Perceba sua natureza transitória...

Desperte teu Sol Interno...

...e Siga a natureza silenciosa de teu coração.


MMSorge

Tradutor Universal

Para ouvir a Rádio clique no Player

domingo, 28 de novembro de 2010

SOMOS E ESTAMOS O ETERNO AGORA


Somos um com o todo, estamos em tudo e em todos, por dentro e por fora, acima e abaixo, somos o corpo de Cristo em ação.



Caminhemos irmãos, caminhemos, pois já estamos às vésperas do grande dia e de uma nova aurora.

Somos o Exército da voz, o corpo de Cristo, o Cristo Cósmico.

Força, Equilíbrio, Fé, Amor, Vontade, tudo está o que sempre foi.



MERA PERSONALIDADE



A personalidade que se expressa através destas palavras simples é mera personalidade que deve ser transcendida para além das travas da mente meramente intelectual.

Aqui não me escondo e sim me faço visível como realmente sou, sem a interferência do falso e ilusório, do que para muitos é a verdade, mas para meu ser a ilusão.

Acreditamos estar acordados, mas em verdade dormimos como rocha na eternidade, devemos romper estas travas e muletas mentais, sem conceituar, sem rotular apenas ser seres de Luz a verdadeira luz do espírito de ouro, o espírito Solar.

Todos nós somos um único corpo em Cristo, só depende de cada um descobrir o Cristo vivo e o Universo que existe em cada um de nós.



Geometria Sagrada - Gran Libro de Winter Dan



La Ciencia del Campo Unificado y Las Mayores Religiones están de acuerdo que – El Universo esta hecho de una Única Sustancia Unificada.

A veces Pensa da como Éter o Energía de “Punto Cero”.


La Geometría Sagrada es un nombre para el ser eterno
o " demanda para la dinámica fundamental"
que exclusivamente por la simetría
enseña a todas las ondas de este universo a formar
la materia Y la mente.

El patrón de información que es
la inercia que define la materia para la física
es al mismo tiempo el ingrediente de simetría para volver las ondas
auto-alimentadas, auto-referentes, auto-organizable, y auto-conscientes.

La Implosión es el Santo Grial de la Geometría Sagrada
porque contiene la semilla de simetría fractal Dorada
que enseña a las ondas a convertir la compresión en aceleración
- la gravedad ardiente del corazón de
la auto-organización y el conocimiento de sí mismo
- es de verdad el caldero de conciencia mismo.


¿QUE ES
LA GEOMETRÍA SAGRADA?


Empecemos con la palabra - geometría. Sus raíces son – “ geo” - que significa Tierra, y “metría” - que significa medición. Literalmente: capaz de ser reunido. Encontrarse - para las ondas - significa entrar en fase en algún patrón que les permita la vinculación o el contacto.

 Entonces - literalmente la palabra geo-metría significa - medirse y unirse con la T ierra.

La palabra "sagrada" está llena de significados. En este curso - sugeriremos- uno de los significados fundamental es mas posibl es para el t ermino sagrado es simplemente - ser sustentable. Nuestro curso comienza con la noción de que el universo esta comprendido de un contiguo individual (significa una continuidad conectada - no discontinuidad) - de medio comprimible.

Visualice una gelatina moldeable o humo o éter. Esto es de verdad lo que significa un campo unificado - y es la base de todas las grandes tradiciones espirituales (la unicidad de todas las cosas) como dicen todos los grandes físicos - como Einstein.

Comprendiendo cómo la fuerza de la MENTE y la conciencia de si mismo se yergue en este universo hecha solo de ondas moldeables en gelatina - es el poderos trabajo perfecto de la GEOMETRÍA SAGRADA - porque lo pone a usted en el contexto. Su vórtice de carga mente / consciencia es aquella que dirige las ondas - de donde escoge poner el punto de atención focal.

Estamos diciendo que el universo esta hecho no de otra cosa si no de presión almacenada. El sonido es un nombre para la presión almacenada, el voltaje es un nombre para la presión almacenada, el amor es un nombre para la presión almacenada- por ejemplo. El patrón de la presión de onda toma el privilegio de mantenerse en un lugar - y por tanto almacenar inercia.

Es así como se obtiene el nombre de materia - después de que las ondas aprenden suficiente simetría para ser capaces de compartir el espacio y permanecer.

Todo el fenómeno llamado materia surge cuando los patrones de estas ondas comienzan a estabilizarse y empiezan a permanecer en un lugar por algún tiempo. Una vez que es te arreglo de ondas o patrón de ondas tiene simetría, - puede comenzar a ser suficientemente estable como para convertirse en una onda permanente. Un ejemplo de una onda permanente es una cuerda de guitarra fija - o una onda en el cable telefónico que se mantiene vibrando en el mismo lugar con un viento fuerte - etc. Todo en el universo es solo una onda permanente.

Las ondas solo pueden permanecer si entran en una simetría rotacional (circulo) que almacene inercia "creativamente".

La razón de que la física cayera en el “pecado” original – la esquizofrenia dolorosa – pensando que la materia estaba separada de la energía - fue por nuestro habito de darle un nombre a la inercia - y llamar a eso una sustancia (materia).

Vea usted - todos los científicos están de acuerdo que esa materia nunca ha tenido ningún significado o definición o origen, aparte de inercia. El problema con la ciencia actual es que desde que no entiende por que cualquier objeto se cae al suelo - no entiende qué causa la gravedad. Así, la ciencia actual no entiende qué crea la fuerza en el centro - qué mantiene a las ondas yendo en el mi smo circulo - capaces de almacenar inercia - y regresarse o crear materia.

Esta fuerza central de pequeños tornados dentro de grandes tornados - tiene un viento yendo haci a el centro - causando IMPLOSION por su auto-similitud. Esto sucede porque una confiera como auto-similitud convierte la COMPRESION en ACELERACIÓN. La gravedad es causada por la adición constructiva recurrente (heterodinamica) de las velocidades de ondas (la aceleración de carga es la gravedad).

Una vez que nosotros comprendemos este hermoso patrón de rosa de carga eléctrica creando el viento hacia el centro (a través de la velocidad de la luz - para la carga) llamado gravedad - estamos yendo mucho más cerca de entender el PAPEL DE LA MENTE ENTRE LAS ONDAS.

Pero no vayamos mas al lá de nosotros mismos, no corramos antes de caminar. Apenas indicamos a donde vamos con esto, para ayudarle a ver porque es importante seguir una simple serie de principios puros para entender como la mente puede crear materia de la luz.


Baixe o Livro em Espanhol
Geometria Sagrada Gran Libro de Winter Dan


Bons Estudos


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A Voz do Silêncio

PRIMEIRO FRAGMENTO

Estas instruções são para aqueles que não conhecem os perigos dos Iddhi (1) inferiores.

Aquele que quiser ouvir a voz de Nada (2), o Som sem som, e compreendê-la, terá de aprender a natureza do Dharana (3).

Tendo-se tornado indiferente aos objetos da percepção, deve o aluno procurar o Raja dos sentidos, o produtor de pensamentos, aquele que acorda a ilusão.

A Mente é a grande assassina do Real.

Que o discípulo mate o assassino.

Porque quando para si mesmo a sua própria forma parece irreal, como o parecem, ao acordar, todas as formas que ele vê em sonhos; quando deixar de ouvir os muitos, poderá divisar o Um - o som interior que mata o exterior.

Então, e só então, abandonará ele a região de Asat, o falso, para chegar ao reino de Sat, o verdadeiro.

Antes que a Alma possa ver, deve ser conseguida a harmonia interior, e os olhos da carne tornados cegos a toda a ilusão.

Antes que a Alma possa ouvir, a imagem (o homem) tem de se tornar surda aos rugidos como aos segredos, aos gritos dos elefantes em fúria como ao sussurro prateado do pirilampo de ouro.

Antes que a Alma possa compreender e recordar, ela deve primeiro unir-se ao Falador Silencioso, como a forma que é dada ao barro se uniu primeiro ao espírito do escultor.

Porque então a Alma ouvirá e poderá recordar-se.

E então ao ouvido interior falará

A Voz do Silêncio

e dirá:

Se a tua Alma sorri ao banhar-se ao sol da tua vida; se a tua Alma canta dentro da sua crisálida de carne e de matéria; se a tua Alma chora dentro do seu castelo de ilusão; se a tua Alma se esforça por quebrar o fio de prata que a liga ao Mestre (4); sabe, ó discípulo, que a tua Alma é da terra.

Quando ao tumulto do mundo a tua Alma (5) que desabrocha dá ouvidos; quando à voz clamorosa da grande ilusão (6) a tua Alma responde; quando se assusta ao ver as lágrimas quentes da dor, quando a ensurdecem os gemidos da angústia, quando a Alma se retira, como a tartaruga tímida, para dentro da concha da personalidade, sabe, ó discípulo, que do seu Deus silencioso a tua Alma é um sacrário indigno.

Quando, já mais forte, a tua Alma vai saindo do seu retiro seguro; quando, deixando o sacrário protetor, estende o seu fio de prata e avança; quando, ao contemplar a sua imagem nas ondas do espaço, ela murmura, "Isto sou eu" - declara, ó discípulo, que a tua Alma está presa nas teias da ilusão (7).

Esta terra, discípulo, é a sala da tristeza, onde existem, pelo caminho das duras provações, armadilhas para prender o teu Eu na ilusão chamada "a grande heresia" (8).

Esta terra, ó discípulo ignaro, não é senão a triste entrada para aquele crepúsculo que precede o vale da verdadeira luz - essa luz que nenhum vento pode apagar, e que arde sem óleo nem pavio.

Diz a grande Lei: "Para te tornares o conhecedor da Personalidade Total (9), tens primeiro de conhecer a Personalidade". Para chegares ao conhecimento dessa Personalidade, tens de abandonar a personalidade à não-personalidade, o ser ao não-ser, e poderás então repousar entre as asas da Grande Ave. Sim, suave é o descanso entre as asas daquilo que não nasce, nem morre, mas é o AUM (10) através de eras eternas (11).

Cavalga a Ave da Vida, se queres saber (12).

Abandona a tua vida, se queres viver (13).

Três salas, ó cansado peregrino, conduzem ao fim dos trabalhos.

Três salas, ó conquistador de Mara, te trarão através de três estados (14) até ao quarto (15), e daí até aos sete mundos (16), os mundos do descanso eterno.

Se queres saber os seus nomes, escuta-os e aprende-os.

O nome da primeira sala é Ignorância - Avidya. É a sala em que viste a luz, em que vives e hás de morrer (17).

O nome da segunda sala é a Sala da Aprendizagem (18). Nela a tua Alma encontrará as flores da vida, mas debaixo de cada flor uma serpente enrolada (19).

O nome da terceira sala é Sabedoria, para além da qual se estende o mar sem praias de Akshara, a fonte indestrutível da onisciência (20).

Se queres atravessar seguramente a primeira sala, que o teu espírito não tome os fogos da luxúria que ali ardem pela luz do sol da vida.

Se queres atravessar seguramente a segunda, não pares a aspirar o perfume das suas flores embriagantes. Se queres ver-te livre das peias cármicas, não procures o teu Guru nessas regiões mayávicas.

Os sábios não se demoram nas regiões de prazer dos sentidos.

Os sábios não dão ouvidos às vozes musicais da ilusão.

Procura aquele, que te dará o ser (21), na Sala da Sabedoria, a sala que está para além, onde todas as sombras são desconhecidas e onde a luz da verdade brilha como uma glória imorredoura.

Aquilo que é incriado está dentro de ti, discípulo, assim como está naquela sala. Se queres possuí-lo, e unir as duas coisas, tens de despir os teus negros trajes de ilusão. Abafa a voz da carne, não deixes que qualquer imagem dos sentidos se entreponha entre a sua luz e a tua, para que assim as duas se fundam em uma. E, tendo aprendido a tua Ajnana (22), abandona a Sala da Aprendizagem. Essa sala é perigosa pela sua beleza pérfida, e só é precisa para a tua provação. Acautela-te Lanu, não vá a tua Alma, entontecida pelo brilho ilusório, demorar-se e enredar-se na sua luz enganadora.

Esta luz brilha na jóia do grande enganador (Mara) (23).

Enfeitiça os sentidos, cega o espírito e deixa o descuidado naufragado e sozinho.

A borboleta atraída para a chama da tua lâmpada noturna está condenada a ficar morta no azeite. A alma incauta, que não pode defrontar-se com o demônio escarninho da ilusão, voltará ao mundo escrava de Mara.

Olha as hostes das Almas. Vê como elas pairam sobre o mar tempestuoso da vida humana, e como, exaustas, sangrando, de asas quebradas, caem, uma após outra, nas ondas encapeladas. Batidas pelos ventos ferozes, perseguidas pelos vendavais, são arrastadas para os sorvedouros e somem-se pelo primeiro grande vértice que encontram.

Se, passando pela Sala da Sabedoria, queres chegar ao vale da felicidade, fecha, discípulo, os teus sentidos à grande e cruel heresia da separação, que te afasta dos outros.

Que aquilo que em ti é de origem divina não se separe, engolfando-se no mar de Maya (24), do Pai Universal (a Alma), mas que o Poder de Fogo (25) se retire para a câmara interior, a câmara do coração (26), e o domicílio da Mãe do Mundo (27).

Então do coração esse poder subirá até à sexta região, à região média, ao lugar entre os teus olhos, quando se toma a respiração da Alma-Única, a voz que enche tudo, a voz do seu Mestre.

É só então que te podes tornar um "que anda nos céus" (28), que pisa os ventos por cima das ondas, cujo passo não toca nas águas.

Antes que ponhas o pé sobre o degrau superior da escada, da escada dos sons místicos, tens de ouvir de sete maneiras a voz do teu Deus interior (29).

A primeira é como a voz suave do rouxinol cantando à sua companheira uma canção de despedida.

A segunda vem como o som de um címbalo de prata dos Dhyanis, acordando as estrelas lucilantes.

A terceira é como o lamento melodioso de um espírito do oceano prisioneiro na sua concha.

E a esta segue-se o canto da vina (30).

A quinta, como o som de uma flauta de bambu, grita aos teus ouvidos.

Muda depois para um clamor de trompa.

A última vibra como o rumor surdo de uma nuvem de trovoada.

A sétima absorve todos os outros sons. Eles morrem, e não tornam a ouvir-se.

Quando os seis (31) estão mortos e postos aos pés do mestre, então se entrega o aluno no Único (32), se torna esse Único e nele vive.

Antes que possas entrar para esse caminho, tens de destruir o teu corpo lunar (33), e limpar o teu corpo mental (34) , assim como o teu coração.

As águas puras da vida eterna, límpidas e cristalinas, não podem misturar-se com as torrentes lamacentas da tempestade de monção.

O orvalho do céu brilhando ao primeiro raio do sol no coração do lótus, quando cai na terra torna-se uma, gota de lama; vede como a pérola se tornou uma porção de lodo.

Luta com os teus pensamentos desonestos antes que eles te dominem. Trata-os como eles te querem tratar, porque, se os poupas, criarão raízes e crescerão, e repara, esses pensamentos dominar-te-ão até que te matem. Acautela-te, discípulo, não deixes aproximar-se mesmo a sua sombra.

Porque ela crescerá, aumentará em tamanho e poder, e então essa coisa escura observará o teu ser antes que te apercebas da presença do monstro hediondo e negro.

Antes que o poder místico (35) te possa fazer um Deus, Lanu, deves ter adquirido a faculdade de matar, quando quiseres, a tua forma lunar.

A pessoa da matéria e a Pessoa do Espírito nunca se podem encontrar. Uma delas tem de desaparecer; não há lugar para ambas.

Antes que a mente da tua Alma possa compreender, deve a flor da personalidade ser esmagada em botão, e o verme dos sentidos destruído até não poder ressurgir.

Não podes caminhar no Caminho enquanto não te tornares, tu próprio, esse Caminho (36).

Que a tua Alma dê ouvidos a todo o grito de dor como a flor de lótus abre o seu seio para beber o sol matutino.

Que o sol feroz não seque uma única lágrima de dor antes que a tenhas limpado dos olhos de quem sofre.

Que cada lágrima humana escaldante caia no teu coração e aí fique; nem nunca a tires enquanto durar a dor que a produziu.

Estas lágrimas, ó tu de coração tão compassivo, são os rios que irrigam os campos da caridade imortal. É neste terreno que cresce a flor noturna de Buda (37), mais difícil de achar, mais rara de ver, do que a flor da árvore Vogay. É a semente da libertação do renascer. Ela isola o Arhat tanto da luta como da luxúria, leva-o através dos campos do ser para a paz e a felicidade que só se conhecem na terra do silêncio e do não-ser.

Mata o desejo; mas se o matares, cuida bem em que ele não renasça da morte.

Mata o amor da vida; mas se matares Tanha (38), que isso não seja pela ânsia da vida eterna, mas para substituir o evanescente pelo eterno.

Não desejes nada. Não te indignes contra o Carma, nem contra as leis imutáveis da natureza. Mas luta apenas com o pessoal, o transitório, o evanescente e o que tem de perecer.

Auxilia a natureza e trabalha com ela; e a natureza ter-te-á por um dos seus criadores, obedecendo-te.

E ela abrirá de par em par diante de ti as portas das suas câmaras secretas, desnudará ao teu ornar os tesouros ocultos nas profundezas do seu seio virgem. Impoluída pela mão da matéria, ela revela os seus tesouros apenas aos olhos do Espírito - os olhos que nunca se fecham, os olhos para os quais não há véu em todos os seus remos.

Então ela te mostrará o meio e a senda, a primeira porta, e a segunda, e a terceira, até à própria sétima porta. E então a meta, para além da qual estão, banhadas pelo sol do Espírito, glórias indizíveis, que só o olhar da Alma pode ver.

Há só uma senda até ao Caminho; só chegado bem ao fim se pode ouvir a Voz do Silêncio.

A escada pela qual o candidato sobe é formada por degraus de sofrimento e de dor; estes só podem ser calados pela voz da virtude. Ai de ti, pois, discípulo, se há um único vício que não abandonaste; porque então a escada abaterá e far-te-á cair; a sua base assenta no lodo fundo dos teus pecados e defeitos, e antes que possas tentar atravessar esse largo abismo de matéria, tens de lavar os teus pés nas águas da renúncia. Acautela-te, não vás pousar um pé ainda sujo no primeiro degrau da escada. Ai daquele que ousa poluir um degrau com seus pés lamacentos. A lama vil e viscosa secará, tornar-se-á pegajosa, e acabara por colar-lhe o pé ao degrau; e, como uma ave presa no visco do caçador sutil, ele será afastado de todo o progresso ulterior. Os seus vícios tomarão forma e puxá-lo-ão para baixo. Os seus pecados erguerão a voz, como o riso e soluço do chacal depois do sol se por; os seus pensamentos tornar-se-ão um exército e levá-lo-ão consigo, como um escravo cativo.

Mata os teus desejos, Lanu; torna os teus vícios impotentes, até dares o primeiro passo na jornada solene.

Estrangula os teus pecados, torna-os mudos para sempre, antes que ergas um pé para subir a escada.

Faze calar os teus pensamentos e concentra toda a tua atenção sobre o teu Mestre, que tu por enquanto não vês, mas sentes.

Funde num só sentido todos os teus sentidos, se queres tomar-te seguro contra o inimigo. É só por aquele sentido que está oculto no vácuo do teu cérebro, que o caminho íngreme que conduz ao teu Mestre se pode revelar aos olhos indecisos da tua, Alma.

Longa e fatigante é a senda ante ti, ó discípulo. Um único pensamento a respeito do passado que abandonaste puxar-te-á para baixo, e terás novamente de começar a ascensão.

Mata em ti toda a recordação de experiências passadas. Não te voltes para trás ou estás perdido.

Não creias que a luxúria pode alguma vez ser morta se é satisfeita ou saciada, porque isso é uma abominação inspirada por Mara.

É alimentando o vício que ele se expande e torna forte, como o verme que se alimenta no seio da flor.

A rosa tem de tornar a ser o botão, nascido da sua haste paterna, antes que o parasita lhe tenha roído o seio e bebido a seiva da sua vida.

A árvore dourada dá flores de jóia, antes que o seu tronco esteja gasto pela tormenta.

O aluno tem de tornar ao estado de infância que perdeu antes que o primeiro som lhe possa soar ao ouvido.

A luz do único Mestre, a única, eterna, luz dourada do Espírito, derrama os seus raios fulgurantes sobre o discípulo desde o princípio. Os seus raios atravessam as nuvens espessas e pesadas da matéria.

Ora aqui, ora ali, esses raios iluminam-na, como os raios do sol iluminam a terra através das espessas folhas da floresta. Mas, ó discípulo, a não ser que a carne seja passiva, a cabeça lúcida, a Alma firme e pura como um diamante que cintila, o fulgor não chegará à câmara, a sua luz do sol não aquecerá o coração, nem os sons místicos das alturas akashicas (39) chegarão ao ouvido, por atento que ele esteja, no estágio inicial.

A não ser que ouças, não poderás ver.

A não ser que vejas, não poderás ouvir. Ouvir e ver, eis o segundo estágio.

Quando o discípulo vê e ouve, e quando cheira e gosta, com os olhos fechados, os ouvidos fechados, tapados o nariz e a, boca; quando os quatro sentidos se fundem e estão prontos a tornar-se o quinto, aquele do tato interior - então passou ele para o quarto estágio.

E no quinto, á matador dos teus pensamentos, todos estes têm de ser outra vez mortos até não ser possível reanimarem-se (40).

Retira a tua mente de todos os objetos externos, de todas as vistas externas. Retira as magens internas, para que não lancem uma sombra negra sobre a luz da tua Alma.

Estás agora em Dharana (41) , o sexto estágio.

Quando tiveres passado para o sétimo, ó bem-aventurado, não mais verás os Três sagrados (42) , porque te terás, tu próprio, tornado esses Três. Tu próprio e a mente, como gêmeos sobre uma linha, a estrela que é o teu guia brilha por cima, nas alturas (43). Os Três que moram na glória e na felicidade inefáveis, agora perderam os seus nomes no mundo de Maya.

Tornaram-se uma só estrela, o fogo que arde mas não queima, o fogo que é o Upadhi (44) da chama.

E isto, ó iogue do sucesso, é aquilo a que os homens chamam Dhyana (45), o verdadeiro precursor do Samadhi (46).

E agora a tua personalidade está perdida na Personalidade, tu para contigo próprio imerso naquela Personalidade de onde primeiro irradiaste.

Onde está a tua individualidade, Lanu, onde está o próprio Lanu? É a fagulha perdida no meio do fogo, a gota dentro do oceano, o raio de luz sempre presente tornado o Todo e o fulgor eterno.

E agora, Lanu, tu és o agente e a testemunha, o que irradia e a irradiação, a luz no som, e o som na luz.

Conheces, ó bem-aventurado, os cinco impedimentos. Tu és o seu conquistador, o mestre do sexto, libertador dos quatro modos da verdade (47) - A luz que cai sobre eles brilha de ti, à tu que foste discípulo, mas agora és professor.

E destes modos da verdade:

Não atravessaste tu o conhecimento de toda a dor – primeira verdade?

Não venceste tu o rei dos Maras em Tsi, a porta da reunião (48) - segunda verdade?

Não destruíste tu o pecado à terceira porta, atingindo a terceira verdade?

Não entraste tu para Tau, o caminho que leva ao conhecimento (49) a quarta verdade?

E agora, descansa sob a árvore de Bodhi, que é a perfeição de todo o conhecimento, porque, sabe-o, és possuidor de Samadhi - o estado da visão infalível.

Vê! tornaste-te a luz, tornaste-te o som, és o teu Mestre e o teu Deus. Tu próprio és o objeto da tua busca: a voz sem falha, que ressoa através de eternidades, isenta de mudança, isenta de pecado, os sete sons em um,

A Voz do Silêncio.
Om Tat Sat.

Nota do Blog:
Disponibilizamos aqui somente o Primeiro Fragmento da "A Voz do Silêncio" de HPB.



Baixe o Livro completo.

Bons Estudos

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O Livro Tibetano dos Mortos - Bardo Todhol

Primeiro Bardo


Oh, amigo

O tempo caminha em direcção a ti para te levar a novos planos de realidade.

O teu ego e teu nome estão em jogo de acabar.

Estás pondo-te em frente da Luz Clara.

Tu estás experimentando esta realidade.

No estado de liberdade do ego onde todas as coisas são como um céu vazio
sem nuvens.

E o intelecto nu e limpo é como um enxerto vazio.

Neste momento conhece por ti mesmo e habita neste estado.

O que é chamado morte do ego está vindo para ti.


Recorda:

Esta é a hora da morte e renascimento.

Aproveita esta morte temporal para atingir o perfeito estado.

Ilumina-te.

Concentrado na unidade de todos os seres vivos.

Mantido sobre a Luz Clara.

Usa-o para alcançar o entendimento e o amor.

Se tu não podes manter a felicidade da iluminação e se tu te estás deslizando
dentro do contacto do mundo exterior.


Recorda:

As alucinações que podes experimentar agora, as visões e introspecções te
ensinarão muito sobre ti mesmo e o mundo.

O véu da rotineira percepção será mudado em teus olhos.

Recorda a unidade de todas as coisas vivas.

Recorda a glória da Luz Clara.

Deixa-te guiar através de tua nova vida que vem.

Deixa-te guiar através das visões desta experiência.

Se te sentes confuso, invoca a memória de teus amigos e de teus mestres.

Trata de alcançar e conservar a experiência da luz clara.


Recorda:

A luz é a energia vital.

A chama sem fim da vida.

Um ondulante e sempre mudável torvelinho de cor pode apoderar-se de tua visão.

Esta é a incessante transformação da energia.

O processo vital.

Não temas.

Entrega-te a ele.

Une-te.

Forma parte de ti.

Tu és parte dele.


Recorda também:

Mais além da contínua e fluente electricidade da vida está a última realidade.

O Vazio.

Teu próprio saber, formado na não-possessão de forma ou cor, é naturalmente
vazio...

A realidade final.

O Todo bondade.

O Todo paz.

A Luz.

Resplandecente.

O movimento é o fogo da vida do qual tudo vem.

Une-te.

Forma parte de ti.

Mais além da luz da vida está o pacífico silêncio do Vazio.

A quieta felicidade mais além de todas as transformações.

O sorriso de Buda.

O Vazio não é o nada.

Desobstruído, brilhando, comovendo, feliz.

O vazio é o princípio e o fim ele mesmo.

Consciência de diamante.

O Todo Bondade Buda.

Tua própria consciência, brilhando, vazia e inseparável.

Não-pensamento, não visão, não-cor, é vazio.

O intelecto brilhando é cheio de felicidade e silencioso. Este é o estado de perfeita iluminação.

Tua própria consciência, brilhando, vazia inseparável do grande corpo resplandecente, não tem nascimento, nem morte.

É a imutável luz que os tibetanos chamam Buda Amitabha.

O saber da não-forma começando.

Conhecer isto é suficiente.

Reconhecer o vazio de tua própria consciência para ser domínio de Buda
Permanece neste reconhecimento e tu manterás o estado da divina mente de
Buda.

SEGUNDO BARDO


Recorda:

Agora vais experimentar três Bardos.

Três estados de perda do eu.

Primeiro aparece a clara luz da realidade.

Vêm em fogo os jogos de alucinações fantasticamente variados.

Mais adiante encontrarás o estado de reentrada.

De voltar a ter um eu.

Oh, amigo.

Pode ser que tua experiência seja de transcendência do eu, a saída de teu antigo eu.

Mas tu não és o único.

A todos chega alguma vez.

És afortunado ao ter gratuitamente esta experiência de renascimento que se te oferece.

Não te apegues com essa debilidade a teu velho Eu.

Inclusive se te apegas a tua mente, já perdeste o poder de a manter.

Pela luta não poderás conseguir nada neste mundo alucinatório.

Não te apegues.

Não sejas débil.

Qualquer que seja o medo ou terror que te embargue.

Não olvides estas palavras.

Introduz o seu significado no teu coração.

Segue em frente.

Aqui mesmo está o segredo vital do conhecimento.

Recorda, oh amigo:

Quando o corpo e a mente se separam, experimentas uma rápida visão da verdade pura, subtil, radiante, brilhante.

Vibrante, gloriosa.

Não temas.

Esta é a radiação de tua verdadeira natureza.

Reconhece-o.

Da névoa desta radiação vem o som natural da realidade.

Reverberando como mil tronos em simultâneo.

Este é o som natural do processo de tua vida.

Portanto não te assustes.

Não te aterrorizes.

Não tenhas medo.

Para ti é suficiente saber que estas aparições são as formas de teu próprio pensamento.

Se não reconheces tuas próprias formas de pensamento.

Se olvidas tua preparação.

As luzes te deslumbrarão.

Os sons te atemorizarão.

Os raios te aterrorizarão.

As pessoas ao teu redor te confundirão.

Recorda a chave dos ensinamentos.

Oh, amigo.

Estes reinos não vêm de algum lugar exterior a teu ego.

Vêm de teu interior e brilham sobre ti.

Tampouco as revelações vêm de nenhum outro lugar.

Existem desde a eternidade dentro das faculdades de teu próprio intelecto.

Reconhece que são desta natureza.

A chave da iluminação e da serenidade durante o período de dez mil visões é simplesmente esse:

Descanso, relaxamento.

Une-te a ele.

Aceita encarecidamente as maravilhas de tua criatividade.

Não te apegues nem estejas assustado.

Nem atraído nem repelido.

Sobre tudo, não faças nada sobre as visões.

Existem somente dentro de ti.


A fonte
(Olhos fechados, estímulos externos ignorados)

Oh, bem nascido, escuta com cuidado:

A energia radiante da origem,
semente da qual vêm todas as formas viventes brota em direcção
a fora e golpeia contra ti com uma luz tão brilhante que tu apenas
poderás mirar.

Não te assustes.

Esta é a Energia da Origem que esteve radiando biliões de
anos.

Sempre manifestando-se de outras formas.

Aceita-a.

Não tentes intelectualizá-la.

Não brinques com ela.

Funde-te com ela.

Deixa-a fluir através de ti.

Perde-te com ela.

Funde-te no Halo de Luz de arco Íris.

No coração da lança da energia.

Obtém o domínio de Buda no reino central.


Sintomas físicos

Oh amigo, escuta com atenção.

Os sintomas corporais que tu estás sentindo não são de efeito químico.

Eles indicam que tu estás lutando contra o conhecimento de sentimentos que ultrapassam a tua experiência normal.

Tu não podes controlar estas ondas universais de energia.

Deixa que os sentimentos se fundam todos sobre ti.

Faz-te parte deles.

Permite-te a ti mesmo palpitar com as vibrações ao teu redor.

Relaxa.

Não lutes.

Teus sintomas desaparecerão tão rapidamente como todo o rastro de ego concentrado, esforçando-se, desapareça.

Aceita-os como a mensagem do corpo.

Dá-lhes as boas-vindas.

Goza deles.


O fluir interno de processos arquetípicos
(Olhos fechados, estímulos externos ignorados, aspectos intelectuais)

Oh bem nascido, escuta com atenção:

O fluir da vida está girando através de ti.

Uma demonstração infinita de formas e sons puros.

Deslumbrantemente brilhante.

Sempre volúvel.

Não tentes controlá-la.

Flúi com ela.

Experimenta os antigos mitos cósmicos da criação e manifestação.

Não tentes compreender.

Há muitíssimo mais tempo para isto mais tarde.

Funde-te com ela.

Deixa-a fluir através de ti.

Não há necessidade de actuar ou pensar.

Se te estão ensinando as grandes lições de evolução, criação e reprodução.
.
Se tu tentas retê-lo, podes cair em mundos infernais.

e sofrer intolerável miséria criada por tua própria mente.

Evita brincar às interpretações.

Evita pensar, falar ou fazer.

Tem fé na corrente da vida.

Confia em teus companheiros nesta aquosa jornada.

Funde-te na Luz de Arco Íris.

No Coração do Rio das formas criadas.

Obtém o domínio de Buda no Reino proeminentemente feliz.


A corrente de fogo da unidade interna
(Olhos fechados, estímulos externos ignorados, aspectos emocionais)

Oh bem nascido, escuta com atenção:

Estás fluindo para fora e para dentro da fluida unidade da vida.

O êxtase do fogo orgânico te aquece todas as células.

As duras, secas, frágeis cascas de teu ego estão lavando-se no infinito mar de criações.

Flúi com ela.

Sente a pulsação do coração do sol.

Deixa que o vermelho Buda Amitabha te envolva.

Não temas o êxtase.

Não resistas à corrente.

Recorda, todo o exultante poder vem de dentro.

Confia na força marinha arrastando-te dentro da unidade com todas as formas vivas.

Deixa que teu coração estale no amor por toda a vida.

Deixa que teu sangue quente jorre para fora dentro do oceano de toda a vida.

Não estejas atado ao poder estático.

Ele vem de ti.

Deixa-o fluir.

Não tentes apressar teus velhos temores corporais.

Deixa que teu corpo se funda com o fluxo quente.

Deixa que tuas raízes se submirjam dentro do corpo da vida quente.

Flutua no mar do Arco Íris.

Consegue o domínio de Buda no reino chamado.

AMOR EXULTANTE.


A estrutura da onda vibração das formas externas
(Olhos abertos, grande interesse no estímulo externo visual, intelectuais)

Oh bem nascido, escuta com atenção:

Neste ponto podes dar conta da estrutura.

em formas de ondas do mundo que te rodeia.

Tudo o que tu vês se dissolve em vibrações de energia.

Mira fixamente e darás conta do baile eléctrico da energia.

Já não há coisas nem pessoas senão só o movimento directo de partículas.

Tua consciência agora deixará teu corpo e se introduzirá no rio de ondas rítmicas.

Não há necessidade de falar nem de acção.

Deixa que teu cérebro se converta em um receptor das radiações.

Todas as interpretações são produto da tua mente.

Tira-as de cima.

Não tenhas medo.

Maravilha-te na força natural de teu próprio cérebro.

A sabedoria de tua própria electricidade.

Está quieto e espera.

À medida que o mundo tridimensional se desfaz, podes sentir pânico.

Te podes sentir apegado ao pesado e aborrecido mundo dos objectos que agora estás deixando.

Neste momento, não te assustes com a transparente, radiante, cegante onda de energia.

Deixa que tua intelectualidade descanse.

Não tenhas medo dos raios pegajosos da luz da vida.

a estrutura básica da matéria, a forma básica da.

comunicação em ondas.

Atende quietamente e recebe a mensagem.

Agora terás a experiência directa da revelação das formas primárias.


As ondas vibratórias da unidade externa
(Olhos abertos, grande interesse pelo estímulo exterior tal como as luzes, os movimentos, aspectos emocionais)

Oh bem nascido, escuta atentamente:

Estás experimentando a unidade de todas as formas vivas.

Se as pessoas te parecem feita de goma e sem vida, como bonecos de plástico,
Não te assustes.

Isto só é um esforço de teu ego para manter sua identidade separada.

Permite-te sentir a unidade de tudo, mescla-te com o mundo ao teu redor
Não tenhas medo.

Desfruta do baile dos bonecos, os cria tua própria mente.

Relaxa e sente o êxtase das vibrações de energia atravessando-te.

Desfruta a completa unidade da matéria e a vida.

A luminosidade radiante é um reflexo de tua própria consciência.

É um aspecto de tua natureza divina.

Não te sintas aderido a teu antigo ser humano.

Não estejas alarmado pelos novos e estranhos sentimentos que estás tendo.

Se agora te sentes atraído por teu ser antigo.

Voltarás para outra etapa do jogo existencial.

Tem confiança e mantém-te sem temor.

Te mesclarás no coração do sagrado Ratnasambhava.

Em um halo de luz arco íris.

E conseguirás liberação no domínio dotado de glória.


O circo da retina

Oh bem nascido escuta atentamente:

Estás agora percebendo o baile mágico das formas.

Rascunhos estáticos e caleidoscópicos aparecem ao teu redor.

Todas as formas possíveis aparecem vivas diante de teus olhos.

O circo da retina.

O incessante jogo dos elementos.

Terra, Água, Ar, Fogo.

Em forma e manifestações que sempre mudam.

Deslumbrando-te com sua complexidade e variedade.

Relaxa e desfruta o rio de movimento.

Não te apegues a nenhuma visão nem revelação.

Deixa que tudo passe através de ti.

Se a ti vêm experiências molestas.

Deixa que passem como o demais.

Não lutes contra elas.

Tudo vem de dentro de ti.

Isto é a grande lição em criatividade e poder do cérebro.

Liberado de suas estruturas aprendidas.

Deixa que a cascata de imagens e associações te leve onde quiser.

Medita calmamente sobre o conhecimento.

de que estas visões são emanações de tua própria consciência.

Desta maneira podes obter conhecimento próprio e libertar-te.


O teatro mágico

Oh, bem nascido, escuta atentamente:

Estás agora no teatro mágico dos heróis e dos demônios.

Figuras mitológicas e superhumanas.

Demónios, deusas, guerreiros celestiais, gigantes.

Anjos, Bodisadvas, anões, cruzados.

Duendes, demónios, santos, bruxos, extraterrestres.

Espíritos infernais, duendes, cavaleiros e imperadores.

O Deus Loto da dança.

O grande homem velho, a divina criatura,

O trampista, o metamorfo,

O domador de feras,

A mãe das deusas, a bruxa.

O deus da lua, o errante.

A totalidade do divino teatro de figuras representando o cume da sabedoria humana.

Não tenhas medo deles.

Estão dentro de ti.

Tua própria inteligência criativa é o mago reinante sobre eles.

Reconhece as figuras como aspectos de ti mesmo.

Toda a fantástica comédia se encontra em ti.

Não te sintas aderido às figuras.

Lembra-te dos ensinamentos.

Ainda podes conseguir a liberação.


Visões coléricas

Oh nobremente nascido, escuta cuidadosamente:

Tu és incapaz de manter a perfeita Luz Clara ou o primeiro Bardo.

Reconhece-as.

Eles são teus próprios reflexos feitos visíveis e audíveis.

Elas são produto de tua própria mente retrocedida para o muro.

Elas indicam que tu estás fechado à liberação.

Não as temas.

Nenhum dano pode vir destas alucinações.

Elas são teus próprios pensamentos com aspecto atemorizante.

São velhos amigos.

Dá-lhes as boas vindas. Funde-te com elas, volta a elas.

Perde-te tu mesmo nelas.

Elas são tuas.

Qualquer coisa por muito aterradora e estranha que tu vejas.

Recorda acima de tudo que vem de dentro de ti.

Mantém-te sobre este conhecimento.

Tão rapidamente como reconheças isso, obterás liberação.

Se não o reconheces.

Torturas e castigo se seguirão.

Mas isto são também radiações de teu próprio intelecto.

São imateriais.

O vazio não pode danificar o vazio.

Nenhuma das pacíficas ou coléricas visões.

Demónios bebedores de sangue, máquinas, monstros ou diabos
Existem na realidade só dentro de teu crânio isto dissipará teu medo.


TERCEIRO BARDO

Instruções preliminares

Oh. escuta bem.

Tu estás agora ingressando no terceiro bardo.

Antes enquanto experimentavas as pacíficas e coléricas visões do segundo Bardo.

Tu não podias reconhecê-lo

Através do medo ficavas inconsciente

Agora enquanto recuperas

Tua consciência se levanta

Como uma truta brincando para adiante,

fora da água lutando por sua forma original

Teu ego anterior começou a operar outra vez

Não te esforces por decifrar coisas

Se por fraqueza estás atraído a actuar e pensar

Tu queres vagar no meio do mundo do fogo da existência

E padecer dor

Relaxa teu intranquilo espírito

Oh... tu foste incapaz de reconhecer as formas arquetípicas do

segundo Bardo

Tu baixaste até agora

Agora, se tu desejas ver a verdade

Tua mente deve descansar sem distracção

Não há nada que fazer, nada em que pensar

Flutua em direcção ao não-obscuro, primordial brilhante, estado vazio de teu

intelecto

Neste caminho tu obterás liberação

Se és incapaz de relaxar tua mente

Medita em teus amigos

Pensa neles com profundo amor e confiança

Como sobre-obscurecendo a coroa de tua cabeça

Isto é de grande importância

Não te distrai-as

Oh...,

Tu podes sentir o poder de realizar proezas

De perceber e comunicar com poder extrasensorial

De mudar forma, tamanho e número

De atravessar espaço e tempo instantaneamente

Estas sensações chegam a ti naturalmente

Sem nenhum método por tua parte

Não as desejas

Não trates de exercitá-las

Reconhece-as como sinal de que estás no terceiro

Bardo

No período de reentrada no mundo normal

Oh ...

Se não entendeste o mencionado

Neste momento

Como resultado de teu próprio jogo mental

Espantosas visões podem vir

Ráfagas de vento e ráfagas geladas

Zumbidos e chasquidos da maquinaria de controlo

Simulando risos

Tu podes imaginar terror produzindo observações:

«Culpável», «estúpido», «inadequado», «sujo»,

Tais troças imaginadas e pesadelos paranóicos

São os restos do egoísta egodominando, jogojogando.

Não as temas
São teus próprios produtos mentais

Recorda que estás no terceiro Bardo

Tu estás lutando por entrar na densa atmosfera do jogo da

existência rotineira,

Deixa esta reentrada ser suave e lenta

Não trates de usar força ou poder de vontade.

Oh…,

Como tu és conduzido aqui e além pelos sempre moventes

ventos do Karma

Tua mente, não tendo lugar para descansar ou focar-se

És como uma pluma lançada pelo vento

Ou como um ginete no cavalo ou alento

Incessantemente ou involuntariamente tu errarás chamado no

desespero por teu velho ego.

Tua mente corre até que estejas exausto e miserável

Não te detenhas nestes pensamentos

Conhece o descanso no estado inalterado

Medita na unidade de toda a energia

Assim tu serás livre de dor, terror e confusão

Oh ...,

Tu podes sentir-te confuso e desorientado

Tu podes estar assombrado de tua conduta

Tu podes mirar teus companheiros viajantes e amigos

e dar conta de que não podem entender-te

Tu podes pensar: Eu estou morto.. Que farei..

E sentir grande miséria

Só como um peixe arrojado fora da água sobre brasas ao vermelho rojo

Tu podes assombrar-te de que nunca voltarás

Lugares familiares, parentes, as pessoas que te conhecem se te aparecem

como em um sonho

Ou através de um vidro obscuro

Se tu estás vendo semelhantes experiências

Pensando não será de nenhuma utilidade

Não tentes explicar

Este é o resultado natural de teu próprio programa mental

Tais sensações indicam que estás no terceiro bardo

Confia em teu guia

Confia em teus companheiros

Confia no misericordioso Buda

Medita calmamente sem distracção.

Oh....

Tu podes agora sentir como se estivesses oprimido

e estrujado

Como entre rochas e penhascos

Ou como dentro de uma jaula ou prisão


Recorda:
Estes são sinais de que tu estás tentando forçar um retorno a teu ego

Pode ser uma opaca, luz cinzenta .

Estes são sinais do terceiro Bardo

Não lutes por retornar

A reentrada sucederá por si mesma

Reconhece onde estás

O reconhecimento te guiará à liberação


As visões de reentrada

Oh....

Tu não entendes-te o que está sucedendo

Até agora estiveste buscando a tua passada personalidade

Incapaz de encontrá-la, podes começar a sentir que nunca serás o mesmo outra vez

Que volverás como uma pessoa mudada

Entristecido por isto sentirás pena de ti mesmo

Vais tratar de encontrar teu ego, alcançar o controlo,

Deste modo pensando, te assombrarás aqui e ali

Incessantemente e distraidamente

Diferentes imagens de teu próprio futuro serão vistas por ti

A que te obceca a verás mais claramente

A arte especial destes ensinamentos é particularmente importante neste momento.

Qualquer imagem que vejas.

Medita acerca dela como vindo de Buda

Este nível de existência também existe em Buda

Esta é uma arte sumamente profunda

Te fará livre de tua presente confusão

Medita acerca (nome do ideal protector) tanto quanto possas

Visualiza-a como uma forma produzida por um mago

Então deixa sua imagem dissolver-se

Começando pelas extremidades

Até que nada seja visível

Põe-te em um estado de claridade e vazio

Habita neste estado por um momento

Medita agora uma vez mais em teu ideal protector

Uma vez mais na Luz Clara

Faz isto alternativamente

Depois deixa tua própria mente dissolver-se também gradualmente

Onde quer que o ar penetre, a consciência penetra

Onde quer que a consciência penetre, o sereno êxtase penetra

Habita tranquilamente no incriado estado de serenidade

Neste momento o renascimento das paranóias será evitado

A perfeita iluminação será conseguida


Para toda a influência determinante do pensamento

Oh....

Podes agora experimentar alegria momentânea

seguida de pena momentânea de grande intensidade

Como o tensionar-se e relaxar de uma catapulta

Irás através de agudas oscilações de humor

Tudo determinado pelo Karma

Não te aferres às alegrias nem te enfades com as penas

As acções de teus amigos podem evocar enfado ou pena em ti.

Se te enfadas ou te deprimes

Terás uma experiência infernal

Não tem importância o que a gente faça

Nenhum pensamento nebuloso pode surgir

Medita acerca do amor em relação a eles

Frequentemente neste estado da sessão só estarás um

segundo longe da descoberta da mudança alegre de Tua vida;

Recorda que cada um de teus, companheiros é Buda consigo mesmo.

Tua mente agora, sem ter onde focar-se ou força interrogadora,

Sendo luz e movendo-se continuamente.

Todos os pensamentos que te ocorram

Positivos ou negativos

Exercerão grande poder

Tu estás extremamente receptivo

Portanto não penses em coisas egoístas

Recorda tua preparação para a viagem

Mostra pura afeição e humilde fé

Através da ausência destas palavras a recordação virá

A recordação será seguida do reconhecimento e a liberação.


Para o juízo das visões

Oh, se estás experimentando uma visão de juízo e culpa

Escuta atentamente

Estás sofrendo isto porque é o resultado de teu mísero jogo mental

Teu Karma

Ninguém está fazendo nada

Tua mente está criando o problema

Portanto flutua na meditação

Lembra-te das tuas formas não que crês

Lembra os ensinamentos deste manual

Lembra-te da amigável presença de teus companheiros

Se não sabes como meditar

Concentra-te em um objecto ou sensação

Toma-lo (dá-te ao que se preocupa um objecto)

Concentra-te na realidade desse objecto

Reconhece a ilusória natureza de existência e fenómeno

Este momento é de grande importância

Se estás distraído agora te custará sair do pântano da miséria

Até agora as experiências do Bardo vieram a ti e não as reconheces-te

Estiveste distraído

Neste período experimentaste todo o medo e todo o terror

Ainda que sempre com êxito até aqui

Podes reconhecer e obter liberação aqui

Tua sessão pode chegar a ser estática e reveladora

Se tu não sabes como meditar, recorda (ideal da pessoa)

Recorda teus companheiros recorda este manual

Pensa em todos esses medos e terroríficas aparições como

pertencendo a teu próprio ideal,

como o uno misericordioso

São provas divinas

Recorda teu guia

Repete os nomes uma e outra vez ainda que sempre decaiam

Não serás danificado.


As visões sexuais

Neste momento podes ver visões de casais juntos

Tu estás convencido que ao teu redor ocorre uma orgia

Desejo e expectativa se apoderam de ti que a acção sexual te espera

Quando estas visões ocorram

Recorda, retém-te a ti mesmo de acção ou de apego

Humildemente exercita tua fé

Flutua na corrente

Confia fervorosamente no processo

Meditação e confiança na unidade da vida são as chaves

Se tratas de entrar em tua velha personalidade por que és atraído ou rechaçado

Se queres unir-te à orgia que estás alucinando

Renascerás a um nível animal

Experimentarás desejo possessivo e ciúmes

Sofrerás estupidez e miséria

Se desejas evitar essas misérias

Escuta e reconhece

Rechaça os sentimentos de repulsão ou atracção

Recorda que o descendente esforço contrário à iluminação é forte em ti

Medita sobre a unidade com teus companheiros de viajem

Abandona os ciúmes

Nem atracção nem repulsão por tuas alucinações sexuais

Não vagarás na miséria largo tempo

Repete estas palavras a ti mesmo

E medita sobre isso.


Quatro métodos de prevenção da entrada

I. Meditação sobre o Buda


Oh.... tranquilamente medita sobre tua figura protectora

Ela é como um reflexo da lua na água

É aparente, todavia, não existente

Como uma ilusão produzida pela magia

Se tu não tens uma figura especial protectora

Medita sobre o Buda ou sobre mim

Com isto na mente medita tranquilamente

Então, originando a visualizadora forma de teu protector ideal

Se dissolve desde as extremidades

Medita sem nenhuma ideia feita, sobre A Clara Luz

Vazio

Esta é uma arte muito profunda

Por virtude disso o renascimento é adiado

Uma maior iluminação futura é segura.


II. Meditação sobre bons jogos

Tu estás vagando agora pelo terceiro Bardo

Como um sinal disto mira teu espelho e tu não verás teu rosto normal

Neste momento tu deves fazer simples resolução em tua mente

Isto é muito importante

É como dirigir a corrida de um cavalo com o uso dos riñones

Todo o que tu desejes sucederá.


III. Meditação sobre a ilusão

Se ainda estás baixando te liberarás

Medita como se segue:

As actividades sexuais, manipulação da maquinaria,

a simulação do riso, sons esporádicos e aparições terroríficas,

Em verdade estes fenómenos são em natureza ilusões

Sem embargo eles podem aparecer de verdade

São irreais e falsos

São como sonhos e aparições

Não permanentes, não fixas

¿Que vantagem há em apegar-se ou ter medo delas?

Tudo são alucinações de tua mente

Tu própria mente não existe

Portanto, ¿por quê existem elas?

Só tomando estas ilusões por algo real tu navegarás ao redor

desta confusa existência

Todas são como sonhos, como ecos

Como cidades de nuvens

Como reflexos, como formas relaxadas

Como fantasmagorias

A lua vista na água

Não são reais nem um momento

Mantendo-te firme agudamente nesta linha de pensamento

A crença de que elas são reais é dissipada

E a liberação é alcançada.


IV. Meditação sobre o vazio

Todas as substâncias são parte de minha própria consciência.

Esta consciência é vazia, incriada, e não cessante,

Meditando assim,

Deixa descansar a mente no incriado estado

Como o chover de água sobre água

A mente deve ser deixada em sua própria postura fácil mental

Em sua natural inmodificada condição clara e vibrante

Mantendo este relaxado, incriado estado da mente

O renascimento na rotina jogo realidade é seguramente evitado

Medita sobre isto até que tu sejas certamente livre.


Para depois escolher a personalidade

Escuta:

É quase tempo de voltar

Faz a selecção de tua futura personalidade de acordo com os

melhores ensinamentos


Escuta bem:

Os sinais e características do nível de existência a vir.

Aparecerão ante ti em sinais premonitórios.

Reconhece-os

Quando encontres que tu voltaste à realidade

Intenta seguir as deliciosas agradáveis visões

Evita as desagradáveis e obscuras

Se voltas em pânico, um espantoso estado seguirá.

Se te esforças por escapar às obscuras lúgubres visões,

Um estado infeliz seguirá.

Se tu voltas em resplendor, um feliz estado seguirá.

Teu estado mental agora, afectará seu posterior nível de ser

O que escolhas.

Escolhe imparcialmente

Sem atracção nem repulsão.

Entra no jogo existência com boa graça

Voluntariamente e livremente

Permanece tranquilo

Recorda estes ensinamentos.

FIM

Baixe o Bardo Thodol


Se o amante se lança na chama da vela e não se queima,
ou a vela não é vela ou o homem não é Homem,
Assim o homem que não é enamorado de Deus
e que não faz esforços para o alcançar não é Homem.
Deus é aquele que queima o homem e o aniquila
e nenhuma razão o pode compreender.

Mawlana Rumi - ' Fihi ma fihi'

Por Amor

Por Amor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

... És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti...

"Nem Cristão, Judeu, ou Muçulmano,

nem Hindu, nem Budista, Sufi ou Zen.

Nem uma Religião ou Sistema cultural.

Eu não sou do Oriente nem do Ocidente,

nem dos oceanos nem da terra,

nem material ou etéreo,

nem composto de elementos.

Eu não existo..."


Mawlana Jalaluddin Rumi