por outro lado, sois nulos, muitos de vós, em questões outras, como as de conhecerdes os argumentos de outras ciências da vida espiritual, tão ou mais importantes.

Observamos, igualmente, visíveis demonstrações de desamor,
pouca ou nenhuma solidariedade com outras leiras de trabalhadores espirituais e desrespeito a outras chamas de sabedoria planetária e universal e seus condutores da implantação de seus fundamentos na Terra.

A integração de nossos objetivos com os de muitos grupos e ordens sagradas espalhadas pelo planeta, além da nossa comunhão de intentos com milhares de seres especiais, escolhidos por Deus, para trazerem luzes ao planeta em forma de religiões ou ciências, por meio de suas informações ao mundo, faz parte de nossas atribuições também, além das estreitas visões que tendes sobre nossas atuações.

Não chegásteis ainda, milhares de vós, a buscar outras noções sobre argumentos verídicos de outras estruturas conceituais, científicas, filosóficas e espiritualistas em vosso planeta.

Preocupa-nos sim a vossa alienação e o vosso apego a somente uma parte de todo o contexto novo de ensinamentos que está sendo trazido à Terra.

Inclusive "Contexto" é uma das palavras mais interessantes, dentre outras ( como Todo, Unificação, Universalismo ) de nossa pauta mais atualizada de ações espirituais na Terra, após o conclave especial de Mestre Lanto, quando da desimpregnação das arcaicas "teias de aranha" nas egrégoras de vossos pensamentos arraigados e radicais.

Pertencer a um "Contexto" , para nós, significa que muitas coisas estão correlacionadas. Tudo se encaixa em um " Contexto de aplicabilidade " de cada coisa que existe.

Um planeta e seus ciclos estão dentro de um contexto!

As idéias e informações também...

Uma idéia, uma função, uma explicação, uma informação, uma utilidade de algo, um mecanismo de ação, uma estratégia, um objetivo e uma meta de cada coisa, pessoa, ser espiritual, dirigente planetário, etc....até chegar nas "barbas sábias da divindade", tudo e qualquer coisa sempre pertence a um " Contexto ".

A Grande Fraternidade Branca Universal está no contexto do planejamento divino de atuação dos seres ancestrais que governam o planeta Terra.

Mas o Espiritismo está neste mesmo contexto, como também estão algumas das Doutrinas do Oriente e dos Movimentos Gnósticos, Teosóficos, Xamânicos, Umbandistas, Rosacrucianos, Messiãnicos, e muitos outros.

Alguns de vós tornaram-se seriamente hipnotizados pelas vossas preferências de entendimento e conexão com o mundo espiritual, aderindo a um movimento de segregação de vossas mentes, o que vos torna antisolidários e preconceituosos.

Em muitas ocasiões nós, que acompanhamos o trajeto evolutivo dos seres humanos, observamos o modo como estes nos situam em suas mentes como dispensadores de raios sobre a Terra.

Somos um contingente se seres ! Exércitos, verdadeiramente!

Não são os raios divinos uma propriedade nossa... muito menos jorrando somente de nossos peitos.

Nossas atribuições nos foram dispensadas como representantes das Virtudes Divinas, pedestal em que nos situamos, para vós, mas apenas como os seres-portais atuais, deste tempo da Terra, para uma missão que temos com nosso propósito evolutivo próprio.

Existiram e existirão outras centenas ou milhares de seres que terão esta missão de atuarem como comportas de evolução de algum mundo deste imenso Cosmos, distribuindo, cada um a seu tempo, todos esses mananciais que conheceis como Raios.

Raios e cores de raios dizem respeito aos nossos departamentos de ação no planeta Terra, somente!

Pois há cores no universo e raios de tantos matizes e fulgurações, que não está ao vosso alcance sensorial perceber seus comprimentos de ondas.

Não nos rotulem como os mais iluminados seres do universo. Percam esta referência e ampliem seus raciocínios.

Há um marco na história da Terra acontecendo neste momento exato!

São dois blocos distintos de sua história real, sua odisséia ascensional.

Cada um deles está se desagregando do outro, o "Passado" e o "Presente", como dois continentes distintos.

Este último, o vosso "Presente", no vosso relógio da matéria, comporta o espaço e o tempo do hoje, do agora, dando impulso à nova história que começará a ser escrita pela humanidade, que os homens registrarão para o "Futuro", como os seus rastros ou suas marcas de passagem humana por este ciclo.

Com vossas novas andanças evolutivas pelo planeta, como será o "Futuro" para vós, e o "Presente" para os vossos descendentes?

Como será o "Passado" da humanidade ( que são os homens de hoje ), para o povos iluminados que irão compor a nova civilização da Terra no "Futuro"? Ou seja, o " Passado " que é este vosso " Presente" de hoje?

Ficarão felizes vossos descendentes em saber que estáveis a vos preocupar somente com vossas ascensões ou vossas fugas interplanetárias?

Nâo ficariam eles mais seguros se tiverem um lastro de obras e frutos de seus ascestrais onde possam se respaldar para seus própios investimentos espirituais, morais, intelectuais e e valorativos?

Isto é, quais as marcas ou rastros que estais deixando para vossos filhos e netos, já que está claro que a vida continuará a existir normamente na face da Terra, a despeito de suas transformações naturais, para milhares de criaturas?

Ou isso é dúvida para vós?

Deixareis a eles a lembrança do medo e da covardia de seus pais ou parentes, da inação e do exemplo de "descompromisso" com o planeta que ainda vos acolhe?

Ou ainda, deixareis a eles " o que sobrar do mundo " onde ainda viveis, com todas as sequelas que as criaturas humanas irresponsáveis estão deixando pelos caminhos da sociedade terrena?

Por acaso não estais no meio deles? Dos irresponsáveis e egoístas?

Viemos hoje na vibração do discernimento que se faz urgente para algumas mentes dos que nos aparentam ser os novos fanáticos da " Nova Era ".

Há muitos equívocos em vossas interpretações das nossas palavras e de profecias existentes, das mensagens e das lições dos verdadeiros mestres, sem dizermos dos falsos mestres que estão fazendo a vossa cova da " frustração " ser a vossa infeliz supresa, no amanhã.

Tendes rejeitado muitas sabedorias... de muitos mestres e de muitos outros raios da verdade e do amor.

Na verdade, como já me referi há pouco, estais nos endeusando como se fôssemos vossos Tótens atuais e nos enclausurando numa patética caracterização de expressões verbais, que muito nos fazem sorrir, pois a banalização do termo " LUZ ", do mantra " EU SOU" e outras chaves fonéticas sagradas virou uma verdadeira Pandemia da Lucificação .

Nada adianta para vossas almas estardes aprisionados a uma vertente de falas e clichês doutrinários, embora verdadeiros, mas que não agem em vós em estando eles fora do " Contexto " em que essas preciosidades agem vibratoriamente.

Isto é, mantras devem estar dentro do CONTEXTO da sintonia sagrada, nos seus momentos apropriados, onde tudo e cada detalhe conspira para a plasmação e consolidação de uma nova onda de luz.

Tendes sido hipócritas, muitos de vós, ao venerardes as palavras de força dévica, com as da Chama Violeta, ou os decretos de propulsão desintegrativa de vibriões e miasmas astrais humanos e planetários, através de muitos dos decretos conhecidos, ao proferirdes palavras ao léu, ou ao falardes tanto em " luz " sem, contudo, buscardes ser personalidades dignas e com merecimentos, em busca de vossos resgates como almas divinas, sendo que viram elas repentinas víboras ou sombrias criaturas, cujas bocas ferem, julgam e criticam, por qualquer motivo das vossas vidas cotidianas.

A mesma língua que fala da Luz, fala do seu irmão, em julgamento ferino, ou o agride fisicamente, deixa de auxiliar uma criança faminta ou chuta o gato do vizinho, xinga alguém de idade avançada, explora a energia e o horário de seu subalterno, ou amaldiçoa um superior com o qual não simpatiza.

Onde está a sinergia da Ascensão com a vossa alma?

Não há senhor ou senhora dos raios que esteja vendo isso sem estarmos seriamente preocupados.

A reformulação espiritual de vossos seres, a análise criteriosa de vossas lacunas morais não vos está sendo concitada ou exigida por vós mesmos!

Tendes pensado apenas em " Ascensão " de uma forma um tanto distante da sua verdadeira conotação de mudança frequencial da Terra.

Esta palavra está se exaurindo em seu aspecto iniciático e se esvaziando de seu fundamento tão amplo e transformador.

Sua real conotação como um "momentum" cósmico, um parto deslumbrante de uma alma planetária que está ascendendo, está pálida para vós!

Isto é, a importância deste evento galáctico tem pairado nas vossas mentes como uma ocorrência igual para todos vós!

A dimensão de importância de um termo como " Ascensão " é algo a ser discutido entre vós com a seriedade que ela evoca.

Ascensão é uma ondulação nova da Terra e nem todos ascendem no mesmo diapasão!
A esfera terrestre muda de frequência, mas vossas almas precisam ainda de muito burilamento para acompanhardes esta Ascensão!

Ela existe de uma forma conjunta no sentido da transformação dos éteres da psicsfera terrestre, dadas as mudanças de dimensão relativa que está ocorrendo paulatinamente e em virtude do saneamento dos umbrais dos reinos abissais da Terra.

A mesma mente que evoca as divindades dos arcanjos e suas espadas, ametistas, cálices, tronos, coroas e constelações de seres iluminados que operam na ativação planetária, deve se reformular em muitos princípos e diretrizes equivocadas e demonstrar, a cada dia, que acrescenta também novos valores ao seu ser presentemente manifestado como criatura humana em visível desalinho, ainda, de equilíbrio e amor.

Deveis evidenciar a vossa nova estatura espiritual com vossos avanços espirituais e morais e com vossos exemplos!

Não há verdadeiro mestre que pregue informações utópicas!

Estais também a aceitar todas as informações que recebeis, sem medirdes a sua lógica, veracidade, coerência e aplicação verdadeira!

Fato que estamos assisindo, em movimento de preocupante reinvestigação dos focos de espíritos engandores que estão a disseminar ensinamentos questionáveis a alguns dos grupos de espiritualistas idólatras e embevecidos pelos contos de carochinha atuais.

São facilmente cooptados pelas hordas dos perturbadores astrais, atentos às mentes dos seres humanos, em seus devaneios de subcuidados com a sua sanidade espiritual e que, ingenuamente, vão se tornando mentalmente escravizados, através da aceitação e submissão aos frutos de mensageiros que estão sendo desviados da senda da verdade e que não apontam sobre o prerequisito da transformação interior como ingrediente de ascensão.

Antes disso temos analisado a vossa tendência usual, como seres em carne humana que sois, de estardes sempre coroando as vossas convicções como as únicas e mais iluminadas e corretas...

Temos enviado mensagens autênticas através de mensageiros espirituais de várias lides teológicas, gnósticas e espiritualistas, de várias metodologias doutrinárias, a fim de despertar-vos sobre o que não é verdade!

Tem ocorrido certos alertas e informações confusas sobre alguns assuntos, que estão a causar um possível irremediável foco desestabilizador entre os trabalhadores da luz e a gama de seguidores de seus frutos intelectuais canalizados.

O reino das fantasias sobre "ascensão", interpretada de forma errônea, confunde, também, os novatos espiritualistas.

Tudo se torna muito fácil para esses novos discúpulos, como se nada mais devam modificar em si mesmos.

A responsabilidade dos que promovem essas programações de conteúdos insipientes e de consequências alienantes é grande!

Não podemos assistir a isso sem nossa intervenção drástica!

Por outro lado, um dos maiores equívocos dos adeptos da Doutrina de Saint Germain é a de que os dispensadores dos raios divinos são deuses insubstituíveis.

Fazem de nós uma espécie de igreja onde os deuses de outras igrejas não podem entrar.

Existe a discriminação a olhos vistos, em franca expansão, evidente repetição dos erros de maioria dos movimentos espirituais na Terra, em todos os tempos.

Temos visto os segregadores da sabedoria!

Grupos de visão restrita, segmentada e discriminatória se protegem de outros grupos de seres, de outras searas de amor à verdade, de visível luz de seus condutores espirituais, regentes de determinadas específicas veias de ensinamentos, onde claramente se identifica, com o discernimento dos sábios, que são outros mestres como nós, criaturas divinas, provindas de outros polos de ação espiritual, fontes dignas de respeito e adesão às suas sabedorias.

O movimento real de Saint Germaim, da Grande Fraternidade Branca Universal e de todos os líderes espirituais de outras doutrinas de importância, destacados pela Vontade Divina, é um movimento de amor e fraternidade real, e de sabedoria real, onde a luz de milhares de seres, que participam do Governo Oculto do Mundo, tem jorrado desde os albores da Terra, compondo esta grande Irmandade.

Não estamos pretendendo caminhar para uma nova modalidade de devoção fanática, ou seja, a nova seita dos " Beatos da Ascensão!

Estamos sim frente a uma necessária integração de esforços espiritualizantes, onde a racionalidade sobre as informações de muitos outros mestres está sendo indispensável, para que se possa compor o Mosaico da Verdade Planetária, nesta etapa renovadora do planeta.

Dentre os que almejam destruir estas idéias, e constituirem-se como os participantes do real, especial ou pretenso oficial reinado espiritual sobre a Terra, lembramos que é preciso que verdadeiramente se envolvam na luz da Bondade Divina, que anseia unir seus discípulos para que se paralisem as dissenções entre os próprios trabalhadores da Luz.

Não se arrojem esses em perder o seu tempo de vida, tão curto e precioso, tirando conclusões próprias ou deduções e juízos sobre o que consideram que seja verdadeiro, pois a decisão divina é a de que os povos da Terra e suas religiões devem se unir, doravante, em torno de um foco único integrativo, embora as suas ramificações, explicações próprias e especificidades de labor sobre a Terra.

O Grande Movimento da Uniificação das Verdades Espirituais já deu o seu passo definitivo há algum tempo, mas agora, neste momento ímpar da Terra, urge que as leis equânimes divinas sejam rastreadas e partilhadas por todos os núcleos de visão espiritual!

Existem os Raios de Ação sobre a Terra com todas as suas atribuições, com certeza.

Fazemos parte deste panteão...

No entanto, o que ocorre nos bastidores cósmicos de cada um destes amados raios que vos tem fanatizado, ou seja, o " raio de ação " de cada um destes misteres divinos, estes poucos raios de luz que conheceis, ainda é uma incógnita para vós.

Aquilo que já sabeis é apenas o aperitivo do milênio para vossas almas iniciantes nos mistérios da Criação!

Alem do fato de que esses poucos raios que vindes tendo conhecimento, os quais representamos, de forma ainda desconhecida por vós, na sua expressão e validação verdadeiras, são insignificantes, perto do espectro de matizes outras das Virtudes Divinas, que conheceis como raios.

Aliás, o que é Raio para vós?

Os raios divinos, nas suas vibrações, funções e objetivos próprios, conheceis "em parte", apenas, os seus significados.

Os raios estão se tornando novos ícones místicos vossos, por um lado, um fato justo! Porém, não apenas nós, esses que vedes nos "pôsteres" é que estamos em ação nesta missão majestosa de regência dos Raios Divinos.

Nós não nos posicionamos como vossos ídolos ou superheróis...

Somos alguns dos millhares de mestres do universo!

E com isso, não somos vossos cúmplices e nem mesmo simpatizantes da formação de uma carreata dos novos beatos da Grande Fraternidade Branca!

Vejam bem a repetição dos erros milenares históricos!

Nossos amados seres humanos não podem novamente percorrer as novas passarelas da visão fragmentada, idólatra, preconceituosa e antisolidária, além de, algumas vezes, injustas e até mesmo cruéis.

Cada raio de ação divina sobre a Terra comporta cidades espirituais imensas de trabalhadores em corpo astral e em corpo causal.

Somente quanto ao Raio Azul, somente exemplificando, o Raio de Poder Divino e da Ordem Divina, da direção das matérias intelectuais e implementadores, e do âmbito de concretizações da Vontade Divina, temos uma quantidade incalculável de núcleos de operação sobre a Terra, como se fossem para vós, milhares de células de um organismo.

São estas células do organismo vivo do Raio Azul, assim como cidades de uma nação, cidades de planejamento e execução das estratégias de aplicação da Vontade Divina sobre a Terra, através de mlhares de mecanismos.

Dentre todos esses mecanismos, as religiões são parte também das nossas atribuições, desde todos os tempos de vosso planeta.

Os representantes espirituais das religiões, de tempos em tempos descem à Terra para frenar os impulsos humanos e fomentar o progresso, a elevação, os conhecimentos de ordem metafísica e manifestar a vontade divina de que a sabedoria e a luz se ancorem definitivamente na Terra.

Para cada qual dessas cidades em que laboram devotados seres de envergadura inquestionável existem centenas e centenas de especialistas de cada área do conhecimento espiritual universal e planetário.

Em cada uma delas a extensão e a arquitetura das cidades comporta ministérios, laboratórios, templos, teatros abertos, jardins, salões imensos para palestras, cursos e debates sobre os assuntos terrenos, canais de telecomunicação, de informação, de reciclagem de arquivos de sabedoria planetária, escoadouros de lixo astral provindos de vossas mentes, e assim por diante.

Em cada uma dessas estâncias, por sua vez, trabalham em regime de dispensação do raio azul milhares de almas compromissadas com o bem e com a iluminação das consciências.

Podem imaginar uma metrópole grande de vossa Terra e verificar o funcionamento de todos os órgãos de poder, de ensino, de artes, de política , de administração de instituições, de comunicação, de lazer, etc..?

Temos milhares delas assim, em dimensão superior, mas ainda no plano astral.

Agora imaginem, irmãos da Terra, os núcleos que não se situam na dimensão astral e sim na dimesão causal.

Somentre percorrendo os túneis de luz que são plamados para facilitarem os meios de transporte dos seres, para que não necessitem de trabalho constante de densificação e sutilização, e para poderem se adaptar a cada localização espiritual, esses túneis nos levam de forma rápida para onde queremos nas estâncias superiores.

Nâo conhecíeis este detalhe imprescindível ?

Por meio deles chegam, em sutilização de corpos astrais e/ou densificação de nossos corpos átmicos, a um universo de atividades que se desenvolvem na dimensão Melquisedek, por exemplo, onde existem círculos concêntricos de órbitas dimensionais, que são andares aos milhares, onde outros milhares de departamentos de todos os raios que neste organismo complexo funcionam, inclusive os do raio azul.

Na dimensão Metatrônica, mais outros milhares de órbitas e esquemas, e trabalhadores aos milhões em cada anel desses, em cada órbita, de cada direção, o que é algo quase infinito...e muitos seres de luz envolvidos com as ações do raio azul e dos outros também... outros que não conheceis, como disse, no vosso espectro de cores visíveis aos vossos sentidos visuais!

Na dimensão Maytreiana, da mesma forma...

E assim, em todas as constelações de seres destes núcleos universais todos, incluindo os reinos angélicos e arcangélicos, se fosse somente para o raio azul que todos estes bilhões de seres e outras bilhões de formas de intervenção na Terra trabalhassem, já seria algo inimaginável.

A Operosidade Divina é virtude de um outro raio de Sua Ação sobre o Universo e tem matizes inconcebíveis para vós.

Tudo enfim que se refere ao raio azul, que representa a área de Missão Galáctica Pessoal deste que vos fala, como aos outros raios que outros seres de luz igualmente dispensam à Terra, tudo é muito superior ao que observais das vossas formigas e abelhas!

É um trabalho de veias, funções, especialidades, especificidades e competências em todos os sentidos que possais imaginar, somente para a implantação das verdades atinentes a cada raio, além dos setores ao infinito, igualmente, das áreas de interrelação de cada um deles com todos, e de todos com todos.

O mecanismo de interação das cidades-células ou unidades de operação de cada raio com as outras cidades do astral e do sistema causal dos outros raios divinos fazem um entralaçamento de todos esses núcleos, formando verdadeiras nações espirituais que se mesclam continuamente, como se fossem as células de vosso sangue percoreendo todos os tecidos e órgãos, no ritmo do ir e vir incessante da " Vida " dos raios da Divindade.

É um verdadeiro átomo gigantesco de dimensões quase infnitas, com seus elétrons e prótons, seus núcleos, fótons e quartz, numa visão macrocósmica e microcósmica ao mesmo tempo, mas com muitos mais anéis e muitos menos espaços entre eles, como numa rede trançada fio a fio, em movimento sincrônico espetacular.

Para cada qual desses bilhões de departamentos, existem outros bilhões de trabalhadores espirituais de alta envergadura.

Existe sim o representate máximo de cada unidade, departamento, autarquia ou foco de atuação de cada um destes setores.

Mas para que haja Ordem e Eficácia de nossas ações conjutas!

Nas reuniões do contingente de seres do raio azul são convocadas essas mlhares de representações de todas essas estâncias distintas e fracionadas, mas como mapa de organogramas vossos e não como setores estanques.

São distintas apenas nas suas localizações vibratórias, funções primordiais e atividades específicas, mas UNAS com o teor frequencial do Raio Azul, e Unas com a conexão sinérgica, inseparável e indestrutível de todas as mesmas galáxias de departamentos dos outros raios divinos.

Se Mestre El Morya foi escalado para representar a dispensação do Raio Azul na Terra, temos hoje o dever de informar à humanidade que passamos a ser apenas o funil cósmico consciente de toda essa confraria de bilhões de seres universais, divinos e iluminados, ilustres e ascensos há muitos mais milhares de éons do que este que vos fala.

Por qual motivo a Grande Fraternidade Branca há que ser representada somente por alguns mestres de cada raio, pergunto-vos !?!

O esquema divino de nossa apresentação a vós como dispensadores de chamas e raios existe somente para corresponder ao anseio de imaginação e fixação de imagens nas vossas consciências semi-despertadas.

Essa informação trazemos hoje até aqui com o fito de vos situar que estabeleceis vossos deuses novamente com base no universo de três dimensões de vossas concepções religiosas igualmente.

A excelência da organização divina, entretanto, é um atributo realmente ainda quimérico para vossas almas ainda acorrentadas em corpo físico compreenderem.

Transferi todas essas informações sobre a engrangem de atividades de mestres em cada um dos raios divinos para a questão da aglutinação de todas as verdadeiras religiões e doutrinas espirituais sérias e úteis, ligadas a cada um deles e tereis uma mínima idéia de quantos bilhões de seres representam os raios divinos.

Isso é um Fraternidade Espiritual!

Isso é trabalhar em Unidade!

Isso é a Verdade!

Porque aceitais apenas palavras nossas, dos vossos superheróis?

O Raio da Vontade Divina exalta a clara suposição de que Ele, o Pai-Mãe, enviou todas as idéias verdadeiras das religiões sérias e seus mensageiros para que pudésseis retirar delas tudo o que de melhor tenha cada uma para auxiliar-vos na vossa verdadeira ascensão, isso em todos os tempos da humanidade, de acordo com as vossas capacidades de percepção e assimilação.

Tudo tem sido bem conduzido mesmo em meio aos movimentos contrários à luz, pois a Vontade Divina é que toda a Sua Criação se confronte com os seus erros e acertos, sua contradições e paradigmas aparentemente distintos, para que advenha a sabedoria, o amor e a redenção de todas as almas.

Todas as idéias, religiões, filosofias e doutrinas, sabedorias e ciências que a Vontade Divina estipulou para vós fazem parte do " Grande Contexto da Horizontalização do Conhecimento sobre a Verdade Integral " e são contempladas por toda esta população incalculável de seres magistrais, sem nenhuma fragmentação.

A fragmentação existe apenas na atuação... na disciplina de funções, para uma perfeita eficácia e eficiência em todos os sentidos da repercussão deste labor todo sobre a Terra.

Somos bilhões e blhões de mestres, muitos destes com muitas outras condições de esclarecer-vos sobre sabedoria ancestral e intergaláctica.

Verificai sempre a coerência e o interesse na conscientização profunda e racional, a linguagem evolutiva e solidáriaa e vereis que muitos mestres como nós estarão falando a vós como representantes da Verdade, igualmente, a qual vos compete aprender a cada dia mais!

Esta é a Verdade!!!

São muitos mestres ....muitas luzes !!

Iluminai-vos em todos os focos de luz pura, queridos membros de cada uma das religiões e movimentos de vosso globo!!!

Que vós, seres da Terra, possais presentear-vos com a diversidade de enfoques, com a riqueza das variadas formas de entendimentos, visões, estilos, modalidades e versões de Sabedoria Universal!!!

" Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará!!

Libertai-vos!!!

EL MORYA


Mensagem em 26/08/2010, canalizada por Rosane Amantéa.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Cumprimento da Ordem Cósmica


Quem se ergue às alturas sem desejos
Enche de silêncio o coração.
E, ainda que todas as turbas ruidosas
Assaltem o homem isento de desejos,
Ele habita em profundo silêncio,
Contemplando, sereno, o louco vai-e-vem,
Porquanto tudo que existe
É um incessante vir e voltar,
Um nascer e morrer.
O que retorna volta ao imperecível.
Quem isto compreende é sábio.
Quem não o compreende é autor de males.
Quem é empolgado pela alma do universo
Alarga o seu coração.
E o homem de coração largo
É tolerante,
E o tolerante é nobre.
O homem nobre cumpre a ordem cósmica.
E quem cumpre esta ordem
Se identifica com o Tao, o infinito.
É imortal como o Tao
E não subjaz a destino algum.

Lao Tsé




Poema 16
Livro: Tao Te Ching - O Livro que Revela Deus
Tradução: Huberto Rohden - Editora Martin Claret

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

POEMA DO MÊSESPÍRITO SOLAR


Falando a língua do coração
Tu não precisas de palavras para te comunicares
Tudo está relacionado com tudo.

Tua força criadora é como um vórtice energético
que te permite criar Universos internos e externos.

O poder criador só pode ser usado com amor
É uma Força em união com a pureza do coração,
Teu agir corresponde à vontade divina e não à tua…

O teu Espírito Solar
Manifesta-se quando tua percepção é ampliada

Quando albergas a ignição, a chave e a expansão
Pólo e contra pólo se unem
E tu observas livremente os acontecimentos

O processo criativo acontece em harmonia,
Até mesmo a criação dos grandes planetas…

Busca a harmonia da acção e sê o Leão Branco,
Sê ao mesmo tempo gotas de água
e ao mesmo tempo o oceano

E viverás as 12 iniciações do ano
Em pura requalificação, em pura graça…
Sentindo a realização daquilo que tu és:
Amor, luz e vida!

 
 
Eviado por: Natálys Reis do Blog Deusa Solar.
Retirado do Site: Casa da Piramide - Portugal

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Unidade - MMSorge


REVITALIZAÇÃO CÓSMICA


Eu declaro a minha independência como ser livre que EU SOU

Abro minha alma ao amor divino

Uno-me ao Criador e me liberto de todos os laços que me aprisionam

EU SOU senhor absoluto de minha vontade

e respeito às leis eternas que regem todas as coisas em todos os planos

Sobre os influxos do amor

sinto a serenidade que me conduz a mente do infinito

Abro conscientemente as minhas asas

e alço vôo rumo à luz

Desfaço-me de todos os acordos e associações que me aprisionam

e me guio para a minha liberdade

Anulo todos os contratos e ligações com todos os seres sob forças avessas

e me declaro livre

EU SOU a expressão imaculada do amor sagrado

EU SOU livre...

EU SOU livre...

EU SOU Livre...

EU SOU livre como o meu Pai me criou

Quebro todos os vínculos

com qualquer coisa que me impede a minha ascensão ao coração de Deus

meu Pai

Amparo-me sob a proteção dos Anjos de Bem

para que eu possa agir livremente conforme a minha vontade

que é a vontade de Deus

Liberto-me das invisíveis mãos que me seguram

e retardam e me envolvo na força e na coragem que me trazem a liberdade

Nutro-me do poder do poder do amor

para alcançar a vitória em meus empreendimentos

EU SOU a chama divina

e me estabilizo na força de todo o meu poder de vontade própria

Por isto Eu Afirmo

EU SOU livre

EU SOU livre

EU SOU livre

Eu tenho o vigor da decisão firme na busca da minha libertação,

agora me declaro um ser livre

EU SOU dono da minha vontade

e faço o meu caminho com o auxílio daqueles que me guiam

protetores enviados pelo meu Pai – Deus

EU SOU luz e não admito sombras no raio de aço em que pertenço

Fecho a minha aura

e deixo nela penetrar somente a energia Crística de puro amor

Alio-me aos divinos seres

que trabalham para a fraternidade de todos os meus irmãos

Coloco-me de joelhos

e estendo as minhas mãos em clamor ao Espírito Santo de Deus

Para que Ele envie a mim seus Anjos

para que neste auxilio eu possa ir em direção ao rumo certo da minha libertação

EU SOU livre...

EU SOU livre...

EU SOU livre...

Agora EU SOU livre

Filho da liberdade no Supremo Ser – Deus

Vibro na freqüência do Cristo que interpenetra todos os seres em todos os mundos

Dissolvo em mim as crenças que não fazem parte do meu ser

e Intensifico em mim a força Una do amor Divino

Eu vivo em oração e sinto a harmonia

e sou o Senhor absoluto de minha vontade e dos meus pensamentos

Eu tenho o livre arbítrio de fazer o que eu quiser

por que EU SOU livre

e por isto busco a União com o meu Criador

EU SOU livre

e sei que a garantia da minha liberdade está em meus pensamentos

e atos que respeitam a Lei Suprema

que governa integralmente o pulsar de toda a vida

Eu fui Criado sob as Leis do Amor

e nelas devo permanecer em harmonia

EU SOU filho da força da saúde e da beleza

Deus.

Amada presença de Deus

irradia a vossa luz em meu coração e em meus pensamentos

Liberte meu corpo

e a minha mente de todos os entraves para que eu possa trabalhar em pró -

em pró de todos e em total comunhão com a luz –

Sagrada Eterna

Em nome da Poderosa Presença de quem EU SOU

do meu Santo Cristo Pessoal da energia Cristica que transforma todos na realidade Divina

Elevo minha consciência a Deus -

me purifico e me liberto de todas as energias densas e negativas

Eu Amo a Luz

Eu Sirvo a Luz

Eu Vivo na Luz



Agora e para Sempre ..

Sempre...Sempre... Sempre...



fonte: A Luz de Gaia

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Nós Somos Paz


"Veremos o quão importante é trazer para a mente humana a revolução radical.

Essa crise é uma crise de consciência.

Uma crise que não mais pode aceitar velhas normas,
os velhos padrões, as antigas tradições.

E considerendo o que é o mundo hoje, com toda a miséria,
conflito, brutalidade destrutiva, agressão e assim por diante.

O homem ainda é o mesmo de antes.

Ainda é bruto, violento, acumulador, competitivo.
E construiu uma sociedade nestes termos.

Não é demonstração de saúde ser bem ajustado a uma
sociedade profundamente doente." 

Jiddu Krishnamurti

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Vem!!! Conversemos através da alma

 

"Vem. Conversemos através da alma.

Revelemos o que é secreto aos olhos e ouvidos. Sem exibir os dentes, sorri comigo, como um botão de rosa. Entendamos-nos pelos pensamentos, sem língua, sem lábios. Sem abrir a boca, contemo-nos todos os segredos do mundo, como faria o intelecto divino.

Fujamos dos incrédulos que só são capazes de entender se escutam palavras e veêm rostos. Ninguém fala para si mesmo em voz alta. Já que todos somos um, falemos desse outro modo.

Como podes dizer à tua mão : "toca", se todas as mãos são uma?

Vem, conversemos assim. Os pés e as mãos conhecem o desejo da alma. Fechemos pois a boca e conversemos através da alma.
Só a alma conhece o destino de tudo, passo a passo.

Vem, se te interessas, posso mostrar-te" ...
"Na verdade, somos uma só alma, tu e eu,
Nos mostramos e nos escondemos tu em mim, eu em ti,
Eis aqui o sentido profundo da minha relação contigo
Porque não existe, entre tu e eu, nem eu, nem tu..."




(Jalaluddin Rumi)

OS CENTAUROS


 

Os centauros são realmente fascinantes, e os gregos sabiamente em sua epopéia conheciam profundamente o significado do centauro, ele é a força bruta humana, a força sem razão nem consciência, a paixão sem controle, tem um magnetismo sexual muito forte que aprisionam as Deusas mais despercebidas e desatentas em seus fascinios das falas galanteadoras e “encantadoras”, quando aprisionam suas vitimas ai mesmo só por Deus para sair de seus dominios.

O que isso significa? O que os gregos sabiamente ensinavam nos templos de mistérios das epocas arcaicas? Eles mostravam que todo iniciado autêntico, todo verdadeiro filho do Sol, todo autentico Super homem, ou Super Mulher deveriam transcender sua própria natureza luxuriosa e a converter em luz pura, a pura luz do bardo como dizem os Tibetanos, aqueles que se deixam fascinar pelo magnetismo sexual dos centauros aprisionados estão em seus dominios. E o que significa isso? Significa que não se avança no caminho iniciático sem a eliminação dos instintos mais baixos. Nossas asas não se abrem para voôs mais altos e como Ícaro derretem quando estão proximos do Sol, o  fazendo cair novamente no abismo da matéria. Interessante essa analogia de Ícaro e o Sol não?

Pessoas que tem afinidades com os centauros de forma ainda ingênua se deixam seduzir pelas falsas aparências que eles nos trazem (Quirion é sem sobra de dúvidas a exceção dos centauros, ele é a representação de nosso centauro interno regenerado). Existem pessoas que são fascinantes, com uma grande habilidade em seduzir as “Deusas do Olimpio”, as “Sophias” de Ain Soph, por isso devemos estar muito atentos com os Ixions interiores e exteriores.

Na mitologia grega os centauros das paixões inferiores tentam raptar Hipodamia (a alma humana) e empedir que ela tenha sua boda, sua união sagrada com seu espirito solar Piritoo, puro e celeste.

Podem ver? O que os antigos mestres gregos nos ensinavam naquelas épocas? Toda informação que nos chega por mais boba que pareça são instruções e ensinamentos da alma e dos mestres que nos conduzem.


O CENTAURO QUIRION


Quem é Quirion? Ele é a força instintiva, brutal e sexual controlada, ele é o fogo de Lucifer domado (o sexo, a alquimia, o sahaja maituna, os sacramentos da igreja de Roma ou do Amor) o fogo que era aceso nas tochas divinas dos templos gregos pelas antigas sacerdotisas, fogo esse roubado sabiamente de Lucifer por Prometeu para construir a escada de ascensão da alma a niveis inimaginaveis, e elevar sabiamente os inciados para a morada dos Deuses, o Olimpio.

O Centauro Quirion é uma parte nossa interna que aprendeu a domar a rebeldia luciférica e a “Colera de Deus” que nos devora o ventre para ser nosso sabio tutor, orientador, professor e mestre, ele é profundamente sábio e pode nos ensinar coisas que nem remotamente sonhariamos, ajuda o verdadeiro iniciado em todo seu processo de elevação e ascensão.

Todo aquele(a) quando o desperta internamente o tem como um forte e sabio aliado que o ajuda a canalizar sabiamente suas energias sexuais para dentro e para cima em um ato puro e divino, auxilia na união de dois casais puros a trabalharem na grande Obra do Pai como Franscisco e Clara, Madalena e Jesus, Radra e Krisna.

Precisamos Despertar nosso Qurion interno, mas não se enlassar ou se deixar seduzir pelos Ixions exteriores (os galanteadores, os Dons Juans)  muito menos pelos ixions interiores, representados por nossas paixões mais escondidas e refinadas.

Pra subir é preciso descer e eliminar todo ego e egoismo humano e não apenas o controlar como muitos dizem por ai, para subir é preciso descer e trabalhar nos sacramentos do Amor, no Tantra, na Alquimia, com pureza e castidade, como Prometeu, Jesus, Horus, Mitra, Krisnha e tantos outros, essa é a grande chave revelada para todos que buscam a auto realização intima.

A Sabedoria de Deus é a Loucura para os homens e na Sabedoria de Deus nos tornamos eternamente “Loucos” mas se olharem com mais atenção verão O Fogo celeste que fecunda o ventre Divino e não a Boca Insana que traga todo Ser inconsciente e adormecido.





sábado, 8 de janeiro de 2011

Carta Sobre o Futuro da Humanidade

Texto de um Mahatma Mostra as Bases
Filosóficas da Próxima Religião Universal


Um Estudante de Teosofia


“Nós não reconhecemos diferenças nem distinções
na família humana: como brasileiros serão tratados
por nós o china e o luso, o egípcio e o haitiano,
o adorador do sol e o de Mafoma [Maomé].”


“Sejamos nós o primeiro povo que apresente o
quadro prático dessa paz divinal, dessa concórdia
celeste, que deve, um dia, ligar a todo o mundo e
fazer de todos os homens uma só família.” [1]


José Bonifácio de Andrada e Silva, o
patriarca da independência brasileira, em 1822.



1. O Presente e o Futuro.


Livre de imitações, a filosofia teosófica original nos permite ter uma percepção correta das próximas etapas da evolução humana. E isso possui uma importância decisiva, porque a percepção de futuro determina as ações do presente.


Temos ao nosso alcance os instrumentos necessários para construir uma visão saudável de futuro. É de causar estranheza que não tenham sido feitos esforços mais intensos nas últimas décadas para pesquisar e esclarecer melhor o tema da religião não-dogmática e não-clerical que já começa a nascer na nova cultura global.  Sabemos, desde já, que ela será a religião-filosofia, a religião da ética. Ela superará o culto e a adoração cegos, seja de um deus pessoal, seja da mera tecnologia materialista, hoje apresentada ao público leigo como “ciência”. Mas há seguramente muito por descobrir e por realizar nesta linha de trabalho.

Estando em contato com a cultura de um povo  jovem e ainda em formação como o do Brasil − conhecido como “o país do futuro” − parece mais do que oportuno estudar o que a literatura teosófica autêntica afirma sobre o tema da consciência planetária que está a surgir. As palavras de José Bonifácio citadas acima anunciam um dharma, um potencial a ser desenvolvido; mas elas não se limitam ao “gigante adormecido em berço esplêndido”.  O mundo lusófono como um todo deve dar sua contribuição, ainda que modesta, ao processo de surgimento de uma civilização global saudável. As chaves desta transição parecem estar com a sabedoria esotérica.  É ela – ao contrário das ciências e filosofias exotéricas – que nos capacita para compreender o atual momento humano do ponto de vista do seu potencial positivo. O material a seguir investiga a relação viva entre dois termos de uma equação. De um lado, o movimento esotérico autêntico e o círculo mais amplo formado por todos os  indivíduos de boa vontade. De outro lado, a tarefa: o processo prático de transição, individual e coletiva, para as próximas etapas da evolução humana.  


2. As Bases Filosóficas de uma Religião Universal.


Helena Blavatsky foi discípula avançada de certos  raja-iogues dos Himalaias. Em 1875, ela criou o movimento teosófico moderno, cuja primeira meta é a ideia e a lei da fraternidade universal.  A história registra que, nos primeiros anos do movimento teosófico, mais precisamente em 1881,  um dos raja-iogues ou Mestres de Sabedoria que orientavam o trabalho teosófico decidiu buscar conselhos,  e consultou o seu próprio instrutor.


O Mestre dos Mestres  foi então ouvido. O tema era a natureza, a meta e o rumo do movimento que estava sendo iniciado.


O simples fato de que tal consulta foi feita mostra que todos os seres aprendem e se desenvolvem; inclusive aqueles que já superaram a roda do renascimento e alcançaram o adeptado −  a proficiência em ciência esotérica. É uma fantasia, pois,  pensar em um Mestre de Sabedoria supersticiosamente, como se ele fosse todo-poderoso ou como se sua ação tivesse um alcance instantâneo e ilimitado.  Só a pseudo-teosofia transforma Mestres em objetos de adoração pessoal, o que vem resultando na manipulação das mentes de milhares de estudantes de boa vontade. 


O instrutor que foi consultado é chamado pelos Mestres simplesmente de Chohan.  A palavra “Chohan”  significa “Senhor”.  Mais tarde, este mesmo Sábio passou a ser frequentemente referido como “Maha-Chohan”.  Um dos instrutores de H. P. Blavatsky qualificou-o em certa ocasião como “a rocha das idades”.  Em outro momento, referiu-se ao Chohan como  “aquele para quem o futuro é como uma página aberta”.[2]   Nas publicações da Loja Unida de Teosofistas, a LUT, ele é mencionado como “o Grande Mestre”.


O que ocorreu em 1881? 


Depois da consulta com o Chohan, o Mestre fez um relato da conversa.  Este texto é a mais autorizada descrição da Missão que deveria ser cumprida pelo movimento teosófico e esotérico autêntico, não só nas décadas, mas também nos séculos seguintes. Ele contém uma profecia extraordinária, e positiva,  sobre o progresso cultural e histórico da nossa humanidade. Ao contrário de tantas “profecias” que se limitam a anunciar grandes desastres, o texto aponta o rumo da transição vitoriosa dos seres humanos (não sem sacrifícios)  para uma nova era de paz e de fraternidade planetária. 


O texto é uma das primeiras cartas recebidas diretamente dos grandes seres que guiam sutilmente a humanidade, trabalhando em níveis superiores de consciência e estimulando as pessoas de boa vontade. 


Cabe registrar que o trabalho dos Mestres através de H.P.Blavatsky  foi realizado de modo especialmente direto e incisivo devido ao fato de que esta discípula tinha uma alta iniciação e possuía outras características cármicas adequadas para as necessidades daquele momento.  H.P.B. nasceu e viveu em um momento decisivo.  Sua missão preparou o momento culminante da transição para a era de Aquário, ocorrida nove anos depois da sua morte, em 1900.  Através da vida e da obra de H.P.B., os Mestres terminaram de plantar as bases da consciência de uma nova era de liberdade e de fraternidade universal, que ainda levaria, necessariamente, mais de um século para florescer.   


O plantio desta era de consciência planetária vem de muito antes,  e alcançou um ponto alto durante a segunda metade do século 18,  graças ao Iluminismo europeu e americano.


Pensadores como Immanuel Kant, na Alemanha; Voltaire, Rousseau, Diderot, d’Holbach e outros na França; Benjamin Franklin, Thomas Paine e outros nos Estados Unidos, abriram  amplamente as portas para a transição de era. As revoluções norte-americana e francesa, e a modernização inglesa, produziram as transformações sociais e institucionais necessárias para a primeira etapa da transição. 


Um século depois do Iluminismo, a Carta do Grande Mestre define em 1881 o dharma  ou missão maior do movimento esotérico moderno.  Uma das metas do movimento − que ainda está por ser alcançada − é dar elementos para que se produza uma mudança de consciência capaz de superar definitivamente os dogmas religiosos medievais. Isso deve ser feito de modo que o pensamento humano fique livre para a percepção serena da sabedoria universal. É necessário neste contexto que surja uma nova ética planetária. A humanidade deve ser capaz de viver outra vez em harmonia com a Lei da Fraternidade Universal.


Ao ler a Carta do Grande Mestre,   há um detalhe histórico a ser observado.   É preciso ter claro o fato de que, onde o texto menciona “Sociedade Teosófica”, deve-se ler “Movimento Teosófico”. O motivo disso é que a Sociedade Teosófica original já não existe mais. O movimento tem hoje grande diversidade.  A sua fragmentação organizativa começou nos anos 1890, quando Annie Besant deu os primeiros passos no sentido de fazer com que a Sociedade de Adyar abandonasse os ensinamentos originais e passasse a promover práticas ritualísticas.  


Entre outros motivos, a Carta do Grande Mestre tem especial importância  porque nela encontramos elementos centrais de informação sobre a religião do futuro.  Ela dá os contornos gerais  de uma religiosidade que deve surgir mais claramente durante o século 21.   Havia, porém, uma dúvida a respeito do conteúdo exato da carta,  em uma passagem das mais decisivas.  O texto transcrito por C. Jinarajadasa no volume “Cartas dos Mestres de Sabedoria” (Ed. Teosófica)  diz o seguinte:


“A Sociedade Teosófica foi escolhida como a pedra fundamental, o alicerce das religiões futuras da humanidade.” [3]


A passagem inspira alguns questionamentos.  Existirão, no futuro, muitas religiões competindo entre si? Ou haverá uma única religião global, ainda que não-autoritária? 


O original da Carta do Chohan desapareceu, e há mais de uma cópia dele. Nos primeiros anos do movimento, cópias das Cartas dos Mahatmas circulavam privadamente entre os estudantes. A Sociedade Teosófica de Pasadena − que ao lado da Sociedade de Adyar e da Loja Unida de Teosofistas é uma das principais correntes internacionais de pensamento esotérico − publicou a versão do texto que está no Museu Britânico.  Nesta versão, o documento menciona a religião futura, no singular:


“A Sociedade Teosófica foi escolhida como a pedra fundamental, o alicerce da religião futura da humanidade.” [4]


Neste caso o mestre teria afirmado que a religião do futuro será uma só – naturalmente  não-burocratizada e incluindo a necessária diversidade cultural.  


Com o objetivo de  verificar e comprovar diretamente os fatos, o e-grupo SerAtento e o website www.filosofiaesoterica.com  tomaram providências para obter  uma cópia autêntica da mais autorizada versão da Carta do Chohan que existe no mundo. Esta é, sem dúvida, a cópia feita a caneta pelo próprio Alfred Sinnett, o homem que a recebeu do Mestre. Esta versão da carta está no setor de Manuscritos Raros da Biblioteca Britânica (British Library),  em Londres, e seu número de identificação é 45289A.   Em maio de 2009,  foi obtida junto à Biblioteca Britânica uma cópia autenticada completa do manuscrito  45289A   – a Carta do Chohan ou  Grande Mestre. 


O exame direto da carta confirma o fato de que a frase correta é:


“A Sociedade Teosófica foi escolhida como a pedra fundamental, o alicerce da religião futura da humanidade.”


Esta comprovação é importante por vários motivos.  Um deles é que ainda hoje a maior parte das publicações teosóficas internacionais – inclusive as que estão voltadas para a teosofia original – continuam a divulgar a frase equivocada, falando de “religiões”, no plural, tal como na versão de C. Jinarajadasa.  


É importante observar também que, na última frase da carta, há uma referência à “verdadeira filosofia, a verdadeira religião”, no singular.


A religião do futuro é a religião-filosofia, a religião-sabedoria.


Ela é uma, mas não é autoritária, e portanto inclui o princípio da diversidade cultural. Ela tem como base a percepção direta e a vivência da fraternidade universal que une todos os seres. Internamente una, ela pode ser vista como externamente múltipla.


A ideia de pluralidade cultural e religiosa é essencial para a visão teosófica de  futuro, e isto está bem documentado. A Carta do Grande Mestre tem um complemento importante na Carta de 1900  (Carta 46 da primeira série de “Cartas dos Mestres de Sabedoria”).  A Carta de 1900 é a última mensagem recebida de um Mestre, e é datada do ano em que começou a era de Aquário.


Reforçando a Carta do Grande Mestre, mas destacando a abertura à pluralidade ao mencionar “as futuras religiões da humanidade”, a  Carta de 1900 afirma:


“A S.T. foi concebida para ser a pedra angular das futuras religiões da humanidade. Para realizar este objetivo, aqueles que a lideram devem deixar de lado suas frágeis predileções pelas formas e cerimônias de qualquer credo particular....”[5]       


Em português, pedra angular é sinônimo de pedra fundamental.  Em inglês, a expressão é a mesma nas duas cartas: “corner-stone”.
 
Aqui estão, lado a lado, a unidade e a pluralidade da religião do futuro.  A pedra angular, a fonte e o alicerce da religiosidade futura devem ser dados pela filosofia do movimento teosófico original.


O texto completo da carta de 1900 não é conhecido por todos. Ele contém duras advertências em relação aos erros da Sociedade de Adyar.  Em poucos parágrafos, a carta antecipa quase todos os erros que a Sociedade de Adyar iria cometer ao longo do século 20 e que ainda  comete na primeira parte do  século 21.  Entre eles estão: 1) O abandono dos ensinamentos originais; 2) O culto à personalidade dos dirigentes; 3) O endeusamento dos Mestres; 4)  A criação de um “papado esotérico”; 5) A adoção de rituais e cerimônias desta ou daquela religião.  


As advertências não foram ouvidas. Ponto por ponto, Annie Besant fez quase exatamente o oposto do que foi recomendado pelo Mestre. Provavelmente por este motivo, Besant também tomou a providência prática de ocultar a carta. O documento só foi publicado 19 anos depois, e mesmo assim despojado de algumas das suas frases e palavras de maior importância. Mais tarde, o texto integral da Carta de 1900 foi finalmente resgatado e publicado por setores independentes do movimento. Isso ocorreu já durante a década de 1980. 


Hoje, ele  pode ser lido em português no site www.filosofiaesoterica.com. [6]


É verdade que Besant tirou a Sociedade de Adyar do rumo original, mas ela não arruinou o movimento como um todo.  Dentro da Sociedade de Adyar, há ainda hoje alguns estudantes que percebem o que é joio e o que é trigo, e optam pela verdade. Além disso, setores significativos do movimento teosófico  − organizados em diferentes países e continentes −  permaneceram desde o início leais à filosofia esotérica e ao ensinamento autênticos. Estes setores detêm algumas chaves filosóficas de grande utilidade para a atual transição mundial.
A teosofia original esclarece o processo cíclico das civilizações, dando-nos clareza e tranquilidade ao olhar o futuro.  Ela mostra que estamos a caminho de uma civilização eticamente correta e carmicamente sustentável. Ela desperta o princípio da sabedoria eterna e da inteligência universal na mente daquele que a estuda com atenção e perseverança.


Transcrevemos a seguir (logo depois das notas bibliográficas) a íntegra da profética “Carta do Grande Mestre”, com a devida correção na frase sobre a religião do futuro. 


Veja-se a força extraordinária que este documento histórico possui, e que estimula em cada leitor não só o necessário espírito crítico em relação às ilusões do momento atual,  mas  também uma calma confiança no futuro da nossa humanidade, a curto, médio e longo prazo. 


NOTAS:


[1] Fonte da primeira citação de José Bonifácio: “José Bonifácio, o Patriarca da Independência”, de Venâncio F. Neiva, Irmãos Pongetti Editores, 305 pp., RJ, 1938, ver p. 278. Veja também “Projetos Para o Brasil”, José Bonifácio de Andrada e Silva,  org. Miriam  Dolhnikoff, Cia. das Letras, SP, 1998, 371 pp., p. 176. Fonte da segunda citação de Bonifácio: Manifesto maçônico do Grande Oriente do Brasil, datado de 17 de junho de 1822, assinado por José Bonifácio e redigido por Joaquim Gonçalves Ledo. Em “História do Grande Oriente do Brasil - A Maçonaria na História do Brasil”, José Castellani, publicação do G.O.B., Poder Central, Brasília,  DF, 1993, 397 pp. (além de Apêndices). Ver  p. 88.


[2]  Sobre  a alusão ao “futuro como uma página aberta”,  veja “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, editadas por C. Jinarajadasa, Editora Teosófica, Brasília, 1996,  p. 57 .   Sobre a alusão a “rocha das idades” ou “rocha das eras”,  veja “Cartas dos Mahatmas Para A.P. Sinnett”, Ed. Teosófica, Brasília, primeiro parágrafo da Carta 18, volume I, p. 112. 


[3] Carta 01, primeira série, em “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, obra citada, p. 18.


[4] “View of the Chohan on the T.S.”, texto incluído no volume “Combined Chronology – For use with 'The Mahatma Letters to A.P. Sinnett'  and  'The Letters of H.P.B. To A.P.Sinnett' ”, by Margaret Conger, T.U.P.,  Pasadena, California, 1973, 48 pp., ver especialmente a  p. 44.


[5] “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, obra citada, pp. 106-107.


[6]  Leia a carta de 1900 na íntegra no boletim “O TEOSOFISTA” número 3,  de agosto de 2007. Ele está na seção “O TEOSOFISTA” do website  www.filosofiaesoterica.com .


3. A Íntegra da Carta do Grande Mestre


[Carta 01, primeira série, “Cartas dos Mestres de
Sabedoria”, Ed. Teosófica, Brasília, 1996 − com uma correção. ]


A doutrina que promulgamos, por ser a única verdadeira, deve, apoiada em provas como as que estamos por oferecer, triunfar, afinal, como qualquer outra verdade. Contudo, é absolutamente necessário incuti-la gradualmente, colocando em prática suas teorias, fatos inquestionáveis para aqueles que sabem, com inferências diretas deduzidas das — e corroboradas pelas — evidências fornecidas pelas modernas Ciências Exatas. Esta é a razão pela qual o Coronel H.S.O., que trabalha apenas para reviver o Budismo, pode ser visto como alguém que se esforça na verdadeira senda da teosofia, muito mais do que qualquer outra pessoa que escolha como meta a gratificação de suas próprias e ardentes aspirações ao conhecimento oculto. Despojado de suas superstições, o Budismo é verdade eterna, e aquele que se esforça por encontrar esta última está buscando a Theo-Sophia, Sabedoria Divina, que é um sinônimo da verdade.


Para que nossas doutrinas ajam de forma prática sobre o assim chamado código moral, ou as idéias de retidão, pureza, auto-esquecimento, caridade, etc., temos de popularizar o conhecimento da Teosofia. O que caracteriza o verdadeiro teosofista não é o objetivo individual e determinado de obter para si mesmo o Nirvana (culminação de todo conhecimento e sabedoria absoluta) — o que, afinal, é apenas um sublime e glorioso egoísmo — mas a dedicação à busca com auto-sacrifício do melhor meio para levar nosso próximo ao caminho correto, beneficiando o maior número possível de nossos semelhantes.


Os setores intelectualizados da humanidade parecem estar-se dividindo rapidamente em dois grupos. Um prepara-se inconscientemente para longos períodos de aniquilação temporária, ou estados de não-consciência, devido ao abandono deliberado de seu intelecto, e aprisionamento nas estreitas trilhas do fanatismo religioso e da superstição, processo que inevitavelmente conduz à total deformação do princípio intelectual; o outro entrega-se desenfreadamente a seus impulsos animais, com a intenção deliberada de submeter-se à aniquilação pura e simples em caso de fracasso, e a milênios de degradação após a dissolução física. Essas “classes intelectuais”, agindo sobre as massas ignorantes que elas atraem, e que as vêem como nobres e dignos exemplos a seguir, rebaixam e degradam moralmente aqueles que deveriam proteger e orientar. Entre a superstição degradante e o ainda mais degradante e brutal materialismo, a pomba branca da verdade dificilmente encontra um lugar onde possa descansar seus pés desprezados e exaustos.


Já é tempo de a teosofia entrar em cena; os filhos dos teosofistas serão mais provavelmente teosofistas, em seu tempo, do que qualquer outra coisa. Nenhum mensageiro da verdade, nenhum profeta jamais conquistou, durante seu tempo de vida, um completo triunfo, nem mesmo Buda. A Sociedade Teosófica foi escolhida como a pedra fundamental, o alicerce da religião futura da humanidade. Para alcançar o objetivo proposto, foi determinado que houvesse uma convivência maior, mais sábia, e especialmente mais benevolente, do superior com o inferior, do Alfa e do Ômega da sociedade. A raça branca deve ser a primeira a estender a mão da fraternidade aos povos de cor escura e a chamar de irmão o pobre “negro” desprezado. Esta perspectiva pode não agradar a todos, mas não é teosofista aquele que se opõe a este princípio.


Em vista do sempre crescente triunfo e, ao mesmo tempo, mau uso do livre-pensamento e da liberdade (o reino universal de Satã, como o chamaria Eliphas Levi), como poderia o instinto combativo natural do homem ser impedido de infligir crueldades e atrocidades,  tirania, injustiça, etc., até hoje inimagináveis, se não através da tranqüilizadora influência de uma fraternidade e da aplicação prática das doutrinas esotéricas de Buda?


Pois, como todos sabem, a libertação total da autoridade do poder único ou lei que a tudo impregna, chamada de Deus pelos padres — Buda, Sabedoria Divina e iluminação ou Teosofia pelos filósofos de todas as épocas — significa também a emancipação, no mesmo sentido, da lei humana.


As doutrinas fundamentais de todas as religiões se comprovarão idênticas em seu significado esotérico, uma vez que sejam desagrilhoadas e libertadas do peso morto representado pelas interpretações dogmáticas, dos nomes pessoais, das concepções antropomórficas e dos sacerdotes assalariados. Osíris, Krishna, Buda e Cristo serão apresentados como nomes diferentes de uma mesma estrada real para a bem-aventurança final, o Nirvana.


O Cristianismo místico, isto é, aquele Cristianismo que ensina a autolibertação através do nosso próprio sétimo princípio — o Para-Atma (Augoeides) libertado, chamado por alguns de Cristo, por outros, de Buda, e equivalente à regeneração ou renascimento em espírito — será visto como  exatamente a mesma verdade do Nirvana do Budismo. Todos nós temos de nos livrar de nosso próprio Ego, o ser ilusório e aparente, a fim de reconhecer nosso verdadeiro ser em uma vida divina transcendental. Mas, se não formos egoístas, devemos esforçar-nos e fazer com que outras pessoas vejam essa verdade, e reconheçam a realidade desse ser transcendental, o Buda, Cristo ou Deus de cada pregador. Esta é a razão por que mesmo o Budismo exotérico é o caminho mais seguro para conduzir os homens em direção à única verdade esotérica.


Do modo como se encontra o mundo agora, seja cristão, muçulmano ou pagão,  a justiça é desconsiderada, enquanto a honra e a piedade são atiradas ao vento. Numa palavra, vendo que os objetivos principais da S.T. são mal interpretados por aqueles mais interessados em nos ajudar pessoalmente, como iremos lidar com o restante da humanidade, em meio à maldição conhecida como “luta pela vida”, que é a real e mais prolífica causa da maioria das desgraças e tristezas e de todos os crimes? Por que esta luta teve que tornar-se o esquema quase universal do universo? Nós respondemos: porque nenhuma religião, com exceção do Budismo, ensinou até agora um desapego prático por essa vida mundana, enquanto cada uma delas — sempre com aquela única e solitária exceção — através de seus infernos e danações, inculcou o maior pavor em relação à morte. Por isso nós encontramos, de fato, esta luta pela vida imperando mais violentamente nos países cristãos, prevalecendo especialmente na Europa e na América. Ela é mais fraca nas terras pagãs e praticamente  desconhecida entre as populações budistas. (Na China, durante um período de fome, onde as massas são mais ignorantes em relação a sua própria religião ou a qualquer outra, foi notável o fato de que aquelas mães que devoraram seus filhos pertencessem às localidades onde se encontrava a maior quantidade de missionários cristãos; onde não havia nenhum deles e apenas os bonzos possuíam a terra, a população morria com o máximo de indiferença). Ensine-se ao povo a ver que a vida nesta Terra, mesmo a mais feliz, é apenas um fardo e uma ilusão, que apenas o nosso próprio karma, a causa que produz um efeito, é nosso próprio juiz, — nosso salvador em vidas futuras — e a grande luta pela vida em breve perderá sua intensidade. Não há penitenciárias nas terras budistas, e o crime é praticamente desconhecido entre os budistas no Tibete. (O que foi dito acima não é dirigido a você, ou seja, A.P.S., e nada tem a ver com o trabalho da Sociedade Eclética de Simla. Pretende apenas dar uma resposta à impressão equivocada do Sr. Hume a respeito do “trabalho do Ceilão” como não sendo Teosofia).


O mundo em geral, e especialmente a cristandade, abandonado por dois mil anos ao regime de um Deus pessoal, bem como a seus sistemas políticos e sociais baseados nessa idéia, provou agora ser um fracasso. Se os teosofistas dizem: “Nada temos com tudo isso; as classes mais baixas e as raças inferiores (aquelas da Índia, por exemplo, na concepção dos britânicos) não são motivo de preocupação para nós e devem arranjar-se como podem” — o que acontece com nossas belas  declarações sobre benevolência, filantropia, reforma etc.? Serão tais declarações falsas?  E se forem falsas, poderá a nossa senda ser a verdadeira? Não deveríamos nos dedicar a ensinar a alguns poucos europeus, que vivem na abundância — muitos deles carregados  com as dádivas de uma fortuna imerecida — a explicação racional dos fenômenos de campainhas soando no ar, da materialização de xícaras, do telefone espiritual e da formação do corpo astral, e deixar os numerosos milhões de ignorantes, de pobres e desprezados, humildes e oprimidos, tomar conta de si mesmos e de sua vida futura da melhor forma possível que poderem? Nunca! Antes pereça a S.T., com os seus dois infelizes fundadores, do que permitirmos que ela se transforme em mera academia de magia, um centro de ocultismo. Que nós, os devotados seguidores daquele espírito encarnado do absoluto auto-sacrifício, da filantropia, da divina benevolência, assim como de todas as mais elevadas virtudes que se pode alcançar nesta terra de tristeza — o homem dos homens, Gautama Buda — permitíssemos, em algum momento, à S.T. representar a corporificação do egoísmo, o refúgio dos poucos que jamais pensam nos muitos, é uma estranha idéia, meus irmãos.


Entre os poucos vislumbres obtidos pelos europeus acerca do Tibete e de sua hierarquia mística de “Lamas perfeitos”, há um que foi corretamente compreendido e descrito. “A encarnação do Bodhisattva, Padma Pani, ou Avalokitesvara e Tsong-ka-pa e a de Amitabha, que renunciavam, na sua morte, à obtenção do Budado — ou seja, o summum bonum da bem-aventurança e da felicidade pessoal individual — de forma a nascerem mais e mais vezes em benefício da humanidade”. (R.D.) Em outras palavras, que deveriam ser submetidos reiteradamente à miséria, ao aprisionamento da carne e a todas as tristezas da vida, para que, através deste auto-sacrifício, repetido através de longos e monótonos séculos, pudessem tornar-se os meios de assegurar a salvação e a bem-aventurança futura para um punhado de homens escolhidos entre uma das muitas raças da humanidade. E é de nós, os humildes discípulos destes Lamas perfeitos, que se espera aprovação para que a S.T. abandone seu nobre título de Fraternidade da humanidade e torne-se uma simples escola de Psicologia. Não, não, bons irmãos, vocês já estão equivocados há demasiado tempo. Vamos entender-nos bem. Aquele que não se sente competente o bastante para compreender suficientemente a nobre idéia, para trabalhar por ela, não necessita assumir uma tarefa que é muito pesada para ele. Mas dificilmente haverá um teosofista em toda a Sociedade, que não possa auxiliá-la eficientemente através da correção das impressões errôneas dos de fora, quando não ajudar realmente através da propagação dessa idéia. Ah, o homem nobre e altruísta que nos auxiliar efetivamente, na Índia, nesta divina tarefa! Todo nosso conhecimento, passado e presente, não seria suficiente para recompensá-lo.


Tendo explicado nossos pontos de vista e aspirações, tenho apenas mais umas poucas palavras a acrescentar. Para serem verdadeiras, a religião e a filosofia têm de oferecer a solução de todos os problemas. Que o mundo esteja moralmente em tão má condição é uma evidência conclusiva de que nenhuma de suas religiões e filosofias, aquelas das raças civilizadas menos do que qualquer outra, jamais possuíram a verdade. As explanações corretas e lógicas sobre os problemas dos grandes princípios duais — certo e errado, bem e mal, liberdade e despotismo, dor e prazer, egoísmo e altruísmo — são tão impossíveis para elas agora como eram há 1881 anos atrás. Elas estão tão longe da solução quanto sempre estiveram; mas deve haver, em algum lugar, uma solução consistente para estes problemas e, se nossas doutrinas provarem sua competência em oferecê-la, então o mundo será o primeiro a confessar que esta deve ser a verdadeira filosofia, a verdadeira religião, a verdadeira luz, a qual dá a verdade e nada mais que a verdade.


(Final da Carta)

  

Se o amante se lança na chama da vela e não se queima,
ou a vela não é vela ou o homem não é Homem,
Assim o homem que não é enamorado de Deus
e que não faz esforços para o alcançar não é Homem.
Deus é aquele que queima o homem e o aniquila
e nenhuma razão o pode compreender.

Mawlana Rumi - ' Fihi ma fihi'

Por Amor

Por Amor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

... És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti...

"Nem Cristão, Judeu, ou Muçulmano,

nem Hindu, nem Budista, Sufi ou Zen.

Nem uma Religião ou Sistema cultural.

Eu não sou do Oriente nem do Ocidente,

nem dos oceanos nem da terra,

nem material ou etéreo,

nem composto de elementos.

Eu não existo..."


Mawlana Jalaluddin Rumi